Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 31 de outubro de 2007


Annoni: a festa de uma reforma agrária de sucesso


Teatros, shows e um ato público marcam, neste final de semana, as comemorações dos 22 anos da ocupação que deu origem aos assentamentos na Fazenda Annoni, nos municípios de Pontão e Sarandi, no Norte do Rio Grande do Sul. As atividades festivas acontecem no sábado (03/11), no Camping Zambiasi, no Assentamento 16 de Março, em Pontão. São organizadas pelas famílias assentadas no velho latifúndio Annoni e pelos 1.700 integrantes que realizam a marcha do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), no Estado.

A Fazenda Annoni e a Fazenda Coqueiros, no município vizinho de Coqueiros do Sul, possuem a mesma área e o sucesso dos assentamentos realizados na década de 80 comprova o potencial social e econômico da reforma agrária. Antes de ser desapropriada, a Fazenda Anoni era improdutiva e foi onde se desenvolveu o capim-annoni, considerado uma praga nos campos de pastoreio do Sul. Atualmente, os assentamentos na área produzem por ano cerca de 20 mil sacas de trigo, 6 milhões de litros de leite, 150.000 sacas de soja, 35.000 sacas de milho, 45 toneladas de frutas, 800 cabeças de gado, 5.000 cabeças de suínos e 10.000 quilos de hortaliças.

As lutas pela desapropriação da Fazenda Annoni e a criação dos cinco assentamentos, em que vivem atualmente 420 famílias, é considerado o marco da atuação do MST no Estado e, mais tarde, em todo o Brasil.

Ilustração: o filme "O Sonho de Rose" foi realizado no ano 2000 e retrata, entre ficção e realidade, a vida dos assentados na Annoni, dez anos depois da conquista da terra.


Um comentário:

Claudio Omar Dode disse...

Pois é: no lugar de um latifundiário que exploraria meia duzia de peões, temos mais duas mil pessoas vivendo e produzindo pacificamente.
Isto é desenvolvimento! O resto é empulhação para defender o patrimonialismo latifundiário.
Para latifundiário a terra só tem valor como garantia de financiamentos que nunca pagam.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo