Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Cobiça pelo pré-sal cria candidatura risível


Os pântanos no caminho da ministra

As minhas reservas de ceticismo com a candidatura da ministra Rousseff à sucessão de Lula em 2010 se renovam quando sou informado de fatos como esse que passo a relatar.

O presidente da Petrobras, fulano de tal Gabrieli (esq.), quer ser presidente da República, na sucessão do presidente Lula. [Prenda a gargalhada, por enquanto, caro leitor, prezadíssima leitora.] Isto é um fato, sobre o qual não cabe discussão. Por inútil, cansativa e elencada no vastíssimo repertório da vaidade humana, portanto, alheio ao campo objetivo da política.

Este senhor, vaidoso e baiano, articula seu projeto pessoal na carona das reservas submarinas do pré-sal. Ele e seu grupo avaliam que o óleo fóssil será o combustível da sua gloriosa ascensão para Brasília.

Dias atrás, o assessor do presidente Gabrieli, Vivaldo Barbosa, ex-parlamentar do PDT-RJ, lançou um factóide ao ministro Carlos Lupi (PDT-RJ) que o repassou à imprensa, no último final de semana. A notícia usinada no gabinete do presidente da Petrobras dava conta que o governo faria uma capitalização da estatal de energia com recursos do FGTS. Lula imediatamente reagiu desmentindo o seu próprio ministro do Trabalho, ora instrumentalizado por Gabrieli.

A manobra gabrielista visava fortalecê-lo na corrida por 2010, ele que surfa na onda de euforia do pré-sal, mas ao mesmo tempo se mostra indiferente às discussões sérias sobre os destinos da riqueza submarina brasileira.

Tanto assim, que Gabrieli se filia a uma corrente que quer dar tratamento meramente fiscalista ao tema do pré-sal. Isso significa dizer que o presidente da Petrobras está aliado àqueles, como os senadores governistas Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo Lula no Senado, e Francisco Dornelles (PP-RJ), que alegam não importar quem fará a apropriação da riqueza do pré-sal, desde que os seus lucros sejam gravados com pesadas taxações e impostos que por sua vez se destinariam à educação, saúde e demais áreas de resgate da dívida social brasileira.

A proposta meramente fiscalista atende aos interesses das grandes empresas transnacionais de energia, uma vez que, a prevalecer essa posição que trai o interesse nacional, tais companhias privadas estrangeiras poderão explorar as megabacias de Tupi e Iara em situação de igualdade, seja com a Petrobras, seja com outra empresa estatal que porventura possa ser criada pelo governo Lula para a exploração daquele óleo.

Já se vê, que a ministra-candidata tem muitos pântanos para transitar e vencer – dentro do próprio arranjo instável de governo – até se consolidar como a sucessora preferencial (e indiscutível) do lulismo de resultados à corrida de 2010.

6 comentários:

el barto disse...

depois que o famigerado "caçador de marajá" (rsrsrs) foi presidente, nao duvido de mais nada.

lulista de resultados disse...

Com todo o respeito, caro Cristóvão, acho que andaram botando alguma coisa estranha em seu mate.

joca disse...

Olha lulista, pelo que o feil diz, quem anda tomando chá de cogú é o Gabrielli. Isso que eh viagem...

Dirck disse...

Isso é o mesmo que ver assombração em campo de futebol.

Ary da Silva Martini disse...

Na parte que me toca, teclo no candidato que o Lula indicar. Nem que seja o próprio demônio! A esquerda se escandalizou com a indicação de José Alencar para o vice de Lula, em 2002 (inclusive a minha corrente, a DS). Luciana Genro queria o João Pedro Stédile (pasmem!). Uma coisa é a disputa eleitoral, outra coisa é a disputa pelo poder. Pensem que poderíamos ter oito anos de governo Serra. Façam um exercício e imaginem o Brasil nas mãos dos tucanos por dezesseis anos.

Alvaro Andrade disse...

Esses dias sairam manchetes de que 'Lula nao transfere votos para Dilma'. Ok, ele tem 8 e poco contra 24 de um, e 32 de outro...mas pra quem nunca foi carreirista na política e nunca disputou uma grande eleição, tal qual Serra e Aécio, ela tem plenas condições de elerger-se. Basta explorar a imagem dela de mae do PAC, e chefe do Governo. Ela está desde o primeiro dia. É tão responsável qto Lula pelo sucesso do país. DILMA 2010 certo.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo