Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Vejam o grau de autonomia do Banco Central do Brasil


Henrique Meirelles diz que as irregularidades no banco Opportunity são como crimes cometidos em horas vagas

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles (foto), foi cobrado ontem, durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, pelo fato de a instituição não ter atuado preventivamente junto ao Grupo Opportunity, identificando os ilícitos cometidos, antes da ação da Polícia Federal. “Ou houve exagero da Polícia Federal ou omissão do BC e da CVM (Comissão de Valores Mobiliários)”, disparou o presidente da CAE, senador Aloizio Mercadante (PT-SP). A informação é do Estadão de hoje.

“A opção não é tão simples assim, de ser uma coisa ou outra”, respondeu Meirelles. Segundo ele, às vezes as atuações de pessoas físicas não têm nada a ver com a de uma instituição financeira. “É como o funcionário de um banco que comete um crime nas horas vagas”, justificou.

Para Mercadante, os clientes do Opportunity devem ter ficado surpresos com a notícia de que toda a diretoria da instituição financeira tinha sido presa. “Como é possível que isso tenha ocorrido sem que a fiscalização do Banco Central tenha tido qualquer tipo de informação a respeito?”, questionou Mercadante.

O senador perguntou ainda se não há sintonia entre as instituições no País.

.......

Quisera a Polícia Federal ter a autonomia que goza o Banco Central, hoje no Brasil. Com esse escândalo do banco Opportunity era para a diretoria do BC cair integralmente, e depois ser presa na forma da lei e julgada. Mas o presidente do BC ainda vai ao Senado para debochar dos Senadores...


6 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

O Banco Central não tem o poder de fazer escutas telefônicas e nem apreender dados em computadores, como tem a Polícia. Hoje a grande prova judiciária é a escuta telefônica e a apreensão de dados em computadores. E é uma prova nova que está colhendo belos resultado e veio para ficar. É muito cedo ainda para responsabilizar o BACEN por ter sido omisso em relação ao Opportunity (que é um banco que ainda existe e está atuando).

edu disse...

Maia...tu nao sabes...mas o banco central PODE analisar a quantidade de moeda "virtual" q os bancos criam...aquela q exige um % do patrimonio para a quantidade de dinheiro criado do NADA...ta bom pra ti...???

Essa BOMBA representa 50% do PIB do Brasil...

O banco central é privado...joga as taxas de juros pro alto para sugar o fruto do trabalho gerado no pais, é como uma colheitadeira...e usa a desculpa de q seria para "conter a inflaçao"...se os bancos é q produzem o real...quem gera inflaçao???

edu disse...

Lembram do 5° do rei??? Pois é...o banco central suga 3 quintos do nosso trabalho...

Olhos e mentes começam a perceber...

Aceitamos pagar...sempre pagamos...vamos rachar no meio pra começar??? Pagaremos 2/5???

Ok??

Anônimo disse...

Que sorriso tétrico e, ao mesmo tempo, cínico!

armando

Anônimo disse...

Maia: o lobbysta imaginário...

Anônimo disse...

O Maia é um Jurássico.
Ainda fica com a enrolação do BC independente. Só para situar: o FED só faz o que o Busch quer ou precisa faz é tempo, isto escrachadamente, "nas cochas" foi sempre...

O Banco Central não te acesso a escutas, e nem precisa por dialoga diariamente com os caras, não "sabe com trata" quando quer se fazer de zonzo.

Aos dados, todo e qualquer produzido por qualquer banco, tem acesso OBRIGATÓRIO, todo o dia. Fez "olho branco" porque foi de interesse...

A "choldra" toda sabia, a Polícia Federal, sem ter o minimo acesso aos dados que o BC tem. E isto é poder.

Só que esse poder é na hora da Bandalheira, do Proer por exemplo, o BC sabia direitinho o que cada bandido tinha direito no Butim.

Claudio Dode

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo