Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Stalinistas suicidaram ex-assessor de Yeda


Sete questões que não querem emudecer

Ontem à noite conversei com um especialista em assuntos policiais. A propósito da morte misteriosa do ex-assessor de gabinete da então deputada federal Yeda Crusius (PSDB), ele me esclareceu e me confundiu com algumas informações, como:

1) É raríssimo suicídio por afogamento, tanto mais se o local escolhido for nas águas serenas de um lago, onde não há correnteza, redemoinhos ou ondas.

2) Qual o motivo de apressar o sepultamento do corpo? O corpo foi encontrado no amanhecer de terça-feira, ontem à tarde já estava sepultado.

3) Por que não houve perícia técnica para examinar as vísceras do corpo? Em casos de suspeita de morte por afogamento é fundamental examinar a presença de microalgas no interior do pulmão da vítima. O exame legista pode dar respostas sobre agressão antes ou depois do óbito e qual foi de fato o agente causador do mesmo.

4) Como a hipótese de suicídio é remota, por que pessoas do centro do governo Yeda logo classificaram de forma perempta e uníssona, sobretudo uníssona, a morte por suicídio? Seria uma orquestração? De quem? O meu interlocutor estranha a carta de Carlos Crusius que não disse a que veio, salvo para afirmar categoricamente que Marcelo Cavalcanti foi levado ao suicídio. Ficou evidente a “palavra de ordem” de Crusius: morte por suicídio e ponto final.

5) A mídia amiga e os correligionários do falecido passam a repetir a hipótese do suicídio como uma verdade absoluta, fazendo cortina de fumaça para outras hipóteses e especulações menos ingênuas.

6) Uma questão importante: a Polícia Federal está investigando o caso?

7) E o mais intrigante: “por que a mídia amiga – ZH e CP, especialmente – não levantam isso que eu estou dizendo aqui no nosso diálogo? Afinal, essas questões que aponto são elementares, como beber um copo d’ água, para um bom repórter policial” – arrematou o meu atônito interlocutor.

Um dado hilário da cartinha de Carlos Crusius: quem seriam os stalinistas que levaram Marcelo Cavalcanti à morte? Onde vivem esses stalinistas, do quê se mantém, e como se alimentam esses seres exóticos? Será que esses stalinistas possuem armas de destruição em massa nas garagens de suas casas? Vêem o BBB na TV ou preferem a leitura das obras do GGP – guia genial dos povos?

Carlos Crusius fica devendo essa. E a governadora Yeda fica devendo uma manifestação sobre o caso de seu ex-assessor "suicidado".

Foto: Leonid do B, conhecido stalinista do bairro Lami. Da praia mesmo ele liga para seus superiores informando que o "serviço está concluído". Leonid do B está veraneando numa dacha na praia do Magistério.

26 comentários:

Ary disse...

Cristof:no ZH ninguém comenta nada. Ou é ordem ou autocensura. Quando um maluco acusou a DS/Raul de apropriação de algumas merrecas foi pauta para, muitos dias. Outracoisa: pelo jeito o relacionamento entre Marcelo e Magda era excelente (segundo ela, ao ZH). Portanto, por que diabos o Marcelo faria o que fez, deixando no carro documentos, cartões, celulares, etc. Para causar transtorno a ela? Por que não deixou tudo em casa,saindo apenas com o carro? Aí tem. E não é pouco. Outra coisa: a polícia não vai quebrar os sigilos de Marcelo?

fabricio disse...

Sr.Ary. Também concordo com você. Há algo de turvo em tudo isso. Essa gente deve muitas explicações principalmente da Yedinha. Êsse marido dela também é suspeito !? A situação está pior prá ELA!

Anônimo disse...

A viúva deu entrevista jogando verde, metendo a véia Yeda na história.
Dando a entender que nesse buraco tem coelho.
Muito esquisito a véia vai a Brasília adular o ex assessor, oferecer "vantagens" e logo depois o moço aparece mortinho, mortinho...

Teorias da conspiração à parte...

sil

Carlos Eduardo da Maia disse...

O Ary não leu a ZH de hoje. É impressionante como certa esquerda tem memória seletiva. Ela esquece e deleta os fatos mais importantes, porque tem a compreensão "ideológica" de tudo. Ora, se a ideologia está até na matemática e nas ciências exatas, porque ela não estaria presente em todos os fatos e nas coisas da vida? Inclusive nas versões do suicídio. Ora, fato fundamental e que foi omitido no post é que o tal do Cavalcanti ligou para a mulher e para filha na véspera do fato comunicando que iria passar para outra vida? Esse é o típico gesto de um suicida. É muito comum o suicídio em pontes. Se zilhões de pessoas se jogaram da Brookling Bridge em NYC, porque elas não poderiam se jogar de uma ponte no Paranoá? E mais, tudo aconteceu em Brasília, onde dormem o Lula, a Dilma, o Tarso e a Polícia Federal... E o Feil vem dizer, com todas as letras, que a hipótese de suicídio é remota.... Essa "visão ideológica de mundo" está levando certas pessoas ao delírio.

Ary disse...

É isso, Fabrício... Toda a ponte JK (toda!) é monitorada por câmeras (não há nenhum ponto cego). Será que o vídeo terá o mesmo destino do famoso "áudio que-não-ouve"?

Anônimo disse...

Não sei o que é melhor neste post: a foto do pançudo herdeiro do Tio Stalin ou o comentário do pseudônimo.

Ary disse...

Que pecado eu não ter lido o ZH de hoje! Outra coisa: eu não sou de "certa esquerda"; eu sou da esquerda certa. Entrasse você na cela do Wladimir Herzog, vendo-o pendurado, diria: está na cara que foi suicídio! Aliás, no fundo, bem no fundo, você deve achar que W. Herzog se suicidou e que a outra versão "é coisa de certa esquerda".

Carlos Eduardo da Maia disse...

Ary, o Herzog foi suicidado, o Cavalcanti se suicidou. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Reze menos para essa sua "esquerda certa" porque você está confundindo.

Malacara disse...

É isso Ary, será que o vídeo terá o mesmo destino do famoso "áudio que-não-ouve"?

E dos 12 HD's que não se tem memória, os do Daniel Dantas?

joventino disse...

E a autópsia, Maia?
Por que não fizeram? Se fizessem essa resposta de suícidio ou não já estaria respondida.
Mas restaria a seguinte questão, por que se suicidar? Que motivos fortes levaram o cara ao suicídio?
Responda, çabichão çábio!

Milton Ribeiro disse...

Isso aqui está cada vez melhor. Elementar, meu caro Feil.

Anônimo disse...

O cara tem mesmo que ganhar muito bem para se dispor a entrar aqui todos os dias e defender um governo indefensável, não importa o tema, não importa a barbaridade que faça. Por que por ideologia já não pode ser. Niguém é tão tapado.

Jean Scharlau disse...

[...]"Cavalcante atuava como assessor parlamentar do deputado federal Claudio Diaz (PSDB). A amigos, confessava guardar mágoa de Yeda."[...]
http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Pol%EDtica&newsID=a2409321.xml

"Brasília - O ex-representante do governo Yeda em Brasília, Marcelo Cavalcante, encontrado morto nesta manhã no Lago Paranoá, na capital federal, estaria enfrentando problemas pessoais com a companheira. A informação é da Rádio Gaúcha."[...]
http://www.diariodecanoas.com.br/site/noticias/geral,canal-8,ed-60,ct-213,cd-177202.htm

1 - Se Marcelo Cavalcante guardava mágoas da governadora Yeda, como noticiou a RBS, essas mágoas poderiam fazer com que ele viesse a dar um depoimento desfavorável aos Crusius ou a outro grupo na audiência próxima, revelando informações até então amoitadas. Ou não?

2 - Se Marcelo Cavalcante estava com problemas e divergências com a esposa, essas divergências poderiam ser justa e/ou principalmente relativas a essas possíveis revelações. Ou também não?

3 - A esposa de Marcelo Cavalcante, caso estivesse em desacordo com que ele revelasse essas possíveis informações, poderia agora dar, sobre a situação pregressa à morte do marido, informações imprecisas, distorcidas ou falsas visando tirar o foco das investigações (se é que há alguma investigação) dessa possibilidade (assassinato, queima de arquivo). Ou novamente não?

SBENTENAR disse...

O MALA DO MAIA, CONTINUA SURTANDO IDEOLÓGICA E COMPORTALMENTE, E FALA DA ESQUERDA. ESTÁS TOMANDO OS MESMOS REMÉDIOS DA (DES)GOVERNADORA??? SE FOR, O EFEITO É NULO. VAI VER QUE OS LABORATÓRIOS SÃO STALINISTAS.

Béria disse...

Maia, cuidado que os stalinistas vão te suicidar, também.
Dizem que eles são muito preparados no suicídio alheio. Foram formados nas escolinhas itinerantes do MST, por professores reacionários que só ensinam marxismo e coisa feia e má.

panoramix disse...

Não sigam os "trolls"!

giovani montanher madruga disse...

hauhuahuahua..... muito boa béria
desde o inicio desconfiei que tinha a ver com o começo dos depoimentos da operação rodin na justiça federal aqui de santa maria. espero que eles também desconfiem.
aguardamos o desenrolar.

Anônimo disse...

Será que todos fala na hipótese de suícídio só porque o cara telefonou para a mulher e os filhos avisando que iria se suicidar? Nah, não deve ser...

Noiram disse...

Suicidou-se porque a oposição denegriu a imagem dele.
Então vamos torcer para que a Yedinha pule da ponte do Guaíba.

Jean Scharlau disse...

Cristóvão, olha só esta entrevista onde a viúva diz que sabe tudo mas ainda não está lembrando a melhor parte e onde a empresa que entrevista pergunta mas não aperta, ainda. O que será que querem dizer, hein?

Viúva de Marcelo Cavalcante: “Ele começou a ficar apreensivo”
Entrevista: Magda Koenigkan, empresária

Depois do sepultamento do marido, no cemitério Campo da Esperança, em Brasília, ontem, a empresária Magda Koenigkan, viúva de Marcelo Cavalcante, concedeu a seguinte entrevista a Zero Hora:

Zero Hora – A governadora Yeda Crusius convidou seu marido para voltar a trabalhar na representação? Por que ele não aceitou?

Magda Koenigkan – Não era a equipe que ele formou junto com ela, acho que era alguma influência de alguém, não me lembro bem. Marcelo realmente repartia tudo comigo, todas as histórias, detalhes, ele me contava tudo, a gente se falava 20 vezes por dia durante o dia de trabalho. Então, a parte mais técnica, opiniões, acho que a governadora tem conhecimento e pode esclarecer melhor. Mas houve, sim (o convite), porque a governadora tem confiança no Marcelo.

ZH – Era para ele atuar como representante do Estado, o mesmo cargo que ele tinha antes?

Magda – Ela (governadora) falou nesse sentido e deu também uma outra abertura para outra situação, mas ele disse melhor que não, que não era a equipe que ele sentia fortalecido.

ZH – Qual era a outra abertura, para qual situação?

Magda – Ele me falou, mas estou tão perturbada, posso falar depois. Mas ela deu total abertura, e Marcelo tem imenso respeito por ela. Ele recusou de imediato, nem me consultou. Ele geralmente me consultaria, mas já falou que não para esse momento, não com essa equipe, que o momento dele era outro e que ela podia contar com ele para tudo.

ZH – Ele falaria sobre desdobramentos da fraude do Detran?

Magda – Não sei se esse depoimento era para esse fim. Ele tinha um depoimento que corria em segredo de Justiça, mas acho que não era esse assunto. Ele me falou que era dia 20 e passou para o dia 27, em Brasília.

ZH – Para quem seria o depoimento? Para a Polícia Civil ou Federal? Para o Ministério Público Federal?

Magda – Não tem nada de polícia. Que eu saiba, é Ministério Público Federal. Marcelo detalhava tudo comigo. A gente estava programado para uma viagem. Eu estava no Rio com Marcelo quando houve uma mudança da data (do depoimento). Ele começou a ficar apreensivo, muito nervoso. Porque ele não é parte de nada, ele apenas ia ser ouvido para esclarecimento técnico, não era testemunha. Não era essa seriedade toda. Mas ele ficou bastante apreensivo, muito nervoso, eu estava no Rio com ele e até fiquei mais uns dias para ele descansar, não deixava tocar nesses assuntos. Aí nós viemos para Brasília, e ele muito nervoso.

ZH – Ele voltou a falar do assunto ao retornar para Brasília?

Magda – Todos os dias, todas as horas, todos os minutos.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Morte violenta, inclusive suicídio, tem que fazer autópsia. A Polícia de Brasília deve ter feito a autópsia. Uma coisa é certa, o depoimento desse cidadão -- que sequer foi indiciado na operação Rodin -- estava o deixando muito incomodado.
De origem simples esse senhor viu a grande chance de sua vida ir para o espaço quando foi registrada uma conversa dele intercedendo em favor do gângster Lair Ferst. Yeda o demitiu sumariamente. A chance perdida e seu nome estar vinculado a uma picaretagem geram distúrbios psicológicos. Ninguém está aqui defendendo governos, mas falando e analisando fatos. A chance de ter havido homicídio, neste caso, é remotíssima. O resto não é nem ilação, mas delírio puro. Tadinhos!

Anônimo disse...

tadinho de ti que ainda acredita na ieda, no papai noel e em duendes!
Carmem

Anônimo disse...

Nem se perca tempo com este pelego facista do maia, se mandarem ele dizer que a Terra é o centro do universo, entao ele sai por aí com um megafone afirmando...pobre coitado....espero que pelo menos ganhe uns trocadinhos do governo, ou será um imbecil puro mesmo?

claudia cardoso disse...

Feil, acho que estás lendo muito a seção "Para seu filho entender" da Zerolândia: a cartola da foto, no topo do blog, está bem no padrão!!! :-)

Ary disse...

Cristof: você está muito quieto.Isso não é bom...

Anônimo disse...

Segundo eu li, nas ligações ele não disse que iria se matar. Disse que iria fazer uma "viagem sem volta", ou seja, que iria morrer. Poderia estar pressentindo algo. Moro em Brasília e nunca havia ouvido falar em suicídio na JK, até porque é cheia de câmeras. Já ouvi muitas histórias de suicídios em prédios altos e assemelhados.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo