Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 9 de setembro de 2008

É hoje

5 comentários:

Anônimo disse...

Então, com diz o Macaco Simão, vai indo que eu não vou.

MASQUINO disse...

Banco central independente do povo e dependente dos banqueiros dá nisso aqui:"Mike Whitney: Na sexta-feira à tarde o governo anunciou planos para colocar os dois gigantes hipotecários, Fannie Mae e Freddie Mac, sob "conservatorship" Os accionistas serão virtualmente eliminados (suas acções já afundaram em mais de 90 por cento) mas o Tesouro dos EUA intervirá para proteger a dívida das companhias. Em alguma medida também protegerá suas acções preferenciais, as quais o Morgan-Chase reduziu os preços para a metade./////
Isto parece ser a mais arrasadora intervenção governamental nos mercados financeiros da história americana. Se estas duas companhias são nacionalizadas, isto acrescentará 5,3 trilhões de dólares ao balanço do país(déficit). Assim, a minha primeira pergunta é: por que o Tesouro está a salvar portadores de títulos e outros investidores nas suas dívidas hipotecárias? Qual é o interesse publico nisto tudo?"///No Brasil,corremos o risco de ficarmos com 200 bilhões de dólares em papel velho se o mesmo desabar???Vamos pagar,também,o papagaio?Aqui:
http://resistir.info/financas/hudson_08set08.html

MASQUINO disse...

Olha o almoço grátis dos neoliberais:
"...Os administradores afirmavam que pagavam-se a si próprios pela "inovação". No vocabulário financeiro orwelliano de hoje, "inovação" significa a criação de privilégios especiais para a extracção de renda. O privilégio estava a conseguir o proverbial "almoço gratuito" (isto é, renda económica) ao tomar empréstimos às baixas taxas de juro do governo para comprar e reempacotar hipotecas a fim de vendê-las com uma margem de juros elevados. Sua "inovação" repousa na ambiguidade que lhes permitiu posar como sector público quando queriam tomar emprestado a taxas baixas, e árbitros do sector privado quando queriam obter uma arrecadação a partir de margens mais altas./////
Os auditores do governo agora estão a descobrir que a sua inovação era cozinhar os livros da contabilidade, estilo Enron. Quando as hipotecas atrasadas e os incumprimentos aumentavam, a Fannie e do Freddie não reduziram os valores dos seus haveres hipotecários para preços realistas. Eles disseram que fariam isto aproximadamente dentro de um ano – em 2009, depois de os desreguladores da administração Bush terem saído. A ideia era deitar as culpas sobre Obama quando eles finalmente falissem".Aqui: http://resistir.info/financas/hudson_08set08.html

Anônimo disse...

Eu fui!
Tinha que estar no lançamento desse livro que é o resultado de um dos projetos que vêm sendo desenvolvidos pelo Centro Sérgio Buarque de Holanda - Documentação e Memória Política - Fundação PerseuAbramo. O livro recupera "a história como foi vivida e como é evocada na memória de seus protagonistas".
É um livro realizado com alto nível metodológico e científico que vêm contribuir para uma compreensão da sociedade e da política brasileiras.
É uma leitura apaixonante e gratificante!
Nelly

Oscar disse...

Eu fui...mas acho que devia ter depoimento do Zé Dirceu, que foi fundador do PT e presidente. Ele deu mancadas mas não fica bem p/ PT esconder seu passado. Aliás, a biografia do Zé tem mais fatos positivos que negtivos.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo