Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Disputa pelo espaço urbano



Amanhã teremos um golpe legislativo em Porto Alegre

Na corrida eleitoral 2008 estamos diante do indiferenciado, em Porto Alegre. Qualquer candidato que sair vencedor não abalará em nada o establishment local, muito embora, é de reconhecer, há um investimento mais forte – destes mesmos setores hegemônicos – em Fogaça (PMDB-PDT-PTB) e Manuela (PCdoB-PPB), já que o brittismo privatizador operou o velho entrismo de guerra no PCdoB (quem diria!).

Enquanto os prefeituráveis simulam uma disputa pelo Paço Municipal, a luta efetiva acontece em outra esfera.

Uma disputa real está programada para amanhã na Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Trata-se da audiência pública para examinar um projeto arquitetônico privado para o espaço do antigo Estaleiro Só, no bairro Cristal, às margens do lago Guaíba.

A área de 6 hectares (60 mil m2) foi adquirida em leilão no ano de 2005 por investidores privados. Agora, esses investidores imobiliários querem realizar o seu capital, pretendendo construir seis torres edificadas, quatro residenciais e duas comerciais. Ocorre que a atual legislação municipal veda a construção de projetos como esse, ora apresentado.

Assim, os patrocinadores do projeto denominado pedantemente de “Pontal do Estaleiro” querem revisar (pontualmente) o plano de edificações urbanas de afogadilho, tentando legitimar sua posição com o instituto da “audiência pública” que está completamente desmoralizado pelo inchaço artificial a que comumente é submetido por aqueles interessados diretamente nas demandas privadas mas travestidas de públicas.

Como a revisão do Plano Diretor está congelado, os players da re-apropriação privada do espaço urbano de Porto Alegre tentam dar um golpe legislativo a fim de atingir os seus objetivos puramente negociais.

Sobre o tema, o que tem a dizer as prefeituráveis que se proclamam de esquerda?

Saiba mais: Post de 04/09/2007 leia aqui.

........

O jornal ZH trata do tema hoje (acima). Não ouviu nenhuma entidade ambiental e tampouco associações que colocam fundadas objeções ao projeto “Pontal do Estaleiro”. Candidamente, ZH ouviu somente o vereador petebista conhecido como Alceu Brasinha, um defensor entusiasmado do referido projeto.

Seria hilário se não fosse trágico.

Arte (no alto da página): Hupper

39 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Está na hora de Porto Alegre reagir à tentativa de ideologizar debates que não tem nada de ideológico. O que está em discussão é qualidade de vida e ponto final. A área do estaleiro estava que nem a área do Museu Iberê, às moscas. Ninguém passa por lá, não é uma área pública, mas privada e distante, completamente distante da população. Quando empreendedores colocam seu dinheirinho em projetos para melhorar a qualidade de vida do povo de Porto Alegre, os arautos de uma cidade medíocre vem logo protestar, inserindo no debate um viés ideológico reacionário. São as mesmas pessoas que protestaram no passado contra a abertura da av. Beira Rio. Sim, sim, senhoras e senhores, o PT era contra a abertura da Av. Beira Rio, tal como certas pessoas são hoje contra a revitalização do Porto de Porto Alegre e do Cais do Estaleiro. Porto Alegre precisa reagir contra os arautos da má vontade. Parecem a hiena do Hanna Barbera.... "isso não vai dar certo..."

panoramix disse...

Conheço o projeto e não acho feio. Poderia ser colocado mais verde, mais arvores, mais praças. Parece, não tenho certeza, que vão passar ruas na frente e atrás do empreendimento. Isto sim é fundamental e deve ser levado em conta, senão vamos privatizar aquela bonita vista do guaíba. No mais não vejo problemas, salvo minha total impossibilidade de comprar qualquer coisa em um condomínio destes, mesmo porque prefiro casa!

panoramix disse...

Só pra constar: Excelente montagem Cristovão do "Tucanus Beligerantis Ocidentalis", só faltou Arthur "não tenho medo de nada" Vírgilo mais bebado que uma cabra!

Anônimo disse...

Bhá, o Brasinha como fonte foi a pérola do mês!!!!

sil

Anônimo disse...

Na montagem do estado da arte da direita predadora só faltou Himmler. Destaque para o vampiro serra e o jobim "jones".

armando

Roberto disse...

É verdade que a área está distante da população, mas nem por isso temos que fazer um projeto que a vai distanciar definitivamente. O PT (e muito mais gente) foi contra, na época, a um projeto que incluía vários postos de gasolina à beira do Guaiba, e que bom que foi contra, assim não saiu. Mesmo o projeto que esta aí é feio e mal pensado. Além disso, uma tendência completamente reacionária é fazer edifícios como esse, que isolam a cidade do rio. Moro em Barcelona, um lugar onde a elite soube aproveitar uma conjuntura favorável e transformou uma orla quase tão ruim como a de Porto Alegre em algo usável por todos, até porque assim a cidade passou de pobre a rica e essa elite ganhou muito dinheiro com isso. Ah, e mais, aqui inclusive se destruíram coisas privadas para devolver a cidade ao público. Mas aí o negócio é ganhar o máximo possível, no menor tempo possível e que seja apropriado pelo menor número possível de pessoas.
Ou seja, esse debate é absolutamente ideológico e assim deve ser tratado.

A situação é triste, mas tem umas frases que até são engraçadas: “Quando empreendedores colocam seu dinheirinho em projetos para melhorar a qualidade de vida do povo de Porto Alegre”

Anônimo disse...

A questão não está no estético, mas sim na privatização cada vez maor do espaço público da cidade, que, a cada monstrengo deste, vai perdendo seu encanto.

Maria Eduarda

mariorangelgeografo.blospot.com disse...

Ô Maia, tú tá me imitando...

Eu te chamei de ARAUTO da "modernidade" e tú, como tem no cerebro o que eu tenho no intestino, já se apropriou da expressão, não é? Aprendeu mais uma, né?

Tinha prometido a mim mesmo que não mais te responderia, porque assim, estaria me igualando a tí, rente ao chão, mas, vamos lá...

Para o Maia, o que interessa é "a qualidade de vida e ponto final", como se ele fosse o dono da verdade. A qualidade de vida, não pode ter dono (aqui, neste caso, os donos do capital).

Qualidade de vida não é condomínio de luxo, para alguns, é moradia digna em ambiente com saneamento ambiental, regularização fundiária, ruas pavimentadas, etc.

Qualidade de vida não são restaurantes requintados, com vinhos caros, e sim comida na mesa do povo, de qualidade e acessível.

Qualidade de vida, seu Maia, não são teatros e cinemas luxuosos, em que o pobre não entra, é educação e escola de qualidade.

Qualidade de vida, é uma cidade para todos, e não para uma meia dúzia de endinheirados.

Seu Maia de mentalidade bovina, o senhor e o seu alter-ego, o Cavalcantti, não conhecem Porto Alegre. A cidade tem sim seus lugares, onde o POVO vai. A RUA, o lugar mais democrático. A orla do Guaíba é freqüentada intensivamente, sem que, para isso, precise de "investimentos".

Os parques e praças são ocupados pelo povo, esses sim, atirados às traças pelo prefeito Foga$$a.

Mais uma coisinha, seu Maia, arauto da "modernidade", o que quer dizer: "Está na hora de Porto Alegre reagir à tentativa de ideologizar debates que não tem nada de ideológico"?

O que a RBS faz?

Não é ideológico? Como és ingênuo (ou trouxa, ou esperto demais)!

A RBS é dona da Maiojama, seu Maia, ela é interessada DIRETA, pela deturpação do Plano Diretor. Eles não se contentam somente em ganhar, querem ganhar MUITO.

Porquê os "empreendedores" não projetam para realmente proporcionar melhor qualidade de vida?

Porque assim, perderiam o seu "status", seu Maia Bovinão...

el barto disse...

bah, consultar o vulgo "brasinha" é pra matar, se ainda fosse para assuntos tricolores... mas, pensando bem, nem pra isso serve aquela besta semi-analfabeta.

panoramix disse...

Porque esta implicância com o pobre "Brasinha"? Ele e elói guimarães, futuro senador, são os notáveis da casa legislativa de porto alegre!

Anônimo disse...

Deixem o Estaleiro Só como está. Assim não haverá impacto ambiental, não se privatizará aquela bela esquina e se evitará que capitalistas gananciosos ganhem dinheiro às custas de separar a cidade do rio.
Deixemos aquele espaço para macumbas e lixo, o que é mais popular e solidário.
Essa turma do contra é de doer. E ainda tem quem critique o Maia. Tenha dó...

Zé Mané

CARPENEDO disse...

- MAIA, SEU MALA!!! QUANDO A " COISA" ESTIVER PRONTA, E EU A CAMINHAR EM SEU INTERIOR SE QUESTIONADO FOR, DIREI QUE ESTOU FAZENDO UM PASSEIO SOCRÁTICO. SOCRATES, FILÓSOFO GRECO, QUE VIVEU SÉCULOS ANTES DE CRISTO, EM SITUAÇÃO ANÁLOGA RESPONDEU:
- ESTOU OBSERVANDO UMA PORÇÃO DE COISAS QUE EM NADA CONTRIBUEM PARA ME FAZER FELIZ." ECOLÁ!! MUITO CONTINENTE PARA POUCO CONTEÚDO.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Zé Mário, é exatamente esse tipo de discurso anticapitalista radical que faz com que o povo, a juventude se distancie do pensamento de certa esquerda. Rangel, a área do estaleiro é privada. O dono da área poderia muito bem fechar o local e impedir que as pessoas circulem, mas ele não vai fazer isso: ele vai abrir um calçadão onde se pode ver e vivenciar o pôr do sol do Guaíba. E para fazer investimento desse tipo é necessário que o empresário tenha lucro. Isso acontece em qualquer lugar socialmente desenvolvido. Panoramix, mais uma vez fechei contigo.

clecio disse...

O ABOMINÁVEL MAIA MALA !! CÁLA-TE!!! ULTRADIREITISTA, ATRASADO E FALANDO EM DESEMVOLVIMENTO !!"

Anônimo disse...

o Maia deve ter tido um caso mal resolvido com alguém da "certa esquerda", já tá se tornando uma situação para o analista de bagé

Anônimo disse...

O Maia tá coberto de razão, chega desse papinho que ideologizar até as pedras da rua. Sejamos mais práticos. O lugar hoje é um lixo e vai virar um local integrado à área urbana, com calçadão, bancos, praça e árvore, para todos usarem - e custo zero para o Estado. Ah, sim, "mas alguns capialisas maus vão morar com vista pro rio, e isso deixa o meu coraçãozinho de esquerda triste..."

mariorangelgeografo.blogspot.com disse...

Me responda seu Maia, mas quem te disse que o Brasil é um País "socialmente desenvolvido"?

Um País assim Maia Bovinão, "socialmente desenvolvido", somente quando atinge o Estadode Bem-estar Social Pleno. Onde a população têm acesso pleno a saúde, educação, pleno emprego, justiça, previdência.

Portanto, antes de "imitar" os "socialmente desenvolvidos", vamos desenvolver a nossa sociedade, certo?

Sua argumentação é chula e sem sustentação. No espaço urbano, não é porque você é dono de uma área, que pode fazer o que bem entender, existe LEI, sabia disso? Ou vai pesquiser na internet?

Em tempo:
Ninguém é contra o desenvolvimento urbano. Mas não se pode admitir que, em uma democracia republicana, como é o caso do Brasil, do RS e de Porto Alegre, a sociedade não discuta qual modelo de desenvolvimento que quer seguir.

Se Maia Bovinão, Porto Alegre, politizada(?), acostumada a participação popular, não quer ser como o senho, um ser bovino...

O que ocorre nesse caso, é a tentativa de impôr, sem debate, a mudança na lei. É isso que não pode ocorrer, certo seu Maia Bovinão?

Anônimo disse...

Mariorangelgeografo: você que acha errado imitar os socialmente desenvolvidos deve, naturalmente, achar melhor imitar a Bolívia, a Venezuela, Cuba,... enfim, modelos de bem estar social e democracia.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Rangel, 51% da população brasileira é classe média. Em Porto Alegre, esse percentual é bem maior. A maioria da população de Poa é classe média. É fundamental que o poder público faça locais para que a população possa circular com segurança e bem-estar social e que haja atrativos. Seria muito legal que POrto Alegre fizesse um imenso calçadão ligando a Usina do Gasômetro até a Vila Assunção. Eu juro que correria todos os dias esse circuito se ele existisse, mas a nossa esquerda atrasada acha absurdo dinheiro privado fazer obras públicas, porque é privatização do espaço público. A orla do Rio de Janeiro, então, é toda privatizada e é maravilhosa. Os quiosques super modernos de Copacabana são privados e o povo ali senta e frequenta e ninguém se queixa. Mas em Porto Alegre do orçamento participativo e do FSM tem que ser diferente, não é mesmo? Diferente para pior. Seja menos reaça, Rangel. Evolua.

mariorangelgeografo.blogspot.com disse...

Perdi a paciência...

O bovinão do Maia não tem remédio.

Só diz bobagem...

A sua argumentação é totalmente descontestualizada.

Maia, o Brasil AINDA têm 32,59% de POBRES, São masi de 61 milhões de brasileiros nessa situação.

A classe média aumentou para 51%, graças a uma "certa esquerda" que é governo no Brasil, pois antes, com os DEMO-TUCANOS, tal como acontece aqui no RS, a vida para esses era mais difícil.

Dá-lhe LULA

CARPENEDO disse...

OH! ANÔNIMO DAS 17:10!! UMA PERGUNTA SIMPLES E DIRETA. ESPERO QUE NÂO QUEIME OS NEURÔNIOS. POR QUÊ BOLIVIA, VENEZUELA, CUBA, .. CITO EQUADOR, NICARÁGUA E OUTROS. RESPONDA-ME POR QUÊ EVO, CHAVEZ, FIDEL ETC.ETC.. PENSE! A RESPOSTA ESTÁ EM VOCÊ !!!

Carlos Eduardo da Maia disse...

Rangel, o grande desafio do Brasil e dos governos brasileiros -- de qualquer ideologia -- é diminuir o número de pobres. Inserir a imensa maioria das pessoas no contexto classe média. Mas vcs não querem isso, porque acham que classe média é classe mérdia. E por isso deve-se focalizar as atividades do Estado no SERVIÇO PÚBLICO de qualidade nas áreas de educação e saúde. Mas vocês acham que o EStado tem que gastar dinheiro público revitalizando o cais do porto de Porto Alegre ou administrar empresas de telefonia, energia, Banrisul da vida. Negativo, deixa a iniciativa privada fazer isso com dinheiro privado em área que é pública, mediante contrato de concessão ou permissão. É assim que se faz em todos os países socialmente desenvolvidos. Mas a esquerda gaúcha acha que isso é neoliberalismo ou privatização de espaço público. É asneira, preconceito e burrice pensar assim. É fundamental que uma cidade como POA melhore a qualidade de vida e a única maneira de fazer isso é com parceria responsável e transparente com a iniciativa privada.

Roberto disse...

Há muito maniqueísmo nessa discussão, de ambos os lados. Quem critica a ideologização mostra nos seus escritos que não sabe o que é ideologia, nem sabe do que está falando. É evidente que o dinheiro que quem queira investir na cidade é bem vindo, mas segundo as regras feitas para o bem da maioria – e aí está a ideologia incontornável presente nesse debate. Além disso, esse papo de “qualquer país desenvolvido” é coisa de caipira foi a Miami e se maravilhou com o “comércio”, ou esteve em Buenos Aires e gostou daquela breguice do Puerto Madero, mas provavelmente não conhece nenhum lugar realmente desenvolvido, no sentido humano da palavra (que obviamente envolve o econômico) Há vários lugares assim, e capitalistas, mas duvido muito que deixassem mudar uma lei às pressas, casuisticamente, para construir esses mostrengos à beira de seu lago.

Depois, tenha dó, só porque os “empreendedores” querem colocar “seu dinheirinho em projetos para melhorar a qualidade de vida do povo de Porto Alegre,” nas palavras do Maia, a sociedade tem que ficar refém de onde e como que eles queiram enfiar o dinheirinho? Será que o cara é bobo ou pensa que nós somos?

Clairton disse...

A questão, Roberto, é que os "empreendedores" (especialmente o "empreendedor proveniente da elite brasileira, que até hoje conserva uma mentalidade escravocrata, medieval) dispostos a investir dinheiro na cidade pensam que não devem satisfação a ninguém. Logo, para esta gente, os demais, o povo, a maioria da sociedade, não deve interpor qualquer objeção aos seus planos. Discutir com a sociedade, para eles, é uma heresia. Democracia para eles é a sociedade aceitar candidamente aquilo que eles planejam. Perguntem ao sr. da Maia. Ele sabe interpretar muito bem a mentalidade dos nossos "empreendedores", ou seja, nós temos o dinheiro/capital logo nós não devemos satisfação a ninguém. Para legitimar este esquema, forja-se um arremedo de democracia, com audiências públicas viciadas, jogo de cartas marcadas. Quando este esquema é denunciado, reacionários como o sr. da Maia, sem argumentos, apelam para Cuba, Venezuela e não sei mais o que.
Por que ele não menciona Los Angeles, uma cidade pensada, planejada pelos "empreendendores" norte-americanos para o automóvel, pelo automóvel e para maximizar os seus lucros. O resto, a sociedade, ora a sociedade não deve meter-se nestes assuntos.

Antonio Cavalcanti disse...

Esse discursinho pobre, de pobre de espírito para pobre de tudo, ...meu Deus. Não me admira que este país esteja tão atrasado. Uma frase que li acima ilustra bem essa pobreza de tudo, pura demagogia barata, de gente burra e estúpida: "qualidade de vida é comida na mesa do pobre...." Putz, nem o pobre pensa assim, idiota. O pobre quer crescer um pouco mais, não basta só comida. É por isso que o povo cubana quer sair daquela ilha do atraso. Bem que esses fraldinhas da internet, que não sabem nada de política nem de sociedade, nem de socialismo, poderiam ir para Cuba. Especialmente estes esquerdinhas festivos paraguaios. Não fariam nenhuma falta em Porto Alegre e assim a cidade cresceria bem mais rápido, com qualidade de vida.

panoramix disse...

Eu me divirto pra caramba. O que dou de risada lendo estes comentários não é moleza. Depois do desabafo cansado do cavalcanti e das gargalhadas que dei as 00:30 da madrugada posso ir dormir tranquilo! Boa noite! Em tempo: Yeda vai receber 143% de aumento, mesmo depois de tudo que roubou! E bom guardar o gás pra quarta!

Ricardo disse...

Muito boa a síntese, isso me lembra o caso da Teles, cuja fusão, mesmo ilegal, teve financiamento aprovado pelo BNDES. Só falta o Lulinha (Lula + diminutivo, não me refiro ao 'ronaldinho' do presidente) editar a lei para legalizar a ilegalidade. Faz-se o negócio e depois muda-se a lei.

Deve ser o exemplo que vem de cima, não é mesmo?

mariorangelgeografo.blogspot.com disse...

Ô seu "Cavalgadura"

Ô seu Maia "Bovinão"

Vocês são uns "bobão" mesmo...

Ninguém é contra empresário, ninguém é contra PPP, Ninguém é contra revitalizar, nada disso seus babacas.

O que não pode, é fazer as coisas as escondidas, não haver participação da população nas decisões dessa magnitude, somente isso...

No caso do estaleiro, aí é pior, não é somente pelo tipo de empreendimento, é também pela maneira que querem implementá-lo...

A orla do Guaiba, é legalmente, uma Área de Preservação Permanente - APP, mesmo impactada, existe uma legislação, até mesmo Federal, sobre essas áreas.

O projeto, denominado Pontal do Estaleiro, concebido pela empresa SVB Participações e Empreendimentos, propõe a instalação de sete prédios, incluindo cinco residenciais, um comercial e um hotel internacional, além de uma esplanada pública, totalizando 100 mil metros quadrados de construção no local. Para tanto, requer mudanças na Lei Complementar nº 470, de 2002. Ainda que essa área esteja impactada, dificultando sua recuperação em termos de área de preservação permanente, isso não significa que no local devam ser instalados prédios, já que assim se abririam precedentes para a ocupação em toda orla do Guaíba. Os empreendedores e seu "apoiadores" querem a modificação de leis e resoluções municipais em favor de empreendimentos privados, sob a alegação de que são de “interesse público”.

Entenderam seu Maia bovinão e seu Cavalgadura, essas mudanças abrem precedentes para a ocupação indiscriminada da orla do Gaaíba, por prédios com altura superior a 40 metros (12 andares), aí sim, afastando definitivamente a população da orla.

Prá finalizar, queria agradecer ao Cavalgadura, pelo adjetivo, "fraudinha da internet". Mas para acabar com a pobreza, seu Cavalgadura, SIM, primeiro ele tem de comer, saco vazio não pára em pé, aí depois sim...

Amigos da Gonçalo de Carvalho disse...

O título não ficaria mais adequado se fosse "Disputa pelo ESPAÇO PÚBLICO"?

Anônimo disse...

"prédios com altura superior a 40 metros (12 andares), aí sim, afastando definitivamente a população da orla."

Ah sim, só porque tem um prédio de 12 andares, vou me recusar a passear no calçadão em frente a ele, na beira do rio. Por favor, o que uma coisa tem a ver com a outra? Parem de forçar a barra. Nosso Plano Diretor já é absurdamente restritivo. Cidades como Buenos Aires tem prédios de 40 andares e são infinitamente mais agradáveis e belas que Porto Alegre.

heliopaz disse...

O que eu acho mais engraçado é que a mesma parcela da classe média que foi amplamente beneficiada pela ditadura permanece com o hábito de não mostrar a cara: uns, comentam sob a alcunha de "anônimo"; outros, inventam nomes e apelidos falsos (fake).

É medo de perder cargo de executivo, CC ou de que a esquerda estabeleça a censura e o cerceamento das liberdades individuais.

Pior do que defender quem age por debaixo dos panos para excluir a maior parte da população do espaço público é defendê-los sem mostrar a cara.

Pior ainda do que essa covardia é ser OMISSO.

E pior ainda é "DESDIZER" O QUE DISSE.

Independentemente da ideologia, do partido, da profissão e da classe social de cada um, há um predomínio desse tipo de comportamento na direita.

Isto é profundamente lamentável.

Anônimo disse...

"DESDIZER O QUE DISSE" é especialidade do PT e do governo Lula, que passaram 20 anos criticando o superávit primário, as metas de inflação, a independência do Banco Central, etc...

Capitanni disse...

Anônimo, imbecil.
Quem está defendendo o PT aqui seu estúpido?
Portanto pare de atacar o PT. Vai curar a tua nóia com outro. Mata o teu pai, come a tua mãe, fura os olhos, vai plantar bananeira. Larga o PT de mão, esse já era. Inventa outro pra bater.
Quem sabe bate na Yeda que tá demolindo o Rio Pequeno do Sul. Bate no que anda pelos corredores vendo fotos de mortos, o Simon.
Vai se curar, anta!

Anônimo disse...

Quando a área do Estaleiro foi a leilão, estava avaliada por um valor que considerava as restrições legais para construção existentes no local (impossibilidade de construir prédios residenciais, por exemplo). Quantos investidores podem nem ter participado do certame por acreditar que o Plano Diretor era pra valer? Os atuais proprietários compraram por preço de "várzea alagadiça" e querem vender com "clima de montanha"! Este sobre-valor que resulta tão somente de uma modificação nada casual ou fortuita da legislação é chamado de "enriquecimento sem causa". É óbvio que esse lucro será repartido entre os "empreendedores" e aqueles que facilitarem a grande jogada especulativa. Dinheirinho muito bem-vindo em um ano de gastos de campanhas eleitorais. Os outros "empreendedores" que não ofertaram o maior valor, se soubessem que a legislação iria mudar desta forma, não teriam melhorado suas propostas? A lógica financeira diz que sim.
Mas os ingênuos discutem se são belos os edifícios ou se haverá ruas abertas ao populacho...
É maracutaia pura! É criação de mais um duto de $$$ para financiamento de campanha.
Por último, como dizia minha finada avó:"É melhor ter pensamento de "certa esquerda" do que não conseguir sequer dar "uma raciocinada" como essa "errada direita".
Néia

Anônimo disse...

Capitanni, admiráveis a tua sutileza e elegância. Encerra qualquer discussão.

Amigos da Gonçalo de Carvalho disse...

Os posicionamentos contrários ao projeto podem ser resumidos assim:

a) Legalidade – referindo-se principalmente à alteração de regime urbanístico e do uso do solo, gravame de Área de Interesse Cultural (Pesquisa SMC/Ritter dos Reis e decreto do executivo correspondente); utilização de recursos públicos para destinação de áreas de uso comum do povo à utilização privada);
b) Formal – relativa ao vício de origem e competência de iniciativa de lei;
c) Estrutural/urbanística – relativa à volumetria e à paisagem urbana, incluindo estudo de diretrizes, considerações à articulação do diversos empreendimentos que interagem, além das recomendações dos especialistas presentes no Fórum Porto Alegre do Futuro;
d) Ambiental – Impacto ao ambiente natural (e cultural), diagnóstico ambiental UFRGS, Legislação Federal, resoluções CONAMA e princípio da isonomia;
e) Mobilidade – abordando aspectos globais e sistêmicos, a contrariedade ao Estatuto da Cidade, além da exigibilidade de agressões ao ambiente natural para a resolução os problemas gerados pelos empreendimentos.

Quanto a achar que é um posicionamento apenas da esquerda, isso contraria a realidade dos fatos. Todos os que estiveram presentes viram pessoas de todas as cores políticas unidas CONTRA o projeto. Lembro que o orador mais vaiado pela ala que é favorável a este nefasto projeto foi o vereador Beto Moesch (ex-secretário municipal do Meio Ambiente do atual governo) é do PP, que não pode ser chamado de esquerda…

Quem esteve presente na Audiência percebeu que em todas as ideologias políticas existem pessoas conscientes que querem preservar o meio ambiente, o bom senso e a legalidade!

Cesar

Anônimo disse...

O "Cavalganti",

Burro e imbecil és tu mesmo pois dizes que a esquerda não entende nada de política, mas quem usa o chavão de tudo "ser idéológico" para "certa esquerda"; e que nega a instância do político em privilégio do "mercado" é tu e o teu chefe Maia, e mais um cupincha o tal do Zé Mané, é o maior mané mesmo.

Claudio Dode

Anônimo disse...

Grande Mentira do Maia:

"A orla do Rio de Janeiro, então, é toda privatizada e é maravilhosa."

Maia, não é privatizada orla nenhuma no Rio de Janeiro, simplesmente alguns quiosques. Que baita mentira não é?

E que são parecerias das cooperativas, a prefeitura e do ex-secretario do DEMO Indio da Costa atual deputado.

E con tinua com a mOs quiosques "super modernos de Copacabana ..."

Para teu conhecimento a prefeitura do Rio, do outro Maia, contratou uma consultoria para avaliar todos os quiosques só um foi aprovado. Então não vem inventar sucessos onde não tem.


E outra enganação é querer comparar um quiosque com meia duzia de mesas que é o que tem no rio e com prédio de 10/12 andares como o que projetam em Porto Alegre.

Esta tua mania de Ricupero é dose...

Claudio Dode

Anônimo disse...

Estou a meia hora lendo debates e escutando todo o tipo de opiniao. Agora, alguem, por favor me explique algo que ainda nao achei!!Existe empresa privada que va fazer uma obra totalmente social? Se o time do contra estivesse certo, o que poderia acontecer e termos uma obra totalmente para a comunidade, porque nao fizeram nada naquele mato nos ultimos quarenta anos? Ditado da noite..quem escolhe demais acaba sozinho!!Que os empreiterios tenham muito lucro e facam algo para que eu possa ir la e tomar um chimarao naquela area sem que haja uma boca de fumo!!
Abracos

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo