Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

FMI é questionado sobre apoio ao golpe anti-Chávez em 2002 na Venezuela

Cinco deputados democratas norte-americanos enviaram uma carta na semana passada ao diretor do Fundo, Rodrigo de Rato, na qual fazem questionamentos sobre as declarações feitas por Thomas Dawson, o então diretor de relações externas do FMI, logo após o golpe anti-Chávez na Venezuela, em abril de 2002. A informação é da BBC Brasil.

Na carta, eles alegam que os comentários de Dawson de que o Fundo estava "pronto a ajudar a nova administração da maneira que for julgada apropriada" foram feitos horas após o golpe contra Hugo Chávez e questionam se o Fundo tinha conhecimento prévio da tentativa de derrubá-lo.

O FMI se defendeu das acusações dizendo que, na ocasião, o diretor de relações externas do Fundo expressou preocupações com o que se passaria com a população do país.

O Fundo acrescentou ainda que não tinha qualquer conhecimento prévio de nenhum tipo de tentativa de golpe na Venezuela.

Na entrevista, Dawson afirma que a instituição estava preocupada "que houvesse o risco de perdas de vidas" na Venezuela.

A carta foi enviada por cinco deputados da esquerda democrata: Dennis Kucinich - um dos presidenciáveis do partido -, Raul Grijalva, Jose Serrano, Barbara Lee e Tammy Baldwin

No documento divulgado pelos democratas, os deputados classificam os comentários como "altamente incomuns", visto que "o FMI é normalmente cauteloso sobre os governos que auxilia ou que considera parceiros apropriados para acordos, empréstimos ou outras formas de assistência por parte do FMI".

A carta vai além, ao dizer que as declarações de Dawson são "ainda mais incomuns", visto que na ocasião em que foi feita, na manhã do dia 12 de abril de 2002, "o governo comandado por Pedro Carmona na Venezuela tinha apenas algumas horas de idade e não contava com as marcas de um governo democrático".

Além de questionarem se os os membros do FMI tinham conhecimento prévio do então recém-ocorrido golpe, os deputados perguntam como e por quem a decisão de apoiar Pedro Carmona foi informada a Thomas Dawson.

O último questionamento da carta é se o FMI alguma vez ofereceu um apoio tão rápido a um governo que tomou o poder através de um golpe militar.

5 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Esse foi um dos golpes mais imbecis da história moderna. E Chávez teve a sorte de ser a vítima desse imbecil golpe que o fortaleceu e abriu caminho para instaurar na Venezuela seu absoluto poder.

Gustavo Guglielmi disse...

Maia classifica os golpes como imbecis e não imbecis. Lógica interessante. 1964 foi imbecil ou não...

Carlos Eduardo da Maia disse...

O golpe de 1964 teve a participação de parte da classe média que apoiou, de parte do empresariado, dos militares, da mídia etc. O golpe midiático foi uma invenção da mídia. Foi um acontecimento pitoresco.

armando disse...

Chamar de pitoresco um evento que levou a morte, a agonia e o desespero a milhares de seres humanos, representa a insensibilidade e o fundamentalismo tão cultuado pelos neoliberais e bushistas de hoje.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Não inventa moda, Armando. Pitoresco no sentido de inusitado. Chamei de pitoresco o golpe da Venezuela e não o do Brasil.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo