Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

terça-feira, 10 de junho de 2008


Yeda diz que “se fosse homem, daria um soco na cara”

Durante a entrevista concedida ontem ao jornal Correio do Povo/Rede Record, a governadora Yeda Crusius (PSDB) disse que, se fosse homem, responderia com “um soco na cara” às afirmações e insinuações feitas por alguns deputados a respeito da sua nova casa, comprada entre a eleição e a posse, em condições que ela se recusa a explicar em detalhes.

“Mas eu faço diferente, eles sabem”, revelou a governadora, para alívio dos jornalistas homens que a entrevistavam no momento.

Ela disse que não se vê vítima de preconceito, “mas sim de conceito”.

“Não posso mudar o fato de ser mulher. Mulher na política é uma coisa complicada. Eles falam com voz grossa e, quando a gente fala, parece conselho de mãe. Hum, hum, o governo não tem mamãe, não”, completou a governadora Yeda, que há dois dias disse – sem que muitos entendessem o real significado – que havia nascido mulher e fora “criada como mulher”.

Mais adiante, ainda na mesma entrevista, a governadora proferiu o seguinte enigma:

“Eles falam grosso, é o jeito deles. E no mundo dos homens fazem [sic] reuniões em hotéis. Eu não posso ir a hotéis.”

Ninguém entendeu patavina.

Foto: Luís Gonçalves/Correio do Povo

22 comentários:

Anônimo disse...

O Blogueiro deveria chamar o Gianotti para desconstruir essas frases.

Valéria Camargo Veras disse...

I-na-cre-di-tá-vel!!!!!!!!!!!!!!!!!

Estou pasmo!

Valéria Camargo Veras disse...

...Pasma!

Desculpa.

panoramix disse...

O que?

el barto disse...

muito barbitúrico...

Anônimo disse...

Eu estava ouvindo o programa do Lauro Quadros, onde está o Raul Pont e a Zila (PSDB). Acho muito estranho porque independente de quem fala neste Estado, ela ou o Busatto, eles só se referem a dois governos aqui, todas as comparações é com o governo Olívio, e o da época. Quando foi no governo do Rigoto, também as comparações eram só com o governo do Olívio.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Tira os salto alto, Dona Yedinha. Tira o salto alto!!!!

Anônimo disse...

E aí, maia? Perdeu o CC?

sil

Fabrício disse...

Ela não pode ir a hotéis...?
Hehehehe... mas "Flats", certamente, ela frequenta!

Anônimo disse...

Mulher só vai a Motel!!!

Paulo Roberto disse...

- NUMA SOCIEDADE MACHISTA, QUANDO A MULHER ASSUME O PODER, AGE IGUAL AO PIOR QUE O HOMEM. A GOVERNADORA MARIA ANTONIETA COMPROVA ISSO.

Anônimo disse...

Não há diferença alguma na forma feminina ou masculina de governar, isto já se sabe há anos. A história mostra isto, podem ser carrascas, podem ser meigas, com bom ou mal caráter. Isto de gênero trazer qualificação ética não existe, é balela.

Anônimo disse...

Que comentário pertinente, anônimo.
Vamos deixar às claras.
Entenda-se por hotel, casas de tolerância , onde os homens de bem se encontram para fazer reuniões cercados de boas companhias.

E nem toda mulher é frequentadora de motéis, não entendí o comentário.

PS: nada contra motéis...mas o comentário foi em tom pejorativo, pelo que entendí.

sil

panoramix disse...

Não é balela não, minha mulher é um exemplo vivo...! Aí...bem....!

Anônimo disse...

Tadinha, não pode agredir fisicamente, fica feio né? É por isto que a estão atacando, é menininha, meiguinha, é nininha, pequititinha! Que amor! Esquece, dona Yeda, que uma tal de Catarina (preciso dizer que é de Medici?) ordenou um dos maiores massacres da história? Ora, senhora mulher, você também é agressiva quando necessário, então não use o subterfúgio (também usado pelo seu Busatto em depoimento ontem) de coitadinha, de vítima, pega mal para as mulheres (como os homens, contêm as mesmas virtudes para a bondade ou maldade, para o bem e para a agressão).

joca britto disse...

Mais um grande bordão:

Hum, hum, o governo não tem mamãe!

Hum, hum, o governo não tem mamãe!

Hum, hum, o governo não tem mamãe!

Anônimo disse...

Estou ca a pensar com meus botoes...(desconfiado de uma embalagem de kinder ovo ameaçadora que teima a aparecer nas maos de yeda), se ela sentiu necessidade de usar os punhos, é pq com idéias nao consegue se comunicar e convencer. Dito isso concluo e sentencio: yeda conseguiu colocar seu cerebro dentro de um kinder ovo...

Anônimo disse...

Grande esta aí do Kinder!

Baiacurs disse...

Porquê ela não pode ira hotéis (ou motéis ou casas de tolerância, ou sauna gay, ou seja o que for)?
Cada um usa a "ferramenta" que tem, tia.

joice disse...

Hmmm aquele zoião e esse monte de abobrinha. yeda parece estar exagerando um pouco no prozac. ou vai ver tá testando alguma droga nova.. ou vai ver é "o alemão" que tá pegando.

Verinha disse...

Também, quem mandou escolher putanheiros como colaboradores??? Depois fica aí nesse chororó que não pode ir a hotel...

PS: O 'anônimo' lá de cima, certamente tá acostumado com um tipo de mulher.
E a mãe dele, será que vai bem?

Anônimo disse...

Perdão gente mas a Yeda tem um pouco de razão, a culpa é da Puta que a pariu.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo