Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 25 de março de 2009

A mentalidade escrota dos Bobby Brown da vida



Essa é do velho e bom Frank Vincent Zappa, que nos deixou em dezembro de 1993. Nos anos 70, Zappa e a sua banda Mothers of Invention, lançaram premonitoriamente essa canção “Bobby Brown”, para falar dos caras escrotos que a sociedade de consumo já estava produzindo em suas linhas de montagem. Hoje, o mundo da vida é praticamente dos Bobby Brown, os filhinhos de papai classe-média que pensam que podem tudo.

Canta Zappa:

E aí, pessoal, eu sou o Bobby Brown
Dizem que eu sou o cara mais bonito da cidade
Meu carro é veloz, meus dentes são brilhantes
Eu digo a todas as garotas que elas podem beijar o meu pau
Aqui estou eu, numa escola famosa
Eu estou bem vestido e estou
Sendo muito legal
Eu tenho uma líder de torcida aqui que quer me ajudar com meus trabalhos de escola
Vou deixar ela fazer todo o trabalho e talvez depois eu a coma

Oh, Deus, eu sou o sonho americano!
Eu não acho que sou exagerado
E eu sou um filho da puta gostoso
Eu vou arranjar um bom emprego e ser bem rico
Arranjar um bom, arranjar um bom, arranjar um bom, arranjar um bom emprego
[…]

E por aí vai, mais adiante ele (BB) ainda debocha da revolução feminista, etc.

8 comentários:

Gustavo Schirmer disse...

...mas termina levando ferro! :-P

Carlos Eduardo da Maia disse...

Um dos grandes pecados é o reducionismo e/ou generalização. Classe média virou classe mérdia que gera os playboys e patricinhas filhinhos de papai. Tudo se resume a isso. A classe média é a classe dominante e gera diversidades, inclusive filhinhos de papai. A imensa maioria das pessoas quer ser classe média, quer ter o padrão classe média, quer ter o direito de consumir, de ser cidadão, de ter emprego, trabalho, acesso à cultura etc. Certa esquerda detesta a classe média porque ela é a culpada pela derrocada de qualquer tipo de revolução socialista. Classe média quer opção de vida e o sistema socialista oferece apenas a opção estatal, monopolista. Inconformada é a classe média que vai para a rua protestar contra os regimes autoritários de direita e de esquerda. O grande erro de Marx foi não ter previsto uma sociedade de classe média dominante e que fosse capaz de amenizar, administrar e conter os conflitos da luta de classe entre exploradores e explorados. Por isso, a grande luta é da inclusão social de todos no padrão classe média de vida. Mas tem gente que não quer nada disso, porque acredita que classe média é composta apenas de filhinhos de papai..... E o grande Frank Zappa cantava para a classe média americana que consumia e bem seus discos e seus hábitos.

panoramix disse...

Mentalidades tacanhas na nuvem! Esta música de Zappa está no excelente "Sheik Yerbouti"!
http://en.wikipedia.org/wiki/Sheik_Yerbouti

Omar disse...

Frank Zappa para Presidente!!!
(mesmo que póstumo)

fran disse...

Omar, ele chegou a ser candidato uma vez, não lembro o ano.

Anônimo disse...

O Maia (se é que ele existe mesmo, talvez nem ele próprio saiba) é o típico Bobby Brown acadêmico... rsss

el barto disse...

e o que tem desses abostados poraí... bah!!!

Caio Ramos disse...

Classe média indo pra rua protestar, só na novela da Globo...

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo