Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

sábado, 10 de julho de 2010

Apagão informativo na Itália contra lei do bufão Berlusconi

Os trabalhadores de jornais digitais, agências de notícias, rádios, televisões e portais web italianos fazem uma paralisação em repúdio à aplicação do projeto do governo Silvio Berlusconi que "limita gravemente a liberdade de imprensa e prevê duras punições contra os editores e jornalistas que relatarem os feitos da crônica judicial e de investigações criminais", protestou o sindicato que reúne o setor na Península. Os editores e os redatores de meios gráficos impressos suspenderam suas atividades ontem pelo mesmo motivo. Os únicos espaços que mantém funcionamento normal são os de propriedade do primeiro-ministro. A informação é do diário argentino Página 12, de hoje.

.....................................

Berlusconi faz da Itália uma versão de sociedade autoritária

Normalmente, associamos o autoritarismo a um regime fechado, "lei e ordem", em que impera a censura estrita, o olho vigilante do Estado e o culto à uniformidade.

Nesse sentido, parece impossível que sociedades democráticas liberais possam, paulatinamente, se transformar em versões de sociedades autoritárias. No entanto, é bem possível que a Itália de Silvio Berlusconi nos obrigue a rever tal certeza.

Primeiro-ministro por três vezes (1994-1995, 2001-2006 e 2008 em diante), Berlusconi é mundialmente conhecido pela impressionante lista de processos envolvendo os mais variados crimes.

No governo, fez de tudo para bloquear o poder de investigação do Judiciário, mobilizando a opinião pública contra a "república dos juízes", que estaria impedindo cidadãos comuns de viver e progredir. O que não foi difícil para alguém que detém o maior império midiático da Itália (TVs, jornais, editoras).

Após ganhar eleições através de uma política do medo que criou um "inimigo interno" ao transformar a imigração em problema político e securitário central, ele agora se volta contra o que resta da imprensa fora de seu poder.

Mas o premiê italiano não quer simplesmente censurar e silenciar. Ele quer criar uma geografia da comunicação onde as opiniões divergentes possam aparecer, mas sempre em espaços de baixa visibilidade.

Como dono da Editora Mondadori, ele gostava de dizer que publicava os autores que mais o criticavam. O detalhe é que poucos leem livros, mas muitos veem o jornal televisivo noturno. Por outro lado, ele não quer impor um regime "lei e ordem", mas criar um poder que desmobiliza toda oposição por parecer, a todo momento, rir de si mesmo, não se levar a sério.

O sorriso maroto de Berlusconi e suas constantes gafes de bufão de Província funcionam como essas piscadelas de olhos que dirigimos a alguém quando procuramos alertá-lo para não crer no que estamos dizendo.

Sua figura pública é a nova imagem de um poder autoritário para o qual a lei é feita para ser ironizada e aplicada apenas quando eu achar conveniente.

Talvez por isso, Saint-Just costumava dizer: "Quem brinca quando ocupa o cerne do poder, tende à tirania".

Artigo do professor Vladimir Safatle, do departamento de filosofia da USP. Publicado hoje na Folha.

................................

E as tevês e rádios brasileiras, sempre tão vigilantes quando se trata de "graves atentados contra a liberdade de imprensa", onde estão que não protestam contra o palhaço autoritário chamado Silvio Berlusconi?

Charge: Daniel Paz & Rudy

2 comentários:

Antonio Carlos de Holanda Cavalcanti disse...

O DG criticando isso na Itália, mas se cala vergonhosamente em relação à mesma atitude em Cuba. Aliás, os cubanos sequer sabem o que significa liberdade de imprensa.

Anônimo disse...

Holanda, tu perdeu!
Ca-la-da!

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo