Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

domingo, 26 de agosto de 2007

Um teólogo na morte

Os anjos me disseram que, quando Melanchton morreu, lhe foi oferecida no outro mundo uma casa ilusoriamente igual àquela que possuíra na Terra. (A quase todos os recém-chegados à eternidade acontece o mesmo e por isso acreditam que não morreram). Os objetos domésticos eram iguais: a mesa, a escrivaninha com suas gavetas, a biblioteca. Quando Melanchton despertou nessa casa, reatou suas tarefas literárias como se não fosse um morto e escreveu durante alguns dias sobre a salvação pela fé. Como era seu hábito, não disse uma palavra sobre a caridade. Os anjos notaram essa omissão e mandaram pessoas a interrogá-lo. Melanchton lhes falou: "Demonstrei de maneira irrefutável que a alma pode dispensar a caridade e que para entrar no céu basta a fé". Dizia isso com soberba e não sabia que já estava morto e que seu lugar não era o céu. Quando os anjos ouviram essa afirmativa o abandonaram.

Em poucas semanas, os móveis começaram a se encantar até se tornarem invisíveis, com exceção da poltrona, da mesa, das folhas de papel e do tinteiro. Além disso, as paredes do aposento se mancharam de cal e o assoalho de um verniz amarelo. Sua própria roupa já estava muito mais ordinária. Continuava, entretanto, escrevendo, mas como persistia na negação da caridade, foi transferido para uma sala subterrânea, onde estavam outros teólogos como ele. Ali ficou preso alguns dias e começou a duvidar de sua tese e lhe deram permissão de voltar. A roupa que vestia era de couro cru, mas procurou imaginar que a que tivera antes fora uma simples alucinação e continuou elevando a fé e denegrindo a caridade. Uma tarde, sentiu frio. Então percorreu a casa e comprovou que as demais peças já não correspondiam às de sua casa na Terra. Uma delas estava cheia de instrumentos desconhecidos; outra estava tão reduzida que era impossível entrar nela; outra não tinha sofrido modificação, mas suas janelas e portas davam para grandes dunas. A do fundo estava cheia de pessoas que o adoravam e lhe repetiam que nenhum teólogo era tão sábio quanto ele. Essa adoração agradou-o, mas como uma das pessoas não tinha rosto e outras pareciam mortas, acabou se aborrecendo e desconfiando delas. Determinou-se então a escrever um elogio da caridade, mas as páginas que escrevia hoje apareciam apagadas amanhã. Isso aconteceu porque eram feitas sem convicção.

Recebia muitas visitas de gente morta recentemente, mas sentia vergonha de mostrar-se num lugar tão sórdido. Para fazer-lhes crer que estava no céu, entrou em acordo com um feiticeiro dos que estavam na peça dos fundos, e este os enganava com simulacros de esplendor e serenidade. Era só as visitas se retirarem, reapareciam a pobreza e a cal; às vezes isso acontecia um pouco antes.

As últimas notícias de Melanchton dizem que o mágico e um dos homens sem rosto o levaram até as dunas e que agora ele é como que um criado dos demônios.

Jorge Luis Borges

Foto: Borges e Maria Kodama em Paris, 1983.

9 comentários:

Jean Scharlau disse...

Estupendo!

Lívia disse...

Lindo texto. E achei ótima a descrição do teu blog. ;-)

Carlos Eduardo da Maia disse...

Borges é a demonstração cabal de que o bom pensamento, a boa crítica, a boa literatura não é -- e não é mesmoooo -- monopólio da esquerda. Viva os labirintos de Borges.

Anônimo disse...

Pessoalmente um imbecil. Boa literatura pode existir em qulquer canto, mesmo entre pseudo-fascistas com Borges e LLosa.
Sinceramente Maia gostaria de saber quem disse q boa literatura é monopólio de alguma visão de mundo? Não sei pq esta ansia de afirmar posições mesmo qdo ninguém diz o contrário...

Joca disse...

pô o Maia não relaxa nunca! é luta e luta 24 horas por dia, sete dias por semana, é o reloginho suíço da direita.

sueli halfen ( POA) disse...

Detesto que me façam caridade!
Quero o meu pelo que pago prá fazerem,ou me devolvam que eu faço...isso é religiosidade judaico-cristã , a base da nossa direita e esquerda tb.
Lindo conto dentro dessa óptica. Lindo mesmo.

abraço sueli

Anônimo disse...

Eu, já acho que o Maia gosta de freqüentar outras tribos, no caso a dos "esquerdistas".

armando disse...

Pois é. A base fundamental do cristianismo a partir de Paulo, ou Saulo, é a fé. Basta a fé. Inácio de Loyola reforçou essa certeza. Interessante o escrito do Borges demonizando o teólogo que "esquecia" da caridade.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Armando, o problema da religião com deus ou sem deus é o mesmo idealismo. E o primeiro a dar essa grande sacada foi o perigoso Nietzche. Não importa o razoável, o sensível, o possível, o que importa é o fim, mesmo que ele seja inalcançável.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo