Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Crise financeira mundial exige atenção do Brasil


Lessa alerta sobre irresponsabilidade do País face à crise norte-americana

O economista Carlos Lessa, ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, disse ontem que embora a economia brasileira experimente um momento favorável, como não ocorria há muitos anos, o governo não pode cometer a irresponsabilidade de afirmar que o país está imune à atual crise financeira internacional. A informação é da Agência Brasil.

“É verdade. O Brasil está hoje numa situação melhor do que esteve em outras crises. Também, alguma coisa nós tínhamos que ganhar com 25 anos de estagnação econômica. Estamos mais robustos um pouco, mas se não tomar cuidado a gente se enfraquece logo”, alertou.

De acordo com o economista, a crise internacional é o resultado de mais de 30 anos de expansão financeira “progressivamente desregulada”, com uma multiplicidade de ativos financeiros que não correspondem ao desenvolvimento da base produtiva.

“É o que nós chamamos de uma bolha. E a bolha, quando explode, deixa praticamente nada”, disse.

Ele avalia que as conseqüências que isso terá para o Brasil estão condicionadas ao controle da crise financeira externa, que não gere uma depressão.

Lessa prevê que o crescimento da economia mundial vai cair, começando pelos Estados Unidos e depois a China, com rebatimento sobre o Brasil.

“Mas, uma coisa é a crise mundial gerar um crescimento medíocre e outra coisa diferente é uma recessão mundial. Recessão é muito grave. Vamos torcer para que fique somente numa redução do crescimento”, disse.

Para o economista, essa queda do crescimento econômico terá reflexos diretamente nos preços dos produtos exportados pelo Brasil, com conseqüências sobre a receita cambial brasileira.

“Essas implicações financeiras serão piores ou não tão ruins, dependendo da política econômica que o governo federal vier a fazer. Eu estou muito espantado com os anúncios, quase que arrogantes, de que o Brasil está muito bem, que o Brasil tem como enfrentar a crise”.

Na avaliação de Lessa, “isso é de um otimismo que beira a irresponsabilidade, porque as nossas empresas que pegaram recursos fora não vão poder renovar esses recursos simplesmente porque a liquidez mundial cai violentamente”.

Ele avalia ainda que há uma grande fatia de capital especulativo que veio para o Brasil e que será puxado para fora, pressionando a taxa de câmbio. Com isso, segundo Lessa, o governo será obrigado a segurar o câmbio. “E para isso terá de fornecer dólares a essas saídas para o Brasil, contribuindo para reduzir as reservas internacionais”.

Lessa disse que vê com preocupação “praticamente nenhuma movimentação governamental para mudar a política econômica, para segurar o pior desse processo”.

3 comentários:

Oscar disse...

Mais um palpiteiro... Nem sempre concordo c/ Lula, mas ele foi muito feliz quando chamou de palpiteiros esses caras, nacionais ou internacionais. O "chutômetro" capitalista anda a mil! Pensar que na 2a feira, o AIG era "triple A" (ai, terrivel lembrança) em Wall Street e estava quebrado na 4a feira.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Lessa ganha dinheiro arrotando pessimismo. É difícil dizer isso ou aquilo quando o assunto é economia. Ele chuta, mas será que ele acerta?

Remindo disse...

O Lessa anda magoado com o Lula desde que foi decapitado do BNDES. Tá magoadinho.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo