Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 1 de julho de 2008


Kayser vê a crise quase terminal da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS - pela política liquidacionista do ex-governador Germano Rigotto (PMDB) e da atual governadora Yeda nenê-japonês Crusius (PSDB).

20 comentários:

powerball lottery disse...

And also we ensure that when we enter in this specific blog site we see to it that the topic was cool to discuss and not a boring one.

lottery gambling disse...

Your blog is very creative, when people read this it widens our imaginations.

Daniel disse...

É lamentáel o final triste destinado à UERGS. Já que nasceu sob a bandeira do PT, devia EXIGIR socorro ao Governo Federal. O Estado só tem perdido com o entreguismo do PT, que nos deixa à própria sorte (ou azar), com Rigotto, Yeda, Fogaça e seus aduladores.

Carlos Eduardo da Maia disse...

UERGS foi um grande erro. O orçamento da UERGS em 2007 foi de 43 milhões de reais por ano. E atende a aproximadamente 2.300 alunos. Chegamos a um custo por aluno de mais de R$ 1.500 mensais. Mais do que o dobro das mensalidades médias de PUC, Ulbra, UCS ou Unisinos. Essa é a UERGS.

Anônimo disse...

A UERGS foi criada para gerar mão-de-obra barata e cabide de emprego para os "cumpanheiros".

gcc disse...

Certo, abaixo ao ensino superior publico, os estudantes que não tem condições de pagar uma particular que se Fod..
A UERGS deveria ser resgatada, reestruturada para ser um exemplo, mas é melhor deixar o pobre sem estudo mesmo.

Daniel disse...

Caro GCC, concordo que a UERGS tenha que ser resgatada.
Mas tu estás errado em relação "aos estudantes que não tem condições que se f..." x UERGS. Eu sou um que se f... prá pagar a UNISINOS por longos anos, estudando à noite, trabalhando de dia, de domingo à domingo em diversas lojinhas e xópings (desses que o escroto do Maia frequenta). Eu não tive condições de estudar na UFRGS, porque, graças aos "interesses" excusos, nunca houve espaço para trabalhador na Universidade Pública. Os horários não são compatíveis. Desde sempre quiseram esse sistema onde o governo banca a universidade privada. E dá alguns votinhos, né? Esse sistema não está ruim para os pobres, mas está mal para a máfia que ocupa as federais. Isso também tinha que mudar.
A UERGS precisa ser resgatada sim. Quem sabe um começar de novo?
Mas não com a Yeda. E não com o Prouni bombando.

Anônimo disse...

O pseudônimo estudou em que instituição? Tenho cá, com meus botões, deve ser a UFRGS, que ingratidão com ensino público.

mariorangelgeografo.blogspot.com disse...

Hoje, dia primeiro de Julho, o Jornal do bispo Edir Macedo, Correio do Povo/ Instituto Methodus, publicou uma “pesquisa” realizada entre os dias 25 e 26 de junho, sobre o que o próximo prefeito tem de fazer para a cidade. A “pesquisa” demonstrou que, o candidato que prometer “retirar” os pedintes das esquinas, será eleito pela maioria dos entrevistados. 74,3 % deles querem que o próximo alcaide, acabe com as pessoas que, desafortunadamente, somente têm a rua como casa e, a esmola, como meio de conseguir algum alimento.

Fiquei estarrecido com esse número, sendo que, mesmo tendo outros problemas urbanos mais importantes (segurança, saúde, educação, transporte), a “retirada” dos pedintes, ficou em primeiro lugar.

Mas aí eu pergunto: como será que o próximo prefeito faria isso?

Talvez as pessoas que querem isso achem que será por decreto, como se pretende fazer com as carroças?

Ou, quem sabe, joga-los num depósito, bem longe dos nossos olhos?

Mais ainda, mandar a Brigada Militar do Coronel Hitler Mendes, expulsa-los das esquinas, como faz com os movimentos sociais?

Ou, de forma milagrosa, emprega-los, quem sabe, na Prefeitura ou em alguma das siderúrgicas dos Gerdau? Ou nas papeleiras?

Seja qual for a maneira de “retira-los” das ruas, para as pessoas que responderam essa pesquisa, falta a eles o entendimento e a dimensão social desse problema e, principalmente, demonstra a insensibilidade e a falta de solidariedade da população de Porto Alegre a essas PESSOAS.

Sim, PESSOAS, SERES HUMANOS, NOSSOS IRMÃOS...

DESAFORTUNADOS...

Onde estão os valores cristãos da sociedade porto-alegrense?

Isso somente mostra, infelizmente, quão preconseituosa e insensível são eles.

Que vergonha...

edu disse...

Q interessante os raciocinios...nao fazem vestibular, fecham turmas, fecham cursos, e depois dizem q o custo é de 1500 reais mes...obvio, se nao entram mais alunos atraves de vestibular, claro q o custo divide pelo numero q alunos Q ESTAO JA MATRICULADOS!!!

Vejamos 100(custo)/50(numero de alunos) total 2 reais por aluno, 100/10 =10 reais por aluno!!! Muito caro tem de fechar a universidade do povo.

Acham q somos idiotas.

bebê japinha disse...

A tia sofre pressão da Ulbra pra fechar a Uergs, com a ajuda do grande "petista" canoense Jairo Jorge, que saiu do MEC direto pra ser celetista da Ulbra.

JJ caiu pra cima. Isso que é ética!
Agora JJ quer ser alcaide de Canoas.

Será a Canoas by Ulbra!

Sorry!

edu disse...

Paralisado pelas denúncias de corrupção, o governo Yeda está abrindo mao de R$ 7 milhões para a UERGS. Emenda do senador Paulo Paim (PT) ao orçamento federal assegura os recursos para a universidade gaúcha, que só não foram liberados porque o governo tucano não apresentou projeto de utilização da verba.

Raul Pont

Anônimo disse...

O negócio da véia Yeda é fechar escolinhas. Então que feche a UERGS.

Anônimo disse...

A ser essa pesquisa verdadeira, pois sempre há a possibilidade de elas expressarem a mais pura mentira, curiosa essa preocupação dos porto-alegrenses. Ainda mais, se considerarmos o fato de que essa pauta tenha andado pela mídia corporativa, especialmente na RBS. Não seria de surpreender, se alguns dos "comentaristas" da casa não venham a propor a utlização de câmaras de gás para dar uma solução final a essa questão que tatanto aflige os homens de bem da nossa cidade.
Gente para fazer isso nas instâncias jurídicas, executivas, legislativas e policiais nós temos. Por enquanto, eles jogam o pessoal na beira da estrada e caçam o direito de voto. Mas nós chegaremos lá com o discurso devidamente usinado naquele antro à beira do arroio Dilúvio e com apoio do nosso povo politizado. Aquele apelo "será que não tem alguém para dar um tiro nesse cara" não ficará sem resposta.

Eugênio

Anônimo disse...

Só um vigoroso canalha podia dizer isto:

Uergs foi um grande erro.

Este é o "Novo Jeito de ver a Educação": Escolas (principalmente voltada aos pobres) tem de fechar.

Todas as fichas no Mendes, no Busatto, no Lair, e todos os culaus que cercam a doidivana.

Claudio Dode

Prestes disse...

A USP é um erro então, Maia???

Carlos Eduardo da Maia disse...

A USP é bem diferente da UERGS. A USP tem anos e anos e já está consolidada como boa universidade. A UERGS é a UERGS.

Anônimo disse...

Tem certa direita que de tão conservadora, chega a ser hilária.

Bem se a USP é a USP não precisa mais nada.

Não precisa mais de Uergs nem nada.

Com esse interesse acadêmico todo, não tinha sido nem criada a USP.

A Uergs para um dia ser a Uergs, tinha que ser iniciada, e cultivada por todas as "forças vivas" do estado. Só que para o "novo jeito de governar" educação é pelo modêlo do Mendes.
E quanto menos, melhor.

Claudio Dode

Carlos Eduardo da Maia disse...

Quantos anos tem a USP e quantos anos tem a UERGS? São momentos históricos diferentes. Impossível comparar uma coisa com a outra. Não vamos ser débeis.

Anônimo disse...

Eu não sei quantos anos tem a USP, mas seria de bom alvitre que o bando da Yeda deixasse a UERGS chegar lá.

Mas ela odeia educação. Deve ter orgasmos multiplos quando fecha uma sala de aula.



Claudio Dode

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo