Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Governo federal tem dinheiro para renegociar dívidas do agronegócio parasita, mas não tem para a reforma agrária


MST marcha por reforma agrária em São Gabriel

Cerca de 350 famílias sem-terra iniciaram agora (quarta-feira, 8h30) uma marcha em direção às Fazendas Antoniazzi, em São Gabriel (RS). Elas partiram do Acampamento Elton Brum da Silva, que fica na RS-290, e caminharão em torno de 15km até as áreas particulares. As famílias que marcham são as mesmas que foram despejadas no último dia 21 de agosto da Fazenda Southall, em que o trabalhador Elton Brum da Silva – que hoje dá nome ao acampamento – foi morto com um tiro de espingarda nas costas por um policial militar.

O objetivo é pressionar o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a Justiça Federal de Santana do Livramento (RS) a desapropriarem as Fazendas Antoniazzi. A área teve seu processo de desapropriação suspenso pelo juiz Belmiro Krieger, que voltou atrás de sua decisão e iria conceder a imissão de posse das fazendas. No entanto, o Incra e o governo federal desistiram das áreas.

As famílias sem-terra também querem que o Incra desaproprie mais áreas, para de assentar todas as duas mil famílias que estão acampadas em beira de estrada no RS. Para isso, o MST exige mudanças na política de aquisição de terras para a reforma agrária. Se o governo federal tem dinheiro para renegociar a dívida do agronegócio, deve também ter dinheiro para fazer a reforma agrária e investir na infra-estrutura dos assentamentos.

Nas Fazendas Antoniazzi, que somam 7 mil hectares, podem ser assentadas em torno de 400 famílias sem-terra. O MST exige que o Incra e o governo federal desapropriem a área para a reforma agrária e que também assentem as duas mil famílias acampadas no Estado.

6 comentários:

Fabrício Nunes disse...

Isso revela bem a impotência - ou adesão - da DS frente ao agronegócio.
E, claro, a opção do lulismo.

claudia cardoso disse...

Com toda essa chuva prevista para o dia de hoje no RS, emociona o vigor dessa gente!
Meus cumprimentos às lutadoras e aos lutadores sem-terra desse país!
Qual governo de esquerda, ou progressista, dará o ponto final para esse sofrimento? Ano que vem, ficaremos atentos às candidatas e aos candidatos, para verificar quem mentirá mais sobre o assunto.

Anônimo disse...

É interessante ver os resultados economicos da Expointer:

Vendas de Maquinas: 795 milhões;
Venda de automóveis: 39,3 milhões;
Venda de animais: 8, 39 milhões;

A Elite Guasca gastou quase cinco vezes mais do vendeu de animais em automóveis. Depois não sabem porque estão sempre quebrados, e vão empurrando com a barriga as dividas que passam de 100 Bilhões.
E acaba, como diz o Gaspari, a Patuléia pagando a conta das novas Hilux da chiruzada.

Claudio Dode

Anônimo disse...

E o presidente do Incra que dizia ter R$ 180 milhões para a reforma agrária no RS???
Cadê o dinheiro???

Pra mim esse rolo só vai ter fim o dia em que MST e fazendeiros se unirem e cobrarem juntos do governo federal.

Lula é mais uma decepção ao povo brasileiro.

ZéMané

Anônimo disse...

um recado aos agropicaretas, especialistas em dar calote no bb: vendam as picapes último tipo, deixem de encher a cara de uisque (e otras cositas más), e paguem o que devem ao banco, pilantras!!!

Cristiano Freitas disse...

Não pagamos somente pelas Hilux dos Barões do latifúndio, pagamos pelo subsídio de seu diesel, pelo subsídio dos juros (6,75% ao ano, na pior das hipóteses) de seus empréstimos, pagamos pelo escabroso refinanciamento dessas dívidas...
Pagamos tudo, o que essa gente crê que possui.
Já passou da hora de pegarmos de volta.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo