Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007


Editorial de botequim


Tomando como gancho a autocrítica do presidente de que de fato admitia ser uma "metamorfose ambulante", o jornal do grupo RBS, José Agá, resolveu fazer a psicanálise de Lula. Uma coisa risível. A mais pura e genuína psicanálise de botequim copo-sujo, com direito aos chavões mais lugares-comuns, mais clichezados, mais batidos, mais "a nível de", mais "com certeza", mais "tipo assim", mais "por conta de", de todo o bairro Azenha e alhures.

Se vocês ainda tem estômago vão lá e confiram. O editorial de José Agá é intitulado "Metamorfose pela CPMF".

Não posso admitir que esse editorial tenha sido escrito por um jornalista ilustrado. O editorialista deve ter cabulado o trabalho e eles resolveram chamar o magrão que vende algodão doce ali da calçada. Isso, o editorial de José Agá foi redigido pelo cara do algodão doce, só pode. Seja quem fôr, a coisa foi escrita com o dedão do pé.

Lá pelas tantas o magro do algodão fala em "questão de honestidade intelectual", e outro trecho cândido, fala em "coerência dos políticos". Ali adiante, sapeca uma pitada de moral (que o leitor de classe média adora), assim: "O descabido é o comportamento dos que mudam apenas por conveniências pessoais ou políticas". Sempre se referindo ao presidente José Inácio Lula da Silva e ao Brasil.

Mas, e a governadora Yedinha Crusius (cada vez mais lilliputiana!) é o quê senão uma metamorfose? Uma metamorfose paralisante. Qual o balanço dos últimos onze meses? Até o palácio Piratini ela rejeitou, sem nenhuma explicação razoável e convincente. Por puro exercício de metamorfose, certamente. E a metamorfose do tarifaço, foi um diletantismo também?

Essa gente não se enxerga, e o cara do algodão doce é autista.

A RBS está fazendo o seguinte: num exercício imperioso e urgente de abstração forçada, separou o Rio Grande do Brasil. O Rio Grande só tem virtudes, e os raros vícios são motivados pelo tratamento injusto que o Brasil dispensa à pátria guasca.

Fazer o gênero de vítima é o último refúgio da canalha bombachuda.

9 comentários:

de saco cheio de rbs disse...

vai ver o troço foi escrito por aquela iguana lobotomizada de 100 mil que volta e meia tá aqui enchendo o saco.

Carlos Eduardo da Maia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos Eduardo da Maia disse...

Gostei mesmo é da charge do polêmico Marco Aurélio de hoje na ZH. O pessoal que perdeu a eleição está querendo impor sua derrotada agenda. E depois eles chamam os outros de golpistas.

Anônimo disse...

Excelente, Cristovão.

Anônimo disse...

Me contento com o post, há tempos que não tenho estômago para ler a ZH. Confio na capacidade de julgamento do Cristovão, o que me poupa as retinas e a mantem a minha sanidade.
Parabéns Cristovão, imagino como é dura esta vida de blogueiro, ter de ler estas porcarias e ainda ter condições de escrever sobre elas.
Abraços,
José Luís

Anônimo disse...

Mas, quem compra essa m... de jornal? Aqui em Sampa, Folhão e Estadão estão abrindo o bico...
armando

Nino disse...

Sobre esse último parágrafo, eu como filho de nordestina sempre vi com esses olhos, de que a imprensa de São Paulo pra baixo tenta passar a imagem de que o problema da corrupção ocorre do Rio para cima. É fácil fazer isso por que, querendo ou não, somos um pouquinho, mas bem pouquinho mesmo, mais esclarecidos, de forma que as roubalheiras do Rio para cima são muito mais escancaradas. Então, os ladrões do sul acabam enganando muito melhor. Contudo, essa máscara vem caindo até mesmo pelo tal Grizotti da José Agá, ele tem parte em desmistificar isso, querendo ou não. Há um porém, é claro, que a mídia acaba "esquecendo" das denúncias que faz e que é proíbido falar em corrupção em empresas privadas. A mídia com isso também tenta mostrar um cenário em que a corrupção se dá apenas no meio político,defendendo o interesse de sua classe cujas remessas ilegais de dinheiro ao exterior são muito mais lesivas em termos quantitativos que as propinas, mensalões, etc.

Anônimo disse...

E aqui essa m de zeagá fecha o bico e não conta nada do macalão e da podridão da Assembléia Legislativa do RS.

eduardo stein disse...

Falando em ZÉ AGÁ, surpreendente a charge do IOTTI deste sábado (08/12), focando Yeda, a Breve.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo