Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Lula: "A direita tenta dar golpe a cada 24 horas"


Presidente prestigiou candidata Dilma em comício de Porto Alegre

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva Lula e sua candidata à sucessão presidencial, Dilma Rousseff (PT), subiram o tom no ataque aos adversários e acusaram a oposição de ter uma vocação golpista e apresentar-se aos eleitores com "duas caras".

Lula e Dilma foram as principais atrações do comício que reuniu cerca de 10 mil pessoas, na noite de quinta-feira (29), em Porto Alegre.

Para Lula, seus oito anos de mandato foram marcados por "provocações, ataques e infâmias" promovidos por uma "elite que faz política de forma sórdida".

"No governo, aprendemos que a esquerda faz oposição, enquanto a direita tenta dar um golpe a cada 24 horas para não permitir que as forças que governam o país de forma democrática possam continuar", disse Lula.

O presidente já acusara setores da oposição de tentarem derrubá-lo do governo em comício em Garanhuns (PE), na semana passada.

Para Lula, o seu governo não deveria ser medido pelas obras feitas, mas pelo seu principal "legado" que seria ter estabelecido um "paradigma da governabilidade".

"A elite capitalista brasileira que dirigia este país não sabia o que era capitalismo. Precisou entrar na Presidência um metalúrgico socialista para ensinar a eles como se faz capitalismo neste país", disse Lula.

Ele ressaltou a importância das alianças políticas, mas abriu o voto para Tarso Genro, candidato do PT ao governo estadual. O ex-ministro lidera as pesquisas de intenção de voto no Estado e seu principal adversário é José Fogaça (PMDB) que apesar do alinhamento nacional PT-PMDB, pretende manter uma posição de "neutralidade" em relação à disputa presidencial.

A crítica ideológica também foi a tônica do discurso da candidata à sucessão, Dilma Rousseff. Referindo-se aos adversários como "eles", a ex-ministra elencou uma série de situações em que oposição teria agido de forma contrária ao que defende em palanques eleitorais.

"Eles têm duas caras: uma nas eleições, outra na hora de governar", disse Dilma, citando, por exemplo a posição contrária à criação do ProUni e as críticas ao Bolsa Família.

Em um discurso de cerca de 20 minutos, a ex-ministra tentou estabelecer um diálogo direto com os eleitores e prometeu "honrar o mandato". Para Dilma, a maior herança do governo Lula seria ter conseguido "governar para os 190 milhões" de brasileiros, enquanto os antecessores teriam se preocupado em atender os interesses de apenas um terço da população.

"Vocês podem contar comigo porque conto com vocês para não deixar que o país volte para a desesperança", disse Dilma aos militantes.

Antes do comício, o presidente Lula cumpriu uma longa agenda de compromissos oficiais que inclui assinatura de convênios para financiamentos de moradias populares em áreas rurais, autorizações para duplicação de estradas e o início simbólico da reforma do estádio Beira-Rio que será palco de alguns jogos da Copa 2014.

Lula desembarcou no Estado acompanhado por seis ministros. Dilma Rousseff passou a quinta-feira em Brasília, e chegou em Porto Alegre apenas para o comício. A informação é da agência inglesa Reuters.

Clique nas imagens para ampliá-las.

Fotos: Fabiano do Amaral/Correio do Povo

8 comentários:

Stringhini disse...

Feil, estou certo ou me engano, Lula está adotando o discurso dos blogs?
Que sempre apontaram o golpismo semanal da direita durante seu governo.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Como se existisse no Brasil de hoje um movimento organizado de direita. Isso é paranóia pura. Aliás, não existe no mundo de hoje nenhuma ditadura de direita. As ditaduras que existem ou são de esquerda (Cuba e Coréia do Norte) ou do radicalismo religioso (Irã). O Lula adora ter várias caras, bajula o empresariado ao meio dia e de noite vem cantar as músicas arcaicas de que existe golpismo no Brasil. O PT é um partido que na oposição sempre foi truculento. Na época de FHC era contra porque era contra a reforma da previdência, gritou aos quatro cantos que FHC considerava aposentado como vagabundo e depois, quando chegou a cadeira do poder, o que fez? Uma reforma previdenciária muito mais rígida e danosa aos aposentados do que o projeto de FHC. O PT tem de aprender a conviver em democracia, aceitar as críticas que são necessárias em um mundo socialmente democrático. E o mercado de mídia -- que é sempre oligárquico - tem todo o direito do mundo de tecer críticas ao governo de plantão, até mesmo porque o PT não é senhor da razão nem dono da boa moral, como bem se sabe.

jose ernesto grisa disse...

Pelas fotos, podemos observar que o comício dos cabos eleitorais e CC pagos, não foi muito prestigiado pelos bolsas famílias. O Lullismo e o Serrismo disputam na mesma faixa dos recursos do mercado eleitoral, ao povo impõem uma disputa midiática financeira, entre conservadores e reacionários. O capitalismo agradece, é sinal que envelheceremos mais 4 anos no mesmo rítmo.
grisa

heinz disse...

olha só a desfaçatez do teu sub título: lula PRESTIGIA?!
AHHAHAHA

Anônimo disse...

Que golpe? Onde? Como? Golpistas forma os. aloprados gauchos que ficavam uivando FORA YEDA

Ataliba disse...

Coitada da Yedinha um anjo mau ?? A mulher vassoura das sombras do DIABO ??

Tzara Bathana disse...

Maia, tu é burro ou mal caráter, te dou o direito de escolha. Porque só no Irã há radicalismo religioso? E a Arábia Saudita, parceira dos Estados Unidos? E os Emirados Árabes? Ambos, inclusive, mantendo rígida censura sobre a Internet. E governo do Uribe, o narco-presidente da Colômbia, com seus grupos paramilitares de extrema-direita? Democracia é que aquilo não é.

Anônimo disse...

O tal PIG que se prepare, é bem possível que venha ser amansado a pauladas tal qual ocorre na Venezuela.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo