Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008


A incompetência gramatical da governadora Yeda

Ontem a governadora tucana Yeda Crusius fez um pronunciamento abrindo o ano legislativo da Assembléia estadual. Durante vinte minutos, a governadora leu (foto) um discurso adrede preparado (como diria o conservador Paulo Brossard). Hoje, me dei o trabalho de ler a íntegra do discurso da governadora, que – repito – não foi de improviso. Você também pode lê-lo aqui (na íntegra). Leia, é divertido e chocante. Preocupante.

Nos primeiros dois parágrafos já pude anotar os seguintes problemas no texto: não há uma frase sequer com sujeito, verbo e predicado, na ordem. Ela, não raro, enuncia o predicado, depois o verbo, deixando o sujeito por último. Não é uma questão de estilo. Resulta, certamente, da severa ansiedade pelo qual passa a governadora. Ela quase não usa conectivos. Pontuação errada ou deficiente. Erros de concordância verbal e nominal. Falta clareza. Idéias embaralhadas. Uso de expressões desconectadas com a idéia da frase, por exemplo, quando menciona a expressão “estado da arte”, não há nexo com o que está sendo tratado na oração.

Eu anotei também a “pobreza de idéias” da governadora no seu discurso, mas isso eu não vou invocar aqui, porque seria cobrar demais de uma pessoa que – sabe-se – nunca se notabilizou por ser dotada de um espírito muito fecundo na vida docente.

O que se exige de uma governadora de Estado é o mínimo: respeito à gramática, sobretudo, e estrita observância à fonética e à semântica da língua, na construção de um discurso coerente, claro e agradável.

A folhas tantas, a governadora Yeda usa o verbo consertar (que significa restaurar), quando a idéia da oração sugere que deveria usar o verbo concertar (que significa pactuar, conciliar). Ora, um erro primário imperdoável (próprio de borracharias de beira de estrada) – como de resto, o conjunto do discurso - para uma governadora de Estado, principalmente para uma pessoa que foi professora universitária por muitos anos e detentora do título de mestre em tal ou qual disciplina acadêmica.

22 comentários:

Anônimo disse...

Fui aluno dela. A mulher é um desastre. De economia não entende picas. E o português é o de borracheiro de estrada. Melhor dizendo o português do Brasinha, aquele vereador do PTB, dono de borracharia na Zona Norte, fanático pelo Grêmio e indigente mental.

Anônimo disse...

Pensem se tal tivesse ocorrido com o Bigode?

jorge disse...

Anônimo, vc. está querendo demais. Dona Yeda foi apenas professora de economia, quem disse que ela precisa entender de economia?

Juarez Prieb disse...

Feil, e a citação do Freud, querendo mostrar erudição, numa frase completamente esquizóide?
Ridículo.

E a mídia de hoje não dá um pio sobre o analfabetismo da governadora guasca. Será que eles pelo menos notaram?

Suzana disse...

E depois o Lula que é o analfabeto.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Não sou e nem quero ser advogado da Yeda (que ajudei a eleger como governadora do RS e faria de novo se o outro candidato fosse o Olívio, porque não gosto e nem tenho simpatias por reacionários), mas é questionável que o texto apresentado no blog seja exatamente o que ela leu ontem. Os serviços de estereotipias de nossas casas públicas têm zilhões de erros de português.

Cristóvão Feil disse...

Prezado Maia, este blogueiro salvou e publicou precisamente o discurso tal como se encontra no portal do jornal "Zero Hora" de hoje.

Basta conferir, bem como escutar o áudio, que também consta do portal de ZH.

Suzana disse...

Feil, eu li no blog da Rosane. Está lá na íntegra. Tem também uma gravação da parte final do discurso da governadora.

Anônimo disse...

será que ela vende pneu semi-usado? na borracharia dela?

Eloah Vasques disse...

Mas Maia não é só o erro de português, é problema de toda a ordem, concordancia, etc. Os profissionais que transcrevem não mexem na frase, podem até errar a grafia por ouvir mal a fonética da palavra, mas não modificam a estrutura original das frases. Me desculpa, mas isso é defesa de quem é partidário apaixonado pela governadora, que é analfabeta sim.

Orson disse...

E ela já começou com um "há anos atrás". O há, no contexto, já exprime a idéia de tempo decorrido. Então, o atrás, é uma redundância. Tsc, tsc, tsc. E os nossos pimpolhos gauderiozinhos vão sendo amontoados em salas, tudo em nome da "enturmação". Se o aprendizado, principalmente do português, desses infantes, depender da sapiência desta senhôra do português, estamos lascados. Pra não dizer outra coisa.

Anônimo disse...

Tentando copiar o estilo Maia: "o discurso do Evo e do Chavez é muito pior, além têm os dólares da PDVSA no meio".

silmara disse...

Gente, será que dá pra dizer então que a Yeda é o Brasinha de saia?

Anônimo disse...

Como seriam as reuniões do secretariado quando ela dá o norte? Ou seria o sul?

Anônimo disse...

mais respeito com as borracharias de beira de estrada!
Tião Borracheiro

Anônimo disse...

Olha quem falandio como diria o lulla, hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaho parcero asin não da memo.

Anônimo disse...

O Maia vota na Yeda e no Obama, adora a Veja, e acha que pode chamar alguem de reacionário.

O pior reacionário que eu tenho visto é o próprio canalha do Maia.

Claudio Dode

Verinha disse...

Cala a boca, seo Maia!(rindo).
Que a equipe de 'comunicação' da Yedinha dê barato, vá lá, mas o senhor dizer que Olívio é reacionário, foi a piada da hora! Eu bem que tento ficar quietinha no meu canto, mas essa não deu pra aturar. Inda bem que "hipocrisia" é defeito privado, né? Quando a gente fala que as bravatas dos direitosos, esses que ficaram 500 anos no poder, atualmente no "governo gaudério", são puro jogo de cena, hipocrisia e cinismo, tem gente que acha que é balela...

Anônimo disse...

Ai, ai, seu Gauche! Conserto com "s" ou concerto com "c"?...Sem comentários sobre a dimensão política da discussão. E sobre a farra do cartão, aquele do governo revolucionário do Lula, não vai nada!!?? Nem uma notinha - assim, de passagem??

Anônimo disse...

Eu já tinha sacado o "português" da Yeda a muito tempo, mas desde a entrevista no Programa do Jô,ficou evidente... A PIG critica o analfabetismo do Lula, mas não dá o mesmo tratamento ao Analfabetismo Dislexo da Yeda.
Um dia ela se propôs(seu governo é claro) a assorear(sic) o Superporto de Rio Grande, pode? O calado do porto já assoreado o suficiente,,,rsrs

joice disse...

Cristóvão, ter disposição e saúde para "analisar" um discursinho desses não é para qualquer um. Invejável!

Ótima a dica da revista Sin Permiso na postagem sobre a entrevista do Ignacio Ramonet!

Pois é, tô de volta, após uma "ressaca" e algum descanso. Como diria um amigo, amplexos complexos e perplexos.

bom domingo e beijo,
j.

Anônimo disse...

O PSDB é um partido totalmente metido a besta e arrogante!! Ainda mais acobertado pela mídia ( P I G )!! Vejam a sitação do SERRA-CARD gastou com este tal cartão até em cachaçaria!! Um caso de policia e cadeia para acabar com estes falcatruas!!!

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo