Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Jornal diz que Lula pode "surpreender o Banco Central"


Segue queda-de-braço entre o presidente Lula e o presidente Meirelles

Deu na Folha de hoje, em matéria assinada pelo jornalista Kennedy Alencar:

[...] Toda vez em que são noticiadas as pressões de Lula sobre o Banco Central, a instituição reage endurecendo a política monetária. E o presidente acaba aceitando isso. Agora, auxiliares de Lula dizem que o presidente poderia fazer uma cobrança mais incisiva nos bastidores. Há uma crise capaz de estragar o final de mandato do petista, o que poderia levar Lula a surpreender o BC caso o banco opte por manter uma política monetária rígida. Ou seja, opte por não reduzir os juros.

...........

Nada que este blog DG já não tivesse tratado aqui, semana passada e em post anteriores. Resta saber, o que se entende mesmo por “surpreender o BC”?

10 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

A taxa Selic, que está a 13% ao ano, é uma taxa de captação do dinheiro bancário; ou seja para o banco financiar ele tem que captar no mercado financeiro pela taxa Selic. A rigor, seguindo a boa técnica bancária, a instituição financeira não poderia emprestar a menos de 13% se ele capta a 13%. Mas as verdades financeiras são diferentes das verdades verdadeiras. O mercado e suas vicissitudes não tem lá seus compromissos com lógica média. Não é preciso ter uma tv digital com tecnologia HD para se verificar, com razoável nitidez, que no mercado de crédito existem financiamentos com todos os tipos de taxas, muitas delas menores que a Selic. Quem quiser comprar um carro agora vai verificar diversas ofertas a juro 0%. Você dá o seu usado e paga em 24 ou 36 parcelas fixas e iguais a juro 0. As Casas Bahia está fazendo um super hiper feirão no Ibirapuera em Sampa para pagamento em 5 vezes sem juros. Ora, ora, se a taxa Selic baixar -- e essa redução deve ser sempre gradual -- o brasileiro não sentirá grandes efeitos no varejo. Talvez no atacado, sim senhor, mas no varejo a crise e as marolas ainda não chegaram. Mas tem gente que colocou na cabeça que esse tipo de discussão se incorpora à religião da luta de classes, como se o malvado do banqueiro não quisesse que o povo consuma.

Anônimo disse...

Muito esclarecedora a intervenção do Mala só que não entendi nada.

MASQUINO disse...

Lá vem o Da Maia com os sofismas para enganar trouxas.Com um pouquinho de matemática financeira,por meio dos juros compostos,se vê que os juros estão embutidos Da Maia!!Ninguém mais vive de vender mercadorias.Essas empresas vivem de juros sobre as mercadorias vendidas a crédito.Da mesma forma,por meio das reservas fracionárias,os bancos comerciais vivem dos juros sobre os empréstimos que praticam ao alavancar em 10 vezes o capital que possuem.Ou seja:emprestam o dinheiro que não têm.Acorda,seu cabra!Aqui não tem trouxa.Larga essa religião dos "mercados livres" pois nem o Instituto Von Mises aceita o monopólio da moeda estadunidense praticado pelo FED.Só nos resta a pergunta:Você vive de juros?Tem uma financeira?Defender o interesse próprio é justo.O que não é justo é vir com essa "imparcialidade" técnica que só engana as antas da Veja.

Anônimo disse...

Cristóvão, por acaso é o Picasso que está ai a nos comtemplar?
Hannah

Lulista de Resultados disse...

Me espanta mesmo é ver o títular do blog, lustroso acadêmico, comendo pela mão do sabujinho da Folha. Ah, claro! Interessa à sua tese do "lulismo de resultados" ...

edu disse...

Tentando acrescentar algo à brilhante intervençao do Masquino:

com uma retraçao de moeda corrente (debito e cartacea) certamente os juros devem cair 50% minimo.

nao é a inflaçao que os mantem altos, sao os carrapatos, sao os vampiros que ameaçam retirar de uma X sò todos os recursos aplicados em titulos publicos.

lulinha é refem dos parasitas que alimentou todos esses anos (herdados).

Anônimo disse...

Ô Masquinos,

O Maia não opera com sofismas, são as mais deslavadas mentiras, sempre.

Claudio Dode

miguel grazziotin disse...

Este Maia com sua "curtura" de veja e similares.
Só para citar a imprensa burguesa, o Jornal Valor Economico estampou em sua ultima ediçao de sabado uma materia mostrando como é falsa a "oferta" dejuro zero nos financiametos do s carros e, matematicamente demonstrou....
Esta idiotice de achar que o mercado se auto regula deu no que deu, a quebradeira na Europe o o buraco negro Americano..e nem asim, energúmenos como o facista do Maia consegue enxergar..alias, como ele mesmo diz, é uma pesoa de esquerda..UAUAUAUAUAUUAU!!!!

Carlos Eduardo da Maia disse...

Miguel, nunca defendi a estapafúrdia idéia de que o mercado deve correr livre, leve e solto. Mas ele também não pode ser atrelado inteiramente ao Estado. Deve haver sempre um meio termo, o que não aconteceu no controle do governo Bush sobre os fundos americanos. Houve ali total desregulamentação e fiscalização do Estado que se viu, depois, obrigado a injetar bilhões de dólares na economia. Li artigos dizendo sobre as falácias dos juros zero, mas uma coisa é certa, o consumidor quando vai a uma loja de automóveis verifica o preço da parcela mensal que é fixa. É este valor que interessa a quem compra.

Anônimo disse...

Miguel:

O que interessa ao consumidor é o valor da parcela mensal. Para quem defende a idéia de que o juro é "0" é a enganação.

E o Masquino tem razão plena e absoluta, casas Bahia vendem é os juros. Nem interessa a eles vender a vista.

E a desregulamentação é a "redea solta" implementada e defendida pelo FHC, O Britto e caterva.

Claudio Dode

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo