Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Departamento de Estado considera referendo venezuelano democrático


Cá entre nós

Pois é, enquanto a "internacional antichavista" faz mágicas para continuar alimentando a imprensa sul-americana, vem do mundo de Barack Obama uma novidade que não parece ocasional.

O Departamento de Estado atesta que o referendo vencido por Hugo Chávez foi "totalmente coerente com o processo democrático". Como sobremesa, o democrata "Washington Post" define as novas constituições de Venezuela, Bolívia e Equador como "processos pacíficos" que se destinam a "refundar aquelas nações para corrigir injustiças históricas".

No que nos respeita, são sinais quase inacreditáveis de uma inovação inacreditável. Por importante que seja, seu aspecto político é o de menos. A mudança de percepção e de concepção é ainda mais assombrosa.

Lembra uma palavra que nunca passou de sua sonoridade: Panamericanismo. Não faz mal imaginar que aqueles fatos sejam uma insinuação esboçada de vida em comum nas nossas bandas.

Trecho da coluna de hoje do jornalista Janio de Freitas, da Folha.

21 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Inquestionavelmente Chávez ganhou. A questão é, como ele ganhou? Se fosse no Brasil o pleito seria anulado pelo TSE, porque Chávez fala 3 vezes por semana em rede nacional e convocou a militância para levar todas as pessoas para votar. Mas as declarações dos norte americanos sobre as eleições revela a disposição de uma salutar aproximação entre Obama e Chávez e Obama e a dinastia Castro. E isso é bom.

Seu Servo Incondicional disse...

Maia, vc é o nosso novo Barão de Rio Branco. Um çábio multimeios e multifunções, praticamente o canivete suíço dos blogs e afins.
Não saberia mais viver sem os teus encinamentos çábios. Sinto-me como um pigmeu do saber quando não te escuto pela manhã. Obrigado por existires meu guru da çabedoria, meu vulto inalcançável do çaber, meu Everest de conhecimento, meu Mont Blanc das letras, meu cisne negro da humildade e da decência pública.
Ave, Maia!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Este Maia não é serio mesmo....até ele sabe mais do processo na Venezuela do que o "inocente" departamento de estado americano, pois é, pra quem defende a quadrilha da Yeda tudo é possivel,

claudia cardoso disse...

Parece que há vida inteligente no governo Obama. Com essa crise do capital gerada pelos EEUU, é estratégico manter relações diplomáticas de aproximação com a AL. Mesmo sendo tudo por dinheiro, trata-se de um dado positivo.

No entanto, como sou de natureza desconfiada, os povos da AL devem manter reservas com os EEUU: não se dá chance ao inimigo.

Noiram disse...

Carlos Eduardo da Maia disse em 16/10/08 23:50

Luis, passou aquele tempo que a mídia hipnotizava. Isso até pode acontecer em republiquetas por ai(...)

15 dos 27 países da Comunidade Européia também permitem a reeleição ilimitada, mas a apenas a Venezuela tem a revogabilidade de mandado na Constituição.

Pelo visto, esta republiqueta tá dando aula pra muito país do velho mundo.

SBENTENAR disse...

É O EFEITO DOS REMÉDIOS QUE MAIA TOMA A EXEMPLO DE SEU GOVERNO PARADIGMA REPRESENTADO PELA DIVA RAINHA DAS PANTALHAS. A PROPÓSITO TINHA QUE SE VER O QUE ACM FAZIA NO INTERVALO DAS NOVELAS DA GLOBO, FORA DO PERÍODO ELEITORAL. IGUAL, SÓ NO ZIMBABUE!!! POUPE-ME, MALA MAIA!!! MENAS..MENAS!!!

SBENTENAR disse...

... E TEM MAIS!! IMAGINEMOS A RAINHA DAS PANTALHAS SENDO SUBMITIDA A UM "RECALL" E EMBORA TENDO TODA A MIDIA A SEU FAVOR, O QUE ACONTECERIA?? PALAVRA COM O MALA MAIA!!!

Ary disse...

Canivete suiço... Hahahahah!!!

Carlos Eduardo da Maia disse...

Noiram, os países europeus são parlamentaristas. A Venezuela é presidencialista. São sistemas completamente diferentes. No Parlamentarismo o gabinete pode cair e mudar o governo. No Presidencialismo para tirar o presidente somente mediante impeachment, que é um processo muiiito complicado. A república bolivariana da Venezuela -- que concentra tudo nas mãos do Chávez -- está longe de ser um país onde se respira democracia.

Noiram disse...

Não é so com impedimento que se tira presidente. Se tira nas urnas, elegendo outro candidato.
Lá, o PIG também faz sua campanha contra Chavez. Com esperteza ele usa os meios de comunicação para se defender do massacre midiático, parecido com o que a esquerda sofre aqui.

Acho que já sugeri este documentário por aqui, em todo caso vou reforçar para quem não assistiu:

http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Revolution_Will_Not_Be_Televised

http://video.google.com/videoplay?docid=-3258871973505291549

Ary disse...

Eu sabia que um dia poderia chamar Obama de companheiro (hehehehe).

Carlos Eduardo da Maia disse...

Sim, Noiram, se tira nas urnas, mas tem que esperar 6 anos.... O PIG que existe na Venezuela é o Partido da Imprensa do Governo.

Noiram disse...

Se tu me dizes que a Venezuela está longe de respirar democracia, sou obrigado a deixar picando pra ti me dar a resposta. Isto se chama democracia.
Além do mais, é a 14ª vitória eleitoral do presidente Chávez, perdendo apenas uma em 15 pleitos.

Quanto ao PIG, deixei o link à disposição.

marcelo disse...

Isso é música para os meus ouvidos!!!

Tenho uma amiga Venezuelana que simplismente odeia o Chavez e o chama de ditador. Por mais que eu de argumentos serenos e amigos ela nao tem jeito de mudar de ideia. Com isso, o presidente chavez se legitima de forma universal.

Maurício disse...

Não é verdade, Maia, que o único PIG da Venezuela é o do governo. A imprensa lá é majoritariamente antichavista. Tanto é verdade qie no fracassado golpe de estado contra ele há alguns anos quem assumiu a presidência por algumas horas foi um dos barões da mídia venezuelana. A imprensa apoiou o golpe em peso, inclusive participou dele e convocou a população para derrubar o presidente eleito. Isso é "liberdade de expressão"? é "imprensa democrática" ? Me poupe. O Chavez faz o que todos os setores da sociedade excluídos da mídia por ser contra seus intere$$es corporativos deveria fazer, criar espaços de comunicação. Isso vale para ONGs, partidos, presidentes e qualquer um que ouse pensar diferente. Se o governo Olívio tivesse conseguido estabelecer uma estratégia neste sentido, hoje a situação do RS não seria o horror político-policial-autoritário que estamos vivendo.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Chávez se fortaleceu a partir do golpe midiático. Depois disso ele não renovou concessões e pode por si só convocar redes nacionais públicas e privadas para fazer pronunciamentos. É o que ele faz a torto que é direito. Na semana anterior ao plebiscito Chávez falou 3 vezes em rede nacional. Por fim, Olívio não conseguiu estabelecer nada em seu governo. E a culpa não é dos outros. É dele próprio, sua falta de habilidade e total impossibilidade de agregar. Deu no que deu.

Tupamaro disse...

De fato, o Olívio não conseguiu "agregar" como o Rigotto e a Yeda...
Esta, então, "agregou" às mil maravilhas, que o digam Lair Ferst, Dornéu Maciel, o deputado "fala liderança" et caterva.

Noiram disse...

RBS x GOVERNO GAÚCHO
por Edison Tessele
Agente de Polícia Federal
20 Nov 2001

Alguns fatos podem nos conduzir a uma explicação plausível do motivo que a RBS critica com tal grau de acidez o governo petista:

1. O José Barrionuevo, há alguns anos atrás, trabalhou na assessoria de imprensa da Assembléia Legislativa, quando esta era presidida, salvo engano, pelo PMDB. O atual Chefe da Casa Civil, Flávio Koutzi, à época já era deputado estadual e denunciou a existência de funcionários fantasmas na AL gaúcha. Um desses FANTASMAS "trabalhava" na Assessoria de Imprensa da AL e chamava-se JOSÉ BARRIONUEVO e foi exonerado, pois somente recebia o salário sem a devida contraprestação do seu trabalho. Hoje, ao lado do ROGÉRIO MENDELSKY, também da RBS, é o verdadeiro LÍDER DA OPOSIÇÃO ao Governo. Sobre o Mendelsky eu também sei de um fato ocorrido na primeira administração do do PT em P. Alegre, quando Olívio era prefeito, a qual contrariou interesse pessoal desse jornalista, justificando plenamente a sua oposição figadal ao PT. Entretanto, por não ter autorização da pessoa que presenciou o ocorrido, vou calar.

2. O secretário da Justiça, José Paulo Bisol, passou a ser alvo de críticas ferozes da RBS, porque ganhou uma ação milionária contra a empresa, da qual foi funcionário por muitos anos. A Zero Hora, quando o Bisol foi candidato vice do Lula, em 94, foi vítima de reportagens caluniosas e difamatórias, publicadas pela ZH. Entrou na justiça e ganhou em primeira instância, no TJ/RS e no STJ. Transitou em julgado a sentença e a RBS foi condenada a pagar 1.200 salários mínimos a Bisol, a maior indenização por danos morais imposta pela justiça brasileira.

3. Por último, há a questão financeira. O grupo RBS era o escoadouro das verbas publicitárias do Governo do RS, durante a gestão de Antonio Britto. Só no último ano de administração, em 1998, quando candidatou-se à reeleição, Britto gastou uma fábula em publicidade, R$ 70 MILHÕES, dos quais aproximadamente 2/3, ou quase R$ 50 MILHÕES foram despejados na RBS. Isso mesmo, 2/3 para a RBS e o 1/3 restante para todos os demais veículos de imprensa do RS. Um fato ocorrido durante a campanha de 98 abalou financeiramente a RBS: o grupo espanhol Telefônica, que adquiriu a CRT tendo como parceira minoritária a RBS, deu um balão nos Sirotsky quando da compra da Telesp, pois estava concorrendo contra o consórcio RBS/GLOBO. Ganhou a Telesp e a RBS sifu, pois a Telesp teve que sair da CRT, a RBS se lascou na parceria com a Globo e sobrou ainda um papagaio de alguns milhões de dólares para quitar até o final de 98, decorrente de dinheiro tomado para comprar 6% da CRT, cujo pagamento naquele momento não estava nos plano da empresa. Comentou-se inclusive que a RBS teria solicitado auto-falência, às vésperas da eleição de 98, mas a justiça gaúcha negou o pedido. Bom aí o Olívio ganhou do Britto e o resto vocês deduzem: o governo reduziu drasticamente os recursos para propaganda, a partir de 1999, e além disso, democratizou publicidade, divulgando-a de forma mais equânime ENTRE TODA A IMPRENSA GAÚCHA, de formas que SECOU A FONTE DE DINHEIRO DA RBS JUNTO AO GOVERNO ESTADUAL.

fabricio disse...

SR. NOIRAM PARABÉNS PELA BREVE REFLEXÃO. ESSA É A VERDADE QUE PARA ALGUNS NÃO CONVÉM SABER ! OS ABUTRES FARIZEUS ESTÃO AÍ PARA SUGAR O DINHEIRO PÚBLICO !!

Anônimo disse...

Pois é..são fatos, nao opinioes..late agora Maia!!!!

Ary disse...

É isso mesmo e mais "um monte", Noiram. Apenas duas observações, senão estou enganado: o presidente era Antenor Ferrari (acho) e o deputado que denunciou, logo no início do mandato, foi o Raul Pont. Alguém me corrija se estou errado - não quero parecer presunçoso.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo