Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 6 de novembro de 2007


A desonestidade jornalística de Zeagá

O jornal Zeagá (do grupo RBS, que apoiou o golpe de 1964) pelo menos poderia ser mais criativo nas suas mentiras. A manchete de hoje diz o seguinte: "Estatística aponta queda em roubo de carros". Uma mentira sebosa e requentada.


Que maçante! Pelo menos, poderiam inventar mentiras novas, pô! Este blog, às vezes, passa semanas sem criticar a mídia guasca. Sabem por quê? Porque não tem novidades, as embromações são sempre as mesmas, só mudam a data e a diagramação das mentiradas.

Em primeiro lugar, é preciso dizer que qualquer agrupamento seriado de dados empíricos não é propriamente "estatística". Para o jornal da Azenha, uma simples mineração de dados já é "estatística". Lendo o texto da manchete, fica-se sabendo que a série de dados referem-se somente a sete meses do ano. Ora, isso não tem nada que ver com a teoria estatística. Uma série de dados empíricos é somente uma série de dados empíricos. Ponto. Tirar conclusões políticas e administrativas que sugerem a excelência do serviço público usando a autoridade da ciência estatística revela uma desonestidade jornalística que exorbita os próprios limites da desonestidade.

O jornal da família Sirotsky e seus celetistas mal remumerados (e semi-alfabetizados) insistem em tratar os seus últimos leitores como se fossem plácidos muares de presépio.


Não deixa de ser curioso que no momento em que parte dos procuradores públicos e policiais civis estão paralisados ou em operação padrão em protesto pelas péssimas condições de trabalho, o diário semi-oficial do Estado estampe informações usinadas para desviar o foco da verdadeira crise de legitimidade pelo qual passa o governo de Yeda Crusius.

4 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

72% (SETENTA E DOIS POR CENTO) da receita líquida do Estado do RS é gasta com salários e proventos de ativos e inativos. Esse percentual aumenta a cada ano. Impossível, completamente impossível administrar, gerir, tocar para a frente um Estado nessas condições. E ao mesmo tempo, o Estado, que não tem nenhuma condição de dar aumento a professorinha que ganha 400 pila por mês, ao brigadiano que ganha um pouco mais que isso e que corre atrás do flanelinha e ao médico do posto de saúde do Morro da Cruz. É que o RS tem que ficar pagando os bons salários do Tribunal de Contas, do Judiciário, do MP, do pessoas das Fundações, das Autarquias. E quando um governo é eleito justamente para resolver esse grave problema e tenta racionalizar todos os gastos do Estado é acusado de falta de legitimidade pelos blogs da vida que se negam a discutir que 72% da receita do Estado vai para a Folha de pagamento. Se isso não é demagogia, o que é demagogia?

Anônimo disse...

Aqui mais um exemplo da operação da Lei de Maia. A discussão está relacionado às "estatísticas" da ZH e surge a acusação ao blog de fazer demagogia. O cara é difícil,

Sil disse...

O q dizer então da corrida da ZH para desmoralizar a Procergs. Chega beirar a insanidade!!! Desde o começo da semana que estão virando a Procergs de cabeça para baixo, até o Coral entrou na roda de "denúncias".

el barto disse...

qual o interesse do prbs em desmoralizar a procergs? aeh tem... e fede.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo