Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

''O mundo vive dois dramas: a crise financeira e a climática''


Para Altvater, futuro do capitalismo está relacionado com combate ao aquecimento global

Há quinze dias, a Agência Americana de Oceanos e Atmosfera soou o alarme: a temperatura no Ártico está 5°C acima da média, um recorde que demonstra uma forte diminuição do banco de gelo, provocada pelo aquecimento global. O fenômeno, divulgado em meio a crise econômica americana, preocupa o economista e cientista político alemão Elmar Altvater (foto), de 70 anos. “Nenhum cientista imaginou aumento da temperatura nesse patamar. E todo mundo só fala da crise financeira”, lamenta. Segundo ele, “o fenômeno é tão terrível quanto a questão econômica e ninguém está dando atenção”, completa. A informação é do Estadão, de hoje.

Não que a crise não seja preocupante. Mas o professor de ciência política da Universidade Livre de Berlim e autor do livro "O fim do capitalismo como nós o conhecemos", lançado em 2006, ainda sem edição no Brasil, defende que os governos e a sociedade tenham a mesma atenção com a crise climática.

Altvater prega uma mudança radical na produção econômica e no estilo de vida moderno para reverter o aquecimento global. “Não há dúvida que precisamos nos adaptar rápido a um novo tipo de vida. O mundo vive dois dramas: a crise financeira e a crise climática. As duas estão interligadas”, defende Altvater, um estudioso das relações entre economia e ecologia.

Ele defende um sistema de produção baseado no uso progressivo de energias alternativas, não poluentes, como a solar. “O que vai acontecer com o capitalismo depois desta crise ninguém sabe. Mas a única saída para a humanidade é o uso de energias renováveis.” O etanol é uma das possibilidades. Altvater compartilha a opinião de uma corrente de ambientalistas que ataca o uso do etanol porque as plantações de cana-de-açúcar, beterraba, milho e trigo roubam espaço da produção de alimentos.

“Se continuarmos com estilo de vida com base no carro, se nossa arquitetura não se adaptar ao clima de cada região e se não reduzirmos o uso de energia, nosso futuro não será bom. São mudanças que se fazem ao longo de 30 anos. Mas só depende de nós. Nós somos os arquitetos do nosso futuro” – disse Altvater.

6 comentários:

Francisco Goulart disse...

O Professor Eugênio Hackbart, da Metsul - Climatologia Urbana (pai do Holf Hackbart, presidente do INCRA, porém isso não tem nada a ver, só para situar), defende a tese de que o planeta está esfriando, tendo em vista que os raios emanados pelo Sol estão em processo de enfraquecimento.
www.metsul.com
http://www.metsul.com/secoes/visualiza.php?cod_subsecao=33&cod_texto=1029

panoramix disse...

Espero que o professor esteja certo. Detesto calor!

Ary da Silva Martini disse...

O RS vai ser o primeiro estado brasileiro a decretar falência ambiental (carne, lavoura extensiva e eucalipto sem controle). O RS passará a depender do nordeste. Eita que coisa "mais boa"!

Mr. Freeze disse...

é, fodeu...

Anônimo disse...

Na verdade sim...o planeta caminha para uma era glacial, isto é normal, certo, sem possibilidade de mudança, o problema é que a atividade humana esta acelerando o processo, o resultado final do aquecimento será sim o congelamento mas para esfriar tem que primeiro decipar a energia acumulada, a qual num primeiro momento levará a um aquecimento da terra, mas na sequencia a um esfriamento completo...Malacara

Ary da Silva Martini disse...

O mundo é uma festa mas o gelo está acabando!

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo