Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Elites constatam


Algemas, agora, são um problema social

Recebo do jornalista Wanderley Soares, velho especialista em assuntos de segurança pública:

Gente fina não pode ser algemada

As maiores cabeças do Direito Penal Brasileiro discutem as algemas que nunca foram vistas nos pulsos de prostitutas.

A discussão que envolve suas excelências do poder Judiciário e do Ministério da Justiça em torno dos critérios a serem adotados no uso de algemas tem sua nascente nas ações da Polícia Federal que culminaram na imobilização de pulsos delicados, perfumados, antes somente ornados por pulseiras artisticamente trabalhadas em ouro e relógios de ponta da linha Rolex.

Quando os agentes da Polícia Federal se limitavam a apreender uma que outra garrafinha de uísque e a aparecer com seu terninhos e óculos escuros em cerimônias dos donos da República, nada se falava sobre algemas, embora elas estivessem sendo usadas pelas policias estaduais até mesmo em prostitutas que eram arrastadas pelas ruas até o depósito de gente mais próximo.

Agora, algemar ou não algemar passou a ser um debate que movimenta as maiores cabeças do campo do Direito Penal do país e, arrisco dizer, que a maioria dessas cabeças, tanto do poder Judiciário como do Ministério da Justiça, sequer tem idéia de como se abre ou se fecha esses grilhões.

O centro, indisfarçável do debate está no risco de juizes, banqueiros, senadores, prelados e outros exemplares deste nível possam vir, como um cidadão comum, a ser flagrados com a mão na botija.

A escorregadia determinação do Ministério da Justiça é para que a Policia Federal use as algemas somente em casos de possibilidade de fuga ou resistência à prisão.

Tradução minha: um negrão preso, em atitude suspeita, na Vila Umbu, em Alvorada, deve ser algemado, mas um banqueiro vindo de um paraíso fiscal, acusado de furtar bilhões de reais, deve ser mantido com as mãos livres.

Permito-me ainda dizer que as excelências que discutem as algemas não falam sobre o que é algemar com as mãos nas costas; o que é algemar com as mãos na frente; não conhecem as algemas de polegar e não têm idéia da possibilidade de suicídio do indivíduo não algemado entre outras dezenas de circunstâncias. A discussão de suas excelências se resume apenas numa premissa: gente fina não pode ser algemada.

Foto de Luiz Morier

4 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

O Brasil tem que copiar os EUA. O cara é suspeito, tem conversas comprometedoras gravadas. Algema nele com direito a fotinho para o jornal. Impressionante como esse Brasil escorrega em certas discussões. O pior dos crimes é roubar dinheiro público.

Antonio Cavalcanti disse...

Brilhante artigo. Também acho que só passaram a discutir o uso de algemas quando começaram a prender ricaços corruptos que ganham muito dinheiro desonestamente. Os presos pobres continuarão sendo algemados e humilhados, mas os bandidos banqueiros, políticos, empresários e outros poderosos NECA.

Giovani Montanher Madruga disse...

perfeito, simplesmente irretocável.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Enfim, estamos todos de acordo. O consenso existe!!!!

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo