Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 28 de outubro de 2008

PMDB está bêbado


Porre faz Michel Temer lançar Fogaça à presidência em 2010

O PMDB está bêbado. Bebeu o guaraná gasoso e turbinado dos votos municipais de domingo passado e se emborrachou. Está se achando o partido mais querido e gostoso do Brasil. Ontem, o presidente do condomínio de bêbados eleitorais, Michel Temer, ousou lembrar do nome de José Fogaça para a presidência da República em 2010. É para ver como meia dúzia de votos municipais podem ter o efeito de turbinar as ilusões dos que empinaram em demasia.

É fundamental que se faça, pois, a seguinte pergunta: quando em algum tempo no Brasil um prefeito teve poder e influência política para além do seu território municipal? César Maia, prefeito do Rio de Janeiro, que influência tem na política nacional ou mesmo na última disputa presidencial? Jânio Quadros, Luísa Erundina, Paulo Maluf, Celso Pitta, Marta Suplicy, ex-prefeitos da maior cidade do País, quando tiveram força nacional capaz de alterar uma palha que seja na escolha presidencial?

O professor Cardoso, só para ficar num exemplo pela direita, foi derrotado nas eleições municipais em São Paulo e depois foi eleito e reeleito presidente da República.

O PMDB, na sua embriaguez de juntar criancinha, está fazendo pior, soma os votos conquistados nas grandes cidades e apresenta uma contabilidade falsa com o intuito de representar aquilo que nunca teve em toda a história de sua existência, ser um partido nacional uno e monolítico, e não o condomínio precário de líderes regionais em decadência, como Pedro Simon, Luiz Henrique, Orestes Quércia, Newton Cardoso, Iris Resende, Jarbas Vasconcelos, José Sarney e Jáder Barbalho - todos em fim de carreira.

A única energia que ainda conta para o PMDB – para além do porre eleitoral do último domingo – é aquela emprestada pelo próprio presidente Lula, ao colocar cupinchas adesistas em alguns ministérios da Esplanada, como Nelson Jobim, Hélio Costa, Gedel Vieira Lima e o indizível Edison Lobão.

Como todo o bêbado, quando o efeito da ingesta etílica amazônica passar, ele, o PMDB, logo logo cai na realidade novamente.

15 comentários:

panoramix disse...

A esta altura acredito em qualquer coisa, yeda presidente+fogaça vice ou fogaça presidente+yeda vice, uma dupla perfeita "a fome com a vontade de comer", sem esquecer cabo anselmo, aquele que ajudou o brasil a se livrar de comunistas, como futuro ministro da justiça ou da degesa. Cabe lembrar também gilmar mendes! Acho que o PMDB esquece, pelo menos o gaúcho que é eivado de éticos, que é base do Lula e que está surfando nas boas ondas que estão sendo produzidas! Cuidado Lula, lembra do escorpião nas costas do sapo barbudo?

Anônimo disse...

Leram a super coluna do Cel. Mendes na ZH Opinião de hoje?
De fato, não foi ele que escreveu, visto suas participações em programas de rádio ou tv, ele não tem a mínima chance de ter escrito aquilo tamanha tosquice do seu vocabulário.
Mas o final, ah o final do texto!
Imperdível.

Bob's

Carlos Eduardo da Maia disse...

O candidato do PMDB para 2010 vai ser Aécio Neves. A eleição será decidida entre Aécio, Serra e Dilma. E no segundo turno vai dar Serra e Dilma ou Serra e Aécio. O Nostradamus me disse.

el barto disse...

bah, se botarem a véia destrambelhada de presidente, o poodlezinho nazista psicopata fanfarrão e boçal vai ser o ministro da defesa... te cuida, chavez!!!

Anônimo disse...

Pode até ser, Maia (em princípio, tudo pode ser), mas até lá já estarás assinando aqui com outro nome (se tiveres coragem, claro). Em breve, o nome do "Maia", e onde retira o "contracheque"

Ary da Silva Martini disse...

Ulisses Guimarães (sr. Diretas, sr. Constituinte), sentado na Constituição Federal fez 4% dos votos. Precisa dizer mais?

Carlos Eduardo da Maia disse...

Pois é, Ary, e o Brizola fez menos voto do que o fascista do Enéas, cujo partido faz parte da base aliada do PT do Lula.

el barto disse...

esse amontoado e o ptb são os partidos mais nauseabundos do patropi. dos tucanalhas e demos se conhece bem o perfil. mas pmdb e ptb são como merda, vão cfe. a corrente...

Luís disse...

Eu o Simon, paladino da moralidade política pequeno-burguesa gaúcha...?! Com um título destes, só daria ele... Hehehe...

Ary da Silva Martini disse...

Maia, em face de teu comentário (15:43), não me resta outra alternativa senão lhe propor a seguinte charada: "na sua casa tem dez laranjas, você compra cinco bergamotas, ganha nove abacates, doa seis laranjas e compra três melancias. Pergunta: tirando você, quantos abacaxis tem em sua casa?

Guillermo disse...

Boa Ary, muito boa...

Feil, deixa os "emedebistas" se enganarem. Só o Maia deve acreditar no potencial do poeta.

DÁ-LHE GRÊMIO!!!

Bakunin disse...

Tô lançando o Simão para presidente de Necropólis. Lá ele vai encontrar tudo pacificado.

Ary da Silva Martini disse...

Por falar em Fogaça, ele é o novo garanhão da RBS. Na Rede, ele concedeu um plus pós-eleitoral: colocou o sexo em dia do povo de lá. São orgasmos múltiplos (nem sabia que existia!) aqueles alcançados pelos jornalistas, colunistas, apresentadores e direção. Em 2010, "Fogaça para marido"! Queres gozar? Vote no Fogaça!

Anônimo disse...

O que a maioria não quer admitir, nem eu mesmo, é que o grande vitorioso das eleições municipais deste ano é o Governo Lula e suas políticas compensatórias, ditas "políticas sociais".
Já está estatisticamente comprovada a mínima melhoria na distribuição de renda (bolsa-família, salário mínimo acima da inflação, etc, etc) e o avanço importante que isto representou para as classes menos favorecidas em termos de consumo e qualidade de vida (alimentação, habitação).
Entendo que ocorreu mais uma comprovação, tal como nas eleições presidenciais de 2006, que a maioria vota pelo interesse imediato e não por comprometimento político ou ideológico. Se a (minha) economia vai bem, eu não "mudo o time". Reforça este ponto que grande parte das intervenções federais (programas habitacionais da Caixa, saneamento, bolsa-família) atendem questões vistas como locais ou são mesmo gerenciadas pelas prefeituras.
Isto explica o índice de reeleição ou eleição do candidato da situação nestas eleições municipais. A população economicamente satisfeita votu pelo time que aí está, sem diferenciar em seu conjunto, o responsável individual pela obra ou fazer uma identificação partidária ou ideológica, nem descortinar possibilides futuras; lamentavelmente.
Ou alguém acredita que estamos diante de uma leva de "bons administradores municipais" que permitiram os resultados abaixo? (newsletter do Polibio Praga de 28/10)
1) os eleitores foram bastante conservadores neste pleito municipal, reelegendo a maior parte dos atuais prefeitos que se candidataram (90%) ou elegendo os candidatos por eles indicados.
2) nas 20 capitais onde prefeitos se candidataram, nem um só deles perdeu. Os eleitores resolveram premiar o bom desempenho dos seus prefeitos e esperam mais de cada um deles.
Nenhuma novidade: "é a economia!" ... e a despolitização; nem marketing, nem projetos; nem pró nem anti-petismo, nem ao menos lulismo; somente o mundo real.
Feil: ao menos tua visão critica torna suportável o debate do atual modo (des)político nacional
Abraço
Joni

André Egg disse...

Se o PMDB conseguisse se juntar em torno de alguma coisa nacional, acho que daria pra dizer que o grande nome do partido após estas eleições é o de Sérgio Cabral.

Mas o PMDB em 2010 vai estar um terço com Serra, outro terço com quem Lula mandar e outro terço não vai a lugar nenhum.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo