Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Devemos atualizar o projeto para o campo


O campo no Brasil atual

Marx partia do princípio de que, para compreendermos as sociedades, seria necessário entendermos como esta sociedade produz e reproduz os seus meios de existência. Ou seja, seria necessário compreendermos o trabalho humano como um princípio fundante de situações sociais diversas. Partindo deste princípio, a esquerda brasileira, até os anos 80, analisa o mundo do campo e o da cidade através da categoria trabalho e, deste modo, quem trabalhava em atividades agrícolas era um sujeito do campo.

O trabalho rural era dividido em diversas categorias, como o de pequeno produtor, o assalariado, o posseiro, o sem terra, o bóia-fria etc. Claro que, existindo sujeitos que produziam no campo, existiriam outras categorias, como professores, pequenos comerciantes etc. A luta pela reforma agrária englobava a luta de todos estes trabalhadores visando à construção de uma sociedade que num primeiro momento integrasse os trabalhadores ao processo produtivo para, num segundo momento, criar as bases para a ultrapassagem do capitalismo. Pensando nos direitos materiais e culturais, todos teriam o mesmo direito que a modernidade, através do desenvolvimento da ciência e da tecnologia, havia conquistado.

A partir dos anos 1990, decorrentes da crise do socialismo, do fim da URSS e da supremacia do pensamento neoliberal, a esquerda brasileira, como de resto a esquerda mundial, desconcerta-se. E, em conseqüência, boa parte desta esquerda irá abrigar-se em análises puramente culturalistas e pós-modernas, desvinculadas dos problemas sociais e econômicos.

As análises acerca da problemática rural tomam o mesmo rumo acima descrito. Passa-se a debater o que seria o campo e sua relação com as cidades numa análise puramente cultural.

Com isto, os projetos de reforma agrária vão perdendo espaço para debates acerca da influência dos meios de comunicação, do jovem, do velho, da mulher, desvinculados da realidade sócio-econômica.

Debate-se o que seria campo ou cidade em termos puramente subjetivos e, assim, começa-se uma discussão estéril se as pequenas cidades seriam parte urbana ou rural do país ou se o campo é relação com a natureza pura e a cidade a natureza transformada. Nesta discussão, o trabalho como instância definidora perde espaço.

Porém, esta discussão subjetiva e culturalista começa a mostrar as suas fragilidades, pois não é possível discutir estas questões sem colocar a questão da produção e reprodução da vida em primeiro plano. Desta forma, vejo que devemos retomar conceitos básicos para que, compreendendo as relações sociais de produção hoje, possamos compreender o papel do campo na sociedade brasileira atual.

Defendo que o capitalismo brasileiro não mais merece o crédito das reformas. Assim, o trabalho e vida no campo e na cidade devem estar inseridos em um novo Projeto de País em que ambos tenham sua importância como produtores de bens necessários e bens que nos levem ao caminho da liberdade. Devemos superar a produção visando apenas o mercado, criarmos condições reais de produção e trabalho, proporcionando assim as condições de vida, escolarização, saúde, lazer e maior integração com as cidades para os moradores do campo.

Devemos atualizar o projeto para o campo, pensando na questão ambiental e na produção para valores necessários à vida humana. Podemos dar ênfase ao cooperativismo, às alternativas regionais de produção e comércio, como a convivência com o semi-árido, à produção coletiva e democraticamente dirigida pelos trabalhadores nas maiores propriedades.

Se a população do campo decresce, precisamos compreender este processo dentro de relações capitalistas da sociedade brasileira, e não ficarmos especulando em análises puramente culturalistas. Só assim será possível compreendermos o campo, suas contradições, suas possibilidades, ou não, de ter um papel fundamental no desenvolvimento da sociedade brasileira.

Artigo do professor Antonio Julio de Menezes Neto, da Faculdade de Educação, UFMG. Publicado originalmente no Correio da Cidadania.

4 comentários:

Anônimo disse...

É verdade. os pensadores brasileiros da reforma agrária datam da década de 60. Nao é possível que nao haja interesse da sociedade por esse assunto.

Anônimo disse...

Faz coisa de 8 anos um trabalho de pesquisa operacional (a disciplina que estuda alocação eficiente de recursos) enfocando reforma agrária foi laureado com melhor do mundo, um trabalho nascido no bojo da EMATER, em uma tese de doutorado.
Falar que não tem pesquisa na área, que os pensadores datam da década de 60 é superficial.
É fácil chegar em Pelotas e dizer "deixei de imaginar que vocês todos são rurais", vcs são urbanos, dirijam os investimentos da urbe para indústria, ciência, pesquisa, serviços!
Mas e em Camaquã ? Onde todos são ex-rurais, uma parte grande dos empregos são vinculados a atividade rural e a cidade carece de densidade para ciência, pesquisa e indústria.
A ótica "ruralista" do povo em Camaquã não é exatamente essa do grande latifúndio, que festeja quando a brigada comete violências. É uma ótica mista da pequena propriedade do fumo misturada com a grande do arroz, mas não chegam e encontrar uma identidade e muito menos contribuem para formar uma identidade urbana distinta.

valeriobrl disse...

Ótimo post. O papel da reforma agrária hoje es mais estratégico devido o absurdo poder das multinacionais na alimentação :KRAFT, UNILEVER e as outras

valeriobrl disse...

Ótimo post. O papel da reforma agrária hoje es mais estratégico devido o absurdo poder das multinacionais na alimentação :KRAFT, UNILEVER e as outras

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo