Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

segunda-feira, 12 de novembro de 2007


Nestlé usa favelados treinados na Suíça para escoar seus venenos pseudo-alimentícios

"Durante a reestruturação fizemos uma imersão para conhecer o povo brasileiro. Numa das análises, todos os diretores, inclusive eu, fomos para favelas conhecer de perto o consumo das classes C, D e E. Aprendemos, por exemplo, que o fluxo de caixa dessas famílias é diferente. É semanal e o desembolso é de R$ 1. Por isso, criamos a estrutura de vendas porta-a-porta e muitos produtos para esses consumidores. Fizemos sorvete líquido que congela em meia hora, que tem custo menor de distribuição e o consumidor tem custo menor de eletricidade. Tem tablete de chocolate cuja moeda de troca é R$ 1. Adaptamos e criamos produtos. Não adianta pegar o modelo do Carrefour e jogar na favela que não vai funcionar. Hoje temos pessoas da favela, que passaram por treinamento na Suíça, contratadas para pilotar projetos para o consumidor de baixa renda. Temos 97% de penetração nos domicílios brasileiros. O que precisamos fazer para intensificar a relação com o consumidor? Esse tipo de atividade... Não é necessariamente a mais rentável para nós, mas não interessa. Acreditamos que o país e o poder aquisitivo das pessoas vai melhorar".

Trecho da entrevista de Ivan Zurita, presidente da seção brasileira da multinacional suíça de alimentos industrializados Nestlé S/A, publicada hoje na Folha.

5 comentários:

Anônimo disse...

Feil, onde encontras tuas iamgens? Esta aih, com a moca da Nestle "lambendo" a lixeira eh genial...
Abraco,
Claudia Cardoso

Cristóvão Feil disse...

O Greenpeace tem uma campanha internacional contra o lixo alimentício industrializado. É preciso procurar.

Abç. Claudia e boa estada aí na terra de Sarmiento, Che, Cortázar, Borges e Maradona!

Anônimo disse...

E todos os captadores querem o leitinho do Zurita e o batavo da perdigão! que gente canalha! Mas tenho certeza que um outro mundo é possível.

Eugênio disse...

Porcaria por porcaria, recomendo os sorvetes da Sorvelândia aqui de Caxias. Se tem q pagar por sebo de carneiro, pelo menos q se pague mais barato.

Eugênio disse...

Curioso o reduzido número d comentários dessa postagem. Nem os costumeiros cretinos defensores do livre mercado, mega economia, marquetices e outras merdas saíram em defesa dessa multi. Parece q nínguém quer comer porcaria, muito menos a direita. "Soylent green" é só pra "negrada". E garanto q eles até compram hortaliças ali dos agricultorea ecológicos da Vila Nova, aqueles mesmos q remam conta a corrente pra frente do "agrobusines".

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo