Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Yeda Crusius não é mulher


Baú do DG

Pelo andar da carreta o futuro governo tucano no RS ficará entre a comédia e a tragédia. Uma campanha que foi teatro puro, não poderia ficar distante das duas expressões do mais genuíno espetáculo cênico.

O novo jeito de governar está se revelando um amontoado de lugares comuns, trivialidades sub e pré-políticas, arranjo de cupinchas, recompensa por serviços ignorados, retórica da aranha, projetos do baralho e do barão (de Münchausen), e, para arrematar um desavergonhado tarifaço - segundo especula a insuspeita (neste caso) Rosane de Oliveira, hoje em ZH.

Os misóginos de sempre que não fiquem tripudiando sobre as mulheres, genericamente.
Parem lá!

Yeda Crusius é mulher só do ponto de vista morfo-biológico.
Cultural e politicamente pensa com cabeça de homem, branco, semialfabetizado no varejo da subpolítica, formado no balcão encardido do neoliberalismo de ocasião, potente só na retórica que oculta o pensamento antidemocrático e antipopular.

Simone de Beauvoir dizia que as fêmeas humanas não nascem mulher. Mulher, para a autora de "O Segundo Sexo", é uma condição cultural (não somente biológica), sobretudo política, que resulta de muita luta e quebra dos paradigmas machistas e burgueses. Mulher, pois, não nasce mulher, forma-se na práxis de mulher.

Já se vê, então, que Yeda não é mesmo mulher - nem nunca será. Por enquanto, é apenas uma sombra feminina que ameaça a cidadania gaúcha.

Post publicado neste blog DG em 19 de dezembro de 2006, uma terça-feira. A governadora Yeda assumiu o Estado em janeiro de 2007.
Foto: fase agressiva da governadora, mas ela mudou, hoje, interpreta o açucarado papel de vítima, quer ser o cristo-sangrando-na-cruz do Piratini, com a generosa mão da amiga autoajudadeira Lya Luft.

12 comentários:

el barto disse...

depois da carta pro nulidade-mor guasca, acho que é caso de impedimento da trololó por declarada incapacidade mental. tá completamente desconectada do espaço-tempo. é muito compridinho na cabecinha de ervilha.

malacara disse...

Mulher de fases. Ou véia de chiliques e tilts.

marcelo disse...

que acerto! Pelo menos uma coisa ela deu aos gaúchos, humildade. Hoje já nao existe mais a antiga soberba de que o RS é o estado mais politizado do Brasil.

bugeri disse...

a propósito: "retórica da aranha"!! de onde tu tiras essas expressoes??? :)))

jukão disse...

Não conhece a expressão "papo aranha", cara?

Deve ser isso que Feil está falando.

Prieb disse...

Bem feito, quem mandou não estudar. Agora tem que aceitar ajuda de Lya Luft.

Nelson Antônio Fazenda disse...

Meu caro Feil. O post é, de um modo geral, muito bom. Já o parágrafo "Yeda Crusius é mulher só do ponto de vista morfo-biológico. Cultural e politicamente pensa com cabeça de homem, branco, semialfabetizado no varejo da subpolítica, formado no balcão encardido do neoliberalismo de ocasião, potente só na retórica que oculta o pensamento antidemocrático e antipopular."
vai além: é brilhante. Parabéns!

el barto disse...

e a véia tá tão fora da casinha, mas tão fora da casinha, que pensa que o estado agora é hogwarts ("aquele que nao devemos nominar")... bah!!!! impedimento já, por declarada incapacidade mental e descolamento da realidade!!!!
pobre guascalândia.

marcelo disse...

realmente, papo aranha ...:) eu conhecia a manha da aranha...

Clairton disse...

Palavras proféticas!! Mas a união da tucanalha com os demo-pfls mais o "pmdb velho de guerra" do simon, não poderia dar noutra coisa: m.... total.

Carlos disse...

realmente, vocês gaúchos estão é "pebados" com essa doida tucana no governo do estado.

resistam, faz favor, antes que essa doença se alastre.

abçs

heliopaz disse...

Sensacional!!! :D

[]'s,
Hélio

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo