Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Nelson Jobim foge sem dar explicações


Prefere ir para a Amazônia se fantasiar de soldado e agarrar cobras imensas

Criados da confusão que desviou para uma tal maleta da Abin as atenções suscitadas pelo problema das escutas, o ministro Nelson Jobim age com a mesma impropriedade ao se valer, agora, de uma viagem de Lula para desviar-se do seu depoimento, quarta-feira [hoje], como convocado da CPI das Escutas Telefônicas.

Ganhar uma semana, com a inquirição na quarta 17, talvez lhe ofereça um cenário mais abrandado na CPI, consideradas as explicações que deve. Mas seu compromisso, em todos os sentidos funcionais e pessoais, é com a convocação que vale como palavra do Congresso, para esclarecimentos relevantes no inquérito. E não com um passeio à Amazônia onde nada de importante tem a fazer. Tanto mais que o arranjo da escapada fica à mostra com o "convite" presidencial tão posterior à convocação da CPI.

A confusão começa ao ser dito a Lula (e outros), por Jobim, que a maleta seria destinada a gravações ambientais. Ocorre que o ministro Gilmar Mendes e o senador Demóstenes Torres falam ambos ao telefone quando são gravados, logo, um deles não poderia ser captado por um gravador ambiental. A própria gravação sugere, como primeiro indício, a velha escuta por linha telefônica, no entanto relegada pela "denúncia" de Jobim. Com as responsabilidades de ministro da Defesa, Nelson Jobim deve ter explicação interessante a dar à CPI, sobre os fundamentos de sua colaboração.

Em depoimento à CPI, o ministro da Segurança Institucional, general Jorge Felix, afirmou que pedira ao Exército o exame de especialistas em todo o equipamento da Abin, para verificação das respectivas finalidades. Não lhe constava haver maleta com gravador, mas tão só para varreduras. Nelson Jobim contestou-o com a informação de que a maleta foi comprada para a Abin pelo Exército, por intermédio de sua comissão de compras nos EUA. Arrasador.

Por alguns dias, sim. O Exército informou que a maleta não era de gravação. Arrasador. Um desmentido frontal do Exército ao ministro da Defesa? Veio então o habilidoso laudo do exame a que o general Felix se referira: o dispositivo da maleta é próprio para varreduras, não para gravação, sendo necessário submetê-lo a adaptações para que possa servir como gravador em determinadas circunstâncias.

Adaptação para quê, se qualquer gravador se prestaria ao serviço sem o trabalho de adaptá-lo, cabendo ao interessado apenas a conveniência de escolhê-lo segundo a duração das gravações? Jobim, no final da semana, preferiu dizer aos repórteres que "a divergência com o general Felix está encerrada".

Na CPI não está. Há informações inverídicas lançadas por um dos lados divergentes, delas advieram desdobramentos, a alguém ou a alguma corrente serviram para fins ainda obscuros, ou duvidosos.

Há, portanto, mais do que escutas a serem desvendadas. Ainda que o "mais" não tenha relação direta com a escuta em questão, seja parte de uma armação política por métodos pesados.

Artigo do jornalista Janio de Freitas, publicado ontem na Folha.

6 comentários:

Callado disse...

Essa cobra Jobim precisa picar o próprio Lula para ele saber com quem está tratando.
Jobim só o que faz é conspirar contra Lula e em favor de seus amigos tucanos e peemedebistas. Ele e Gilmar Mendes são os maiores golpistas do momento no país.

Ary da Silva martini disse...

Me parece que é a terceira vez que Gilmar Mendes fala que foi grampeado e não consegue provar. Já está pipocando pelos blogs o questionamento sobre a existência do áudio da conversa entre Mendes e Torres. Ambos dizem que somente tiveram acesso à degravação (na forma escrita, é lógico). O tal áudio ainda não apareceu. Registre-se que essa estratégia, a se falsa, pode cumprir um objetivo: anular a operação que a PF fez contra Dantas e outros. Cadê o áudio? "Esperto", Demóstenes disse que a degravação é "fiel ao diálogo que ele manteve com o Gilmar". Obs. Não dou um chiclete mascado pelos textos do Jânio.

el barto disse...

viram só? tem pseudojornalista na praça achando que a múmia acanalhada está certa em criticar as investigações sobre seus filhotes. essa é a "mérdia" do pasto.

zozé disse...

Então, tu tá achando que o Jobim tem razão nessa, Martini? O certo é fugir, ganhar tempo pra depois enrolar as mentiradas dele, que o próprio Exército desmentiu. Janio está perseguindo o coitado do Jobim da língua bifurcada?

Ary da Silva Martini disse...

Zozé: eu não entrei no mérito do texto. Apenas disse que "não dou um chiclete mascado pelos textos do Jânio". Mesmo que o Mainardi, num exemplo absurdo, publicasse um texto falando a verdade, ainda assim eu não daria um "chiclete mascado pelo texto dele". O Gorduroso do Boblat (de direita) colocou um questionamento sobre o não-aparecimento do áudio. Isso é que importa.

Suzie disse...

Faz um tempinho, desde o começo, que escrevo que este "grampo-araponga" tem nome: Gilmar&Demóstenes.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo