Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Dantas conhece tudo da privataria do tucanato


Antes do mensalão, o banqueiro [Daniel Dantas] celebrizara-se como mago das privatizações da era FHC. É dono de segredos insondáveis.


Em 2004, julgando-se perseguido, o dono do Opportunity cogitou abrir o bico. Chegou mesmo a sondar jornalistas dispostos a ouvi-lo. Na última hora, recuou.

Viu-se assediado por prioridades mais urgentes. A bisbilhotagem que encomendara à Kroll acomodara a Polícia Federal nos seus calcanhares.


Privou-se o país de revelações só franqueadas a pessoas que privam da intimidade dos corredores do Opportunity. Gente como Ney Figueiredo.

Ex-consultor da Febraban, da Fiesp e da CNI, Ney Figueiredo fora contratado, quatro anos atrás, para polir a imagem de Daniel Dantas.


Em dezembro de 2004, recém-desembarcado da missão, que se revelou inatingível, Figueiredo lançou o livro "Diálogos com o Poder".

Dedica um capítulo à venda das telefônicas: "(...) O problema das privatizações no Brasil passa pelo financiamento das campanhas eleitorais, tendo como subproduto as malsinadas sobras de campanha e o pedágio do intermediário (...)".


Figueiredo reproduz no livro uma pergunta que Daniel Dantas confidenciara a políticos de sua confiança:

"O que aconteceu com o ex-diretor do Banco do Brasil Ricardo Sérgio de Oliveira, levando-se em conta a história que circula nos bastidores sobre os famosos US$ 30 milhões que teriam sobrado na operação da Telemar?"

Ricardo Sérgio é aquele personagem que, acomodado numa diretoria do Banco do Brasil, emergira dos célebres grampos do BNDES como o operador que agiu "no limite da irresponsabilidade".


Ney Figueiredo anota em seu livro uma obviedade: a grande fonte das tesourarias eleitorais é o setor público. "Nesse sentido", escreve, "cabe perguntar...:

“...Onde foram parar os US$ 200 milhões que a Itália Telecom, como sócia da Brasil Telecom [à época controlada por Daniel Dantas], teria pago a mais pela Cia. Riograndense de Telecomunicações (CRT)?"


Os indícios de sobrepreço na operação de venda da CRT constam também de uma carta explosiva. Redigiu-a o publicitário Mauro Salles.

Contratado por Daniel Dantas para mediar a alienação da companhia telefônica gaúcha, Mauro Salles agendou um encontro do banqueiro com o tucano Pimenta da Veiga, à época ministro das Comunicações de FHC.

Amigo de FHC, Mauro Salles endereçaria ao então presidente da República uma incômoda carta. A certa altura, o publicitário escreveu o seguinte:

"Meu caro presidente, (...) estive com o ministro Pimenta da Veiga (Comunicações), junto com Daniel Dantas (...). O objetivo do encontro era a busca de sintonia (...), visando equacionar os problemas que cercam a compra da CRT".


Mauro Salles foi ao ponto: "Fiquei surpreso quando o ministro afirmou que a nossa interpretação dos posicionamentos do presidente [da República] estavam equivocadas".

Era julho de 2000. Corriam pelos subterrâneos, nas palavras de Mauro Salles, "interpretações maliciosas". Buscava-se “implicar o presidente em uma armação inconcebível."

Insinuava-se que FHC estaria de acordo com o ágio embutido no valor da CRT. Salles arrematou a carta com um apelo ao presidente:

"Preciso de uma palavra sua para dissipar as dúvidas levantadas pelo ministro Pimenta (...). Desculpe o desabafo. E não me deixe sozinho nesta luta em que estou (...) procurando defender (...) o próprio interesse nacional".


Não se sabe se Mauro Salles obteve de FHC “palavra” capaz de “dissipar as dúvidas”. Além da carta, o publicitário contratado por Daniel Dantas produziu um dossiê.

O papelório embrulha a transação da CRT numa bruma de suspeição. Sobre a operação, Daniel Dantas diz, em privado, coisas que se nega a repetir em público.

O Nero da Antigüidade responsabilizou os cristãos pelo incêndio que consumiu Roma. Daniel Dantas, o Nero pós-moderno, traz na ponta da língua uma penca “culpados”.

Até aqui, o "Senhor Encrenca" vem conseguindo administrar o próprio silêncio. Resta saber se, levado à fogueira que ajudou a acender, aceitará queimar sozinho.

Pescado integralmente (menos o título) do blog de Josias de Souza, da Folha.

8 comentários:

mário casado disse...

Onde vc andava, Feil?

Pensei que um comando do Dantesco tinha te roubado.

home loan rates disse...

Ive read this somewhere else.


home loan rates

Carlos Eduardo da Maia disse...

Vamos botar os pingos nos is nessa questão. A CRT foi privatizada em duas licitações, 1996 e 1997 e o consórcio formado pela Telefónica de Espanha, RBS e Citibank ganhou essas licitações. Depois houve a licitação do sistema Telebrás e a Telefónica arrematou a Telesp. O que indignou a RBS, uma vez que a Telefónica teria que optar ou ficava com a CRT ou com a Telesp, tendo em vista obstáculos legais previstos na Lei de Concessões e na Lei Geral de Telecomunicações. A RBS vendeu sua parte para a Telefónica e saiu do comando da CRT. Depois, a Telefónica optou por ficar com a Telesp e no ano 2.000 teve de vender a CRT para a Brasil Telecom, na época comandada pelo opportunity de Daniel Dantas. IMportante destacar que o valor pago pela BrT de Dantas para adquirir o controle da CRT da Telefónica é inferior ao valor que a Telefónica pagou ao Estado do RS pelas vendas das mesmas ações. É ai, nesse pagamento feito por uma empresa privada a outra empresa privada(porque a CRT era em 2000 completamente privada) que nasceu a discussão dos Os 200 milhões da Telecom Itália. Essa transação não envolve dinheiro público e nem o Estado do RS. O RS vendeu bem e fez um excelente negócio com a venda da CRT, pois entrou dinheiro extraordinário no Caixa que foi investido na formação de um pólo automobilistico no RS com a atração de grandes empresas, GM e Ford. Mas um certo alguém resolveu bloquear essa transação e não liberou esse dinheiro para a Ford. Dinheiro esse que estava numa conta do Banrisul. Para onde foi essa grana Olívio? Respondo: para o caixa único do Estado. Foi gasto em despesas ordinárias. Grande burrice.

Anônimo disse...

Sabe as vezes eu até penso que o Maia é idiota.

Germano Leite disse...

Maia, então o que afirmas é que venderam a CRT (uma empresa do povo gaúcho) pra dar o dinheiro pra Ford e pra GM (multi norte-americanas)? Esse foi o "excelente negócio" do RS?

panoramix disse...

Daniel Dantas, ACM, Sergio Motta, FHC, Britto, triste lembrança de um Brasil entregue a troco de banana. A triste ironia era a pose com o martelinho para deleite do PIG que estava junto no negócio! O Estado Elefante, A Globalização é Irreversível, clichês inesquecíveis!

Anônimo disse...

O Negócio e o seguinte: simples problema trabalhista. O Britto trabalhava para a RBS e para ela entregou o CRT. Depois foi trabalhar para o Dantas e levou para o opportunity a CRT. Ou talvez não.

Mas que nome bem oportuno:
Opportunity.

Eles não perdem uma...

Claudio Dode

Anônimo disse...

Aquela certa turma de apoio ao Cel. mendes, Busatto, Yeda Culau, Lair, escafedeu-se.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo