Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 17 de março de 2009

Aprovada a farsa da Consulta Popular sobre a Ponta do Melo


Foi a vitória da bancada do concreto e de mais dez ou quinze pessoas endinheiradas

Ontem, a bancada imobiliária da Câmara Municipal de Porto Alegre finalmente aprovou a farsa da Consulta Popular. Objeto da Consulta: caberá ao cidadão/cidadã responder se aprova ou desaprova que as imensas torres que serão erguidas na Ponta do Melo – estas já estão absolutamente garantidas – tenham apartamentos residenciais ou somente salas comerciais. Ponto.

Não é um deboche? Tudo já está decidido, repito, pela bancada do concreto, e agora nos chamam para opinar se sobre o bolo pronto e acabado vai uma cereja ou um pequeno arranjo com fios de ovos.

Essa é a democracia representativa que temos e sofremos em Porto Alegre.

Anotem: a orla do Guaíba, que tem cerca de 72 quilômetros, será toda fatiada e rifada assim, na bacia das almas, para os especuladores e investidores imobiliários daqui e d’alhures. Eles agora tomaram gosto, e querem mais, muito mais.

A notícia de que Porto Alegre é um hímen complacente com a bandalheira imobiliária já correu mundo. Virão investidores de todo o planeta fazer torres e mais torres dividindo a cidade do ecossistema Guaíba. Eles estão em festa, seguros e serenos de que não terão mais obstáculos para assaltar a orla e tornar seus interesses legais e legitimados por mecanismos “democráticos” do tipo Consulta Popular e outras embromações risíveis.

Foi de fato uma grande vitória do interesse e da ganância de dez, quinze, trinta pessoas endinheiradas, em detrimento de um milhão e trezentos mil porto-alegrenses.

Viva o Plano Diretor de Porto Alegre - o mais ignorado do País!

Viva Porto Alegre – a cidade mais politizada do Brasil!

12 comentários:

mariorangelgeografo.blogspot.com disse...

É por estes motivos (expostos pelo Feil neste post) e outros, que o Foga$$a está, aos poucos e paulatinamente, esvaziando e extinguindo o Orçameto Participativo.

O OP, era o embrião para a implantação de uma forma de democracia direta, onde as decisões sobre a cidade eram discutitas e aprovadas ou não, diretamente pela população, pelo cidadão. Hoje não passa de um arremedo. Não decide NADA.

A consulta popular proposta para "decidir" o tal Pontal, não passa de teatro. Pois as decisões já foram tomadas, e esta consulta, somente sacramenta, neste caso, a usurpação do espaço urbano e uma área de interesse ambiental por meia dúzia de endinheirados e também atende intere$$es dos "nobres" veradores.

Lembro de uma entrevista do Ibsem Pinheiro, cassado como deputado, logo após ser eleito vereador de Porto Alegre, que era contrário ao OP, e que iria trabalhar para trazerde volta o poder decisório aos vereadores, etc...etc...

É muito triste ver o que acontece atualmente, em Porto Alegre e no RS. Essa gente, agora, encontrou um terreno fértil para "faturar". Dane-se as pessoas, dane-se o meio ambiente.

Mau caro Feil...

Coisas da vida.

Anônimo disse...

Feil:

Parece que foram 22 votos a favor, 1 em cima do muro e a bancada do PT e PSOL contra.
Esses 23 vão receber seus relezutentes apartamentos, com vista para o lago Guaíba, em breve...
Serão vizinhos de falcatrua...


Ricardo M.

Anônimo disse...

Feil:

Parece que foram 22 votos a favor, 1 em cima do muro e a bancada do PT e PSOL contra.
Esses 23 vão receber seus reluzentes apartamentos, com vista para o lago Guaíba, em breve...
Serão vizinhos de falcatrua...
Porto Alegre vai virar Camboriú, com a orla toda tomada.
É só aguardar...


Ricardo M.

Zé Bronquinha disse...

Eu estava lá:Votarm contra a farra das construtoras e da bancada dos espigões o vereador Beto Moesch do PP, Juliana Brizola do PDT, Pedro Ruas e Fernanda do PSoL, e do PT, todos, menos os constrangidos e engavetados Adelí e Comassetto, que fazem parte da bancada das construtoras, tendo ambos optado pela abstenção.

jorge disse...

Adellí Sell e Carlos Comassetto são vereadores manjados. Amigos das construtoras e incorporadoras. O segundo é amigo do pessoal do Terraville, no bairro Belém Novo.
Figurinha carimbada da mumunha imobiliária.

E o PT faz o quê com eles? Faz que não viu nada.

Anônimo disse...

e viva esse povinho bunda que votou nessa escumalha.

joão disse...

Povo politizado pela mídia dá nisso! Como somos otários!

Anônimo disse...

Na Venezuela, referente popular é bonitgo "democrático-participativo-solidário-público-de-qualidade". Aqui, é feio.

miguel disse...

SEm comentarios, quando um imbecil vem argumentar com a enezuela é brado..acho que oreferido genio da democracia nao entendeu que o referendo só decidirá se serao predios comerciais ou tanbem residenciais, o âmago da questao, construir torres que isolarao o guaiba da cidade já está decidido, portanto, é um plebiscito pra ingles ver....os plebicitos na Venezuela são para decisoes importantes, e isto, na porto legre "politizada" os Facista, como este anonimo, não querem ...

maria alice disse...

Não, anônimo sonso, não é feio, mas é inócuo. Faz a cidadania decidir sómente sobre a cereja do bolo.
Entendeu ou quer que desenhe?

Anônimo disse...

Primeiro lugar os referendos na Venezuela se dão dentro de um processo eleitoral e dentro das leis que regem os Tribunais Eleitorais.

Aqui não é bem isso que estão propondo?!

Muito embora eles gostem dos votos, eles preferem os que financiam a midia para enganar os eleitores. E dá-lhe "perninha de anão" na população.

Claudio Dode

Henrique Wittler disse...

Veja neste link abaixo porque não votar na consulta popular.
Em primeiro lugar porque já existe desistencia por parte do dono da área em construir residencial. Se voltar a traz demonstrará acordo prévio com os vereadores e Prefeito, mostrando uma encenação.
Em segundo lugar porque valerá para qualquer alternativa os 60 m da margem e se residencial terá que construir um dique que necessita mais 120 m, ou seja em 180 m da margem não terá utilização.
Portanto se vencer o não, eles poderão construir após os 60 m, mas só comercial e se ficar sem proteção contra inundações pergunto quem comprará o imóvel que poderá ser inundado?
Esta consulta é um blefe e propaganda política do Prefeito que deverá ser responssabilizado pelos gastos pelo Ministério Público, pois vai fazer gastos para nada.
http://www.slideboom.com/presentations/69670/CONSULTA-POPULAR

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo