Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Delegado Protógenes fala


“A revelação dos segredos de Daniel Dantas podem marcar a história do Brasil”

O delegado Protógenes Queiróz (foto) deu entrevista à revista Época (Organizações Globo), desta semana. O agente da Polícia Federal que coordenou a Operação Satiagraha e depois caiu por pressão do ministro Gilmar Mendes junto ao presidente Lula, reclama nesta entrevista pelo áudio do suposto grampo na conversa entre Gilmar Mendes e o senador Demóstenes Torres. “Cadê o áudio?” – sugerindo mesmo que tudo tenha sido mais uma armação para criar um clima judicial ameno em favor dos criminosos de colarinho branco.

Leia um trecho da entrevista, abaixo:

Revista Época– Afinal, o senhor fez grampo clandestino ou não?

De maneira nenhuma. Isso é uma grande mentira, lançada levianamente, envolvendo o nome de pessoas importantes no cenário da República e de dois órgãos importantes, que são a Abin e a Polícia Federal. O objetivo daquela informação, engenhosamente montada, foi tirar o foco dos investigados e centrar nos investigadores.

Protógenes Queiróz – Com base em que o senhor afirma isso?

Cadê o áudio? Como se lança uma conversa entre duas pessoas importantes da República – o presidente do STF, Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres – e não se apresenta o áudio? Não se pode deixar de lado a figura central de uma investigação que abalou as estruturas do país. Está se discutindo todo o arcabouço legislativo do Brasil por causa de uma investigação contra um banqueiro. Não um simples banqueiro, mas um poderoso banqueiro com ligações extremamente estreitas com pessoas do topo do aparato estatal. Isso foi demonstrado durante a investigação. Não posso entrar no mérito, porque a investigação ainda está sob sigilo.

O senhor se refere a quem quando fala em “topo do aparato estatal”?

Eu me refiro às cúpulas do sistema. Ao topo do aparato estatal.

O Poder Executivo ou não só?

Eu diria em termos de Estado. Não classificaria se é Executivo, Legislativo e Judiciário, mas a desenvoltura com que aparecem fatos para obstar as investigações tem um resultado prático. E aí são reveladas as pessoas que estão comprometidas com esse sistema.

Mas a investigação que o senhor fez é alvo de pelo menos quatro procedimentos para apurar possíveis desvios.

Há que apurar os ilícitos, e não tentar produzir provas para o bandido. Com todo o respeito pelos encarregados dessas investigações, a defesa está esperando o resultado para pedir a anulação da operação. Isso é deprimente. Para mim, quem protege bandido, bandido é.

Quem acompanha o caso tem a impressão de que há um jogo de ameaças nessa história. Isso está acontecendo?

Tudo o que foi colhido na Operação Satiagraha está nos autos.

E qual o potencial desse material?

No material apreendido, considero da maior importância os discos rígidos da residência do investigado Daniel Dantas, porque ali pode haver segredos que podem marcar a história do Brasil.

São os discos que estavam na tal parede falsa?

Positivo. Eu reputo ser esse o material mais importante da operação.

E o que há nesses discos?

O conteúdo está sendo analisado pela equipe que assumiu a investigação e espero que, um dia, o Brasil conheça esse material.

O senhor considera natural recorrer à ajuda dos serviços secretos das Forças Armadas?

Não vejo problema. Esses órgãos fazem parte do Sistema Brasileiro de Inteligência. A cooperação é prevista em lei.


7 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

É evidente que o delegado não vai confessar um crime. Fazer grampo sem autorização judicial é crime. Mas dizem que Protógenes sabe de tudo, mas se falar estará confessando um crime.

mário casado disse...

Não entendi a tua tautologia, ANTA DAS ANTAS.

Tati disse...

Pela lógica do Maia, o Feijó é criminoso assumido, guspido e escarrado, porque além de gravar uma conversa sem autorização, ainda expôs o conteúdo para se autopromover.

A revista época estava mais é tentando tirar alguma informação dele, ver se vazava alguma informação sigilosa. É um absurdo o nível de podridão nas rodas de poder do país. E tudo começou lá nas senzalas, e piorou na ditadura.

mariorangelgeogrofo.blogspot.com disse...

PESSOAL:

EM VIRTUDE DOS CONSTANTES COMENTÁRIOS DESAGRADÁVEIS DO IGNÓBIL MAIA, VENHO ATRAVÉS DESTE, PROPÔR QUE O IGNOREMOS POR COMPLETO.

QUER DIZER, NÃO RESPONDAM MAIS AS SUAS CONSTANTES PROVOCAÇÕES.

ELE SE INTITULA UM JUSTICEIRO, CAPAZ DE DERROTAR A ESQUERDA. É UM SER FAMINTO.

NÃO ALIMENTEM MAIS ESTE MANÍACO.

ELE ALIMENTA-SE DE NOSSAS CONSTESTAÇÕES.

LANÇO A CAMPANHA:

IGNOREM O MAIA, JÁ!

Ary da Silva Martini disse...

Mario Rangel: não sei,não! Maia tem problemas que vêm da infância. Quanado ele era criança (agora ele é apenas pequeno) pisou num cocô e gritou para a mãe: estou derretendo! Na realidade, ele estava crescendo e não derretendo. Ninguém deu ouvidos a ele. Agora ele está solto em Porto Alegre.

Giovani Montanher Madruga disse...

apoiado mario rangel. faz algum tempo que leio os comentário do maia e penso que não contribuem na construção de um debate.

interessante a pessoa do delegado protógenes, palavras bem colocados e coerentes. pena que "forças ocultas" conspirem contra....

Anônimo disse...

O Canalha do Maia só anda por aqui para inviabilizar um debate sério e contrutivo. Porque ninguém discute ou ao mesnos lê as canalhices que escreve no blog dele.

O blog dele vai para o Guiness, o blog menos visitado do mundo.

Quem será que paga o tempo desperdiçado lá?


Claudio Dode

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo