Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Neta de Brizola não entendeu lhufas


Advogada é contra a anistia de seu avô

Leonel Brizola foi um eterno cético com relação à herança de talento, genético ou adquirido. Citava sempre o exemplo de Getúlio Vargas, que para ele nunca tivera um descendente à altura do seu talento político e grandeza como estadista.

Pois, o mesmo se pode dizer do próprio ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro: igualmente não teve descendentes da qualidade de seu descortino político-administrativo.

Haja vista a sua neta, Juliana Brizola, recém eleita vereadora de Porto Alegre, pela legenda do PDT. Hoje, a jovem balzaquiana de 33 anos concedeu uma entrevista ao jornal Zero Hora a propósito do reconhecimento oficial de anistia ao seu avô, Leonel Brizola, e mete os pés pelas mãos.

Como bacharel em Direito, a neta deveria saber que a anistia concedido pelo poder público é antes de tudo um ato objetivo de natureza política. Portanto, ninguém pode ficar constrangido – como a neta afirma sentir-se – porque um parente querido seu, e já falecido, foi objeto de reconhecimento civil (restituição moral integral da cidadania) e reparação política por parte do Estado, o mesmo Estado que uma vez o perseguiu, o baniu, o condenou e o imputou do “grave” delito de ter uma opinião diferente dos ditadores de plantão.

A neta embaralhou questões familiares de delicada subjetividade com a pura objetividade política do tema de anistia. É verdade que só o fez provocada, ou melhor, envenenada pelo jornal da RBS, que explorou de forma reprovável a fragilidade emocional da neta, bem como a sua evidente ignorância em matéria de direito e de política. Mas mostrou-se também ressentida pelo fato de que o pedido formal de reparação tenha partido de alguém que – talvez – ela julgue indigna de fazê-lo, uma senhora que foi a companheira de Brizola, depois de sua viuvez. Como se isso fosse um ultraje à memória de sua avó, a sempre digna Neuza Goulart.

Já se vê que a neta – como diria Brizola – "não tem sequer um gene político do avô".

Leonel, na idade de Juliana, já era governador do Rio Grande do Sul. A vereadora, com o “talento” que exibe, parece ter chegado ao Everest de uma brevíssima carreira.


16 comentários:

Ary da Silva Martini disse...

E, pelo jeito, chegou ao pico sem o cilindro de oxigênio. Não teve fôlego nem para uma entrevista fuleira. Não se admirem se a Vênus entrevistá-la.

panoramix disse...

Como já dizia o grande filosofo Ary Toledo: quem herda herda, quem não herda fica na mesma! Leonel foi o último grande lider brasileiro, administrador capaz e principalmente corajoso, sujeito "cuíudo", que aos 79 anos ainda quiz "bater o brim" do folclorico pompeu de mattos exatamente por ter mexido exatamente com esta netinha. Após sua morte o que segue é silêncio. O atual PDT é prova viva disto!

maula disse...

Prova MORTA disso, né panoramix?

zozé disse...

Sim, Ary, certamente é pauta pra GLOBO, pra Veja.
Arghhhh!!!!!!!!

Prestes disse...

O PDT com o Briza já havia degringolado há muito tempo. O velho preferiu estar cercado de puxa-sacos alpinistas no fim da vida, que a velhos companheiros.

No mais, tenho pena de uma amiga minha que também se chama Juliana Brizola. Coitada ser confundida com esta anta.

Ary da Silva Martini disse...

Panoramix: o PTB/PDT, a cada perda de um líder, encolhe (Vargas, Pasqualini, Jango, Brizola). O último a fechar o caixão será Alceu de Deus Collares. Esse, tapou de nojo a bandeira do Trabalhismo. Deixará a história para fazer parte do anedotário trabalhista. Será lembrado como um grande folclorista (o Paixão Cortes do Trabalhismo). Uma pena!

Anônimo disse...

pode ser folclorista mas digno, coisa que Paixão é

Anônimo disse...

Como diria aquele rapaz; 'parente é que nem dente, quando mais longe um do outro melhor!'

Anônimo disse...

Barbaridade!

armando

Guto disse...

Muito bom, Feil!

Guto

Anônimo disse...

Carlos Lupi se empenhou em garantir a eleição da neta de seu velho amigo e mentor político. Imagina ouvir depois que ele quando ministro não se prestou nem a ajudar os netos do brizola que ajudou tanto ele. foi grana preta, mas a garotada chegou lá, agora é por conta.

Anônimo disse...

Tiro certeiro: Julianas e Tessaros são exemplos de vitoriosos de uma só eleição... sem "máquina" na mão, já eram... enquanto isso, coitada da cidade...

Anônimo disse...

Esta moça ou é infantil ou oportunista...
Primeiro ameaçou de sair nua nas
revistas do País.
Acusou o Dep. Pompeu de Matos de
assédio sexual.
Se torna conhecida, se elege com o
nome do avô e agora se diz constrangida deste avô ser anistiado.
Bahhh!!!

Fernando disse...

Se o Briza vivo estivesse, nao teria a neta a coragem de proferir tais disparates.

Anônimo disse...

Conheço bem esta família de oportunistas! Coitado do Brizola. Grande homem, que teve sua vida pautada em honestidade, ver esses ditos descendentes se aproveitarem do seu nome para mamar neste legado, que não tem ninguém que esteja a sua altura. O pior é todos os saberem o que o irmão mais novo fez na vida de uma jovem do Rio de janeiro com uma filha e ficarem calados. Quanto maior a altura, maior a queda. Um dia a verdade aparecerá, daí! BARABARIDADE, o tombo será imenso!

Anônimo disse...

que desgosto para o Brizola... um homem tão grande e digno com uma descendência tão equivocada...

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo