Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

domingo, 4 de maio de 2008


O destino de um jornal

Um homem toma um ônibus depois de comprar um jornal e colocá-lo debaixo do braço. Meia hora mais tarde desce com o mesmo jornal debaixo do braço... Mas já não é o mesmo jornal, agora é um monte de folhas impressas que o homem abandona num banco da praça. Só de ficar no banco, o monte de folhas impressas se transforma outra vez em jornal, até que um menino enxerga-o, lê-o, e o deixa novamente transformado num monte de folhas impressas. Só de ficar no banco, o monte de folhas impressas se transforma outra vez em jornal, até que uma velhinha o encontra, lê-o, e o deixa transformado num monte de folhas impressas. Mais tarde o leva para casa e no caminho o usa para a serventia dos jornais depois destas excitantes metamorfoses.

Julio Cortázar


Um comentário:

Mainieri@dmae.prefpoa.com.br disse...

Cortázar o grande contista e romancista, dono de uma sutileza peculiar.
Autor de grandes obras como Bestiário, O Jogo da Amarelinha, Histórias de Cronópios e Famas, Final de Jogo e tantas preciosidades do realismo fantástico latino-americano.
Sempre é bom relê-lo.

Abraço.

Ricardo Mainieri

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo