Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quinta-feira, 13 de setembro de 2007


Veja foi derrotada

Passado o carnaval midiático-oligárquico sobre a triste figura do senador peemedebista das Alagoas, aliado do blocão lulista no Congresso, quero poder dizer algumas palavras. Não disse nada até o momento, sobre o tema Renan. Explico agora o motivo.

Nos longos 350 anos de regime escravocrata no Brasil, quando havia uma briga qualquer na casa-grande, os negros da senzala sempre tiveram a serenidade e a sabedoria de nunca se meter nas desavenças intestinas dos brancos, diziam: - Isso é briga de branco!

O mesmo diz esse blog. Mas, passada a borrasca e o pugilato protagonizado pelos “brancos” mais encardidos moralmente do País, vou dizer duas ou vinte palavras.

Primeiríssimo lugar, a mídia oligárquica perdeu mais uma vez. É um registro relevante a fazer. Em menos de um ano, eles perderam na tentativa golpista contra a reeleição de Lula, e agora no caso do senador bovinocultor e amante adulteroso. Perdeu a Veja, do grupo Civita-Abril (agora sócios de uns investidores racistas da África do Sul), protagonista do pior jornalismo do mundo e falsa vestal, que fica semanalmente apontando de forma policialesca e abjeta quem tenta apagar o fogo sagrado e perpétuo da moralidade pública – que os Civitas, certamente, regulam e medem a cada minuto com mãos trêmulas e peito arfante. É hilário!

Portanto, essa questão Renan é a mais típica e genuína “falsa questão”, com todos os efes e todas as salsas. Não tenho procuração para defender o adulteroso Renan, acho esse tipo uma fraude ambulante, particularmente desprezível, com aquele permanente sorriso Monalisa no 42, mas nem por isso menos lesivo que os seus inimigos de conjuntura.

Observem a conjugação de esforços que foi organizada para derrubar o amante alagoano, a Veja só foi publicista: os três “jotas”, Jobim, Jungman e Jarbas Vasconcelos. Esforços combinados para, na seqüencia, colocar Jarbas Vasconcelos no lugar de Renan Calheiros, e no médio prazo favorecer o vampiro silencioso, José Serra. A montanha iria dar à luz a um rato.

Este é o caso, motivo do carnaval midiático em torno de uma farsa armada e uma falsa questão. Como diz Marx, “o ar pesa toneladas sobre nós”.

34 comentários:

Anônimo disse...

Nada como um dia depois do outro, diz sabedoria popular. Pois é, logo após as inúmeras absolvições no caso mensalão, houve a proposta do fim das votações secretas nas questões dos pares no Congresso. Uma das vozes mais retubantes contra foi quem? Isto mesmo, Arthur Virgílio, tucano de cinco costados e paladino da ética. Agora berra aos quatro ventos sua indignação pela votação do "bovinocultor. Cínico, para não dizer otras cositas más. Aqui temos o caso Macalão e a Santa do Selo e tudo na maior paz. Vá dormir com um buralho desses

Carlos Eduardo da Maia disse...

O dono deste blog gostaria que Veja fosse bolivariana, mas Veja tem tido um comportamente republicano. Se não fosse a Veja ninguém saberia que o PT, partido do dono deste blog, fez um contrato de financiamento vergonhoso com Marcos Valério e que desencadeou toda a crise de corrupção do governo do PT. Por isso a mágoa e o ressentimento. Se não fosse a Veja ninguém saberia que Calheiros paga pensão de sua filha via lobista e o PT acha isso absolutamente normal, porque contribuiu para a decisão de ontem. O Brasil todo está indignado com a decisão de ontem e não é o Brasil branco e não é o Brasil da elite. Isso não é briga de brancos, isso não é briga de elite, como pensa o dono deste blog, isso é vergonha, isso é falta de ética, isso é pensamento medieval.

Anônimo disse...

Cínico, o pautador, como disse alguém, e o filho do FHC sustentado pela Globo?

guimas disse...

Concordo com o Maia. Acho que tem que fechar o Senado, pois por conta do "raciocínio lógico" dele, não vai sobrar ninguém. (Para os desavisados, este é o meu "modo ironia")

Sério, agora: onde está a indignação contra o maravilhoso e ético senador Azeredo, que usou o Valerioduto antes que o PT soubesse quem é Marcos Valério?

Onde está a investigação que Veja fez da lista de Furnas? Republicana esta publicação, não?

Se não fosse Veja, estas pessoas estariam sendo julgadas e condenadas? Indignação seletiva e anti-petismo na veia, é o que digo.

Anônimo disse...

Maia faz uma campanha no teu blog pelo fim do Senado, sse antro de atraso.

Anônimo disse...

Gostei da idéia - fim do atraso. Fecha o senado Maia.

Anônimo disse...

Nada como um dia depois do outro. Ver a Ideli, o Pain, o Tião Viana, do mesmo lado do Collor, do Renan, do Cafeteira, do Sarney. Sensacional! E o dono do site acredita que vive sob o manto de um governo revolucionário. Impagável! Por favor, dono do site, não pare de produzir. A Velhinha de Taubaté vive!

Leandro Rodrigues disse...

Concordo contigo, Cristóvão!
Nunca gostei desse Calheiros, mas quando a grande mídia começou a insistir no caso, e especialmente quando trouxeram à tona (é certo que com algum tempero de "malas explicaciones") a questão pessoal da paternidade, ficou evidenciado o golpe. Entendo que não tem a mínima disposição em defender esse senador, mas se é para cassá-lo, que seja pelos motivos certos, e então eu concordo com o Maia (apesar de estar cansado das suas opiniões retrógradas e arrogantes): temos que acabar com o senado, cassando o mandato da maioria daqueles parlamentares.
Disseste, Cristóvão, o que eu comentei pessoalmente entre alguns colegas por aqui!
Valeu, e o blog tá excelente. Já é referência!

Verinha disse...

Do Blog do Noblat (em http://oglobo.globo.com/pais/noblat/): Renan intimidou senadores

- Senadora Heloísa Helena. A senhora sonegou o pagamento de impostos em Alagoas. Deve mais de R$ 1 milhão. Tenho um documento aqui que prova isso. E nem por isso eu o usei contra a senhora - disse Renan Calheiros, voz mansa, ao se defender da tribuna do Senado pouco antes de ser absolvido pela maioria dos seus pares.

- É mentira, mentira - gritou a presidente do PSOL sentada no meio do plenário. Pouco antes, ela subira à tribuna para atuar como advogada de acusação.

Renan não deu bola para a reação de Heloísa. Em seguida, virou-se para Jefferson Perez (PDT-AM) e comentou, a voz inalterada:

- Veja bem, senador Jefferson Perez. Eu poderia ter contratado a Mônica [Veloso, ex-amante dele] como funcionária do meu gabinete. Mas não o fiz.

Perez nada disse. Ouviu calado.

Então foi a vez do senador Pedro Simon (PMDB-RS). Renan disse olhando diretamente para ele, voz gelada:

- A Mônica Veloso tem uma produtora. Eu poderia ter contratado a produtora dela para fazer um filmete e pendurar a conta na Secretaria de Comunicação do Senado. Eu não fiz isso.

Simon ouviu calado.

QUE BANDO DE BUNDÕES!

sueli halfen ( POA) disse...

Verinha...são mesmos, e perderam o poder, pois senão publicariam e diriam: Renan foi absolvido PELOS 40 LADRÕES ENQUANTO ALI BABA SE DIVERTIA NA SUIÇA !!!!!!

abraço

sueli halfen ( POA) disse...

Maravilha o teu post !!!!

abraço sueli

armando disse...

Veja, último baluarte da "elite" arrogante, gorda e predadora de S. Paulo, por que não denunciou com a mesma garra o filho do FHC com uma mocinha da Globo (parece ser missão dessas "jornalistas"), sustentado e escondido pela Platinada?

Feil, c.q.d. (como queríamos demonstrar). Parabéns!

sueli halfen ( POA) disse...

ops...ALI estava na Suécia...

Prof. Monteiro disse...

Há algo intolerável às elites: alguém fora do clube adentrar no salão,ainda que com passinhos silenciosos para não atemorizá-los, quase pedindo perdão.Esta foi a escolha do PT e de Lula.Aceitaram o jogo puramente institucional, sem ao menos colocar algum condicionante com o propósito de alargar o espaço democrático.Teria sido necessário desde a posse ter feito um chamamento direto às massas como meio de pressão para que , no mínimo,se votasse no Congresso, sem as chantagens habituais (sob o nome elegante de presidencialismo de coalizão)um projeto de reformas cuja pauta básica tivesse como centro reformas sociais com distribuição real da riqueza com efetiva igualdade de oportunidades mesmo que dentro do capitalismo.Já teria sido um avanço.Todavia os passos tem sido tímidos. E em que pese as concessões e os lucros dos setores empresariais hegemônicos, a presença do PT e de Lula segue intolerável. Quase tudo já foi tentado e em parte os pretextos foram dados pelo governismo - a penúltima tentativa foi a criação malograda do Cansei e a última o caso Renan, personagem que serviu e servirá a todos , desde que seus interesses pessoais e de classe sejam preservados.A tática desta vez foi tentar bloquear por vias transversas - com ou sem posições de decúbito dorsal, isto saberemos se valem a pena ou não na próxima edição da Playboy - as atividades Congressuais. A tática escolhida de bloqueio, combinada com o fogo moralista/espetacular da imprensa visará a guerra permanente em qualquer votação.O efeito será o reforço perverso do chamado presidencialismo congressual e o enredamento do governo em uma armadilha, em parte escolhida no ínicio do primeiro mandato. A única oportunidade seria a realização de uma reforma política com financiamento público, lista fechada e reforma das atribuiçoes do Senado. Isto exigiria a coragem do governo e do PT em mobilizar as massas. Um boa leitura de Maquiavel sera necessária. A aliança preferencial do Príncipe é com o povo, pois esta é a única maneira de legitimar-se efetivamente aos olhos do populus minor.Mas opção na consecução dos ojetivos foi com os prováveis algozes.

Anônimo disse...

professor, nos tempos que correm, neste Brasil absurdamente muderno, somente o absurdo do hipermoderno salva. O resto não passa de utopia.

sueli halfen ( POA) disse...

Putz... queria ter tido aula com esse cara ! Maia...vai estudá que nem p Profe.

sueli halfen ( POA) disse...

ops...sem aquele p...digitei errado e pode dar má impressão. é só PROFE

Carlos Eduardo da Maia disse...

Monica Veloso resolveu colocar a boca no trombone, a mãe do filho de FHC resolveu permanecer em silêncio na Espanha. Essa é a grande diferença. Mas essa é uma questão menor, a questão maior é que o PT ao invés de se aliar com a banda boa do congresso se aliou com o Sarney, com o Calheiros que comandam a banda podre. Ou seja fez exatamente o mesmo erro de FHC que também se aliou com a banda podre. Já passou o tempo em que se imaginava que um governo de esquerda é um governo ético e que estaria acima do bem e do mal. Existem picaretas, corruptos e aloprados num governo de esquerda. Um governo de direita, de centro ou de centro esquerda (que é o que eu defendo para um Brasil melhor) também pode ser um governo ético e muito mais competente e menos corrupto do que um governo de esquerda. Nesse sentido, o governo do PT está fazendo um bom serviço ao Brasil, está mostrando ao povo brasileiro que um governo de esquerda tem graves problemas éticos.

Anônimo disse...

Por Edmar Melo


O deputado Gabeira
Deu um soco no Tião
Em seguida deu-lhe um beijo
Demonstrando sua paixão
Enquanto a Luciana
Fazia do chão a cama
Com ferimento na mão

Raul Jungmann, deputado
Agrediu um segurança
Em quanto Tião Viana
Segurava a sua pança
E na tal sessão secreta
O Renan fazia a festa
Esnobando esperança

Se for pra cassar só um
Foi melhor não ter cassado
Porque todo senador
Tem negócio camuflado
Portanto, pra resolver
O que se deve fazer
É extinguir o Senado.


Copiei do blog do Nassif.

Juarez Prieb - Flópis disse...

O prof. Monteiro disse tudo. O Lula é um conciliador. Colocou o Jobim para dormir na cama dele. Seria o mesmo que Hitler convidasse Churchill pra ser ministro da Luftwaffe. Ou Bush convidasse a Hillary para secretária de Estado. Ou Stalin convidasse Trotsky para ministro da Energia.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Professor Monteiro, a esquerda não tem o monopólio da ética, da boa administração e da sensibilidade, como o povo brasileiro está testemunhando. O governo do PT podia sim fazer alianças com a banda boa do Congresso Nacional, mas preferiu -- como também fez FHC -- ao fazer alianças com Calheiros, Sarney e Cia. Esses caras sempre foram podres e o PT sabia disso e fez aliança com eles.

Anônimo disse...

Professor Monteiro, não dá bola para o Maia. O que está dizendo é que ele - o Maia - é o dono do monopólio da ética, como bom classe média, pretensamente elite, só porque sabe tomar um Malbec e vai delirar em Bariloche.

Professor Monteiro disse...

Qual é a "banda boa" do Congresso, Maia? Por acaso, seria o Senador Azeredo do PSDB ( o teu partido)que inventou o esquema de corrupção do Marcos Valério? Ou seria o falecido ACM do velho e bom PFL? Ou o deputado Virgilio do PSDB? A nomeação da "banda boa" seria uma real contribuição para os bons costumes políticos.

Anônimo disse...

O Zambiasi pertenceria a banda boa?

Carlos Eduardo da Maia disse...

Professor Monteiro, eu não tenho partido e acho que o Brasil deveria construir uma coalizão de centro esquerda para levar esse país para a frente, como faz o Chile. Existe sim uma banda boa no Congresso Nacional e que está bem distante do velho ACM, do Azeredo. Por que o Brasil não faz uma coalizão social democrata com liberais , como acontece nos países europeus ? Mas o PT ao invés de procurar o lado bom do PMDB e PSDB prefere procurar o Sarney, o Calheiros, aquele senador cabeludo de MG.... Gente podre que sempre foi podre e é impressionante ver os blogs de esquerda defendendo essa gente podre que sempre esteve ligada ao Brasil feudal e mais atrasado.

Anônimo disse...

Como sempre tirado para dançar o Maia foge. Quem são esses liberais? O Serra do buraco do metrô? O Onix? Ou o Kassab?

Carlos Eduardo da Maia disse...

Anônimo, abre o leque. Em diversos lugares do mundo os liberais fizeram alianças com a centro esquerda por que no Brasil não pode ser diferente? O Serra não é e nunca foi um liberal. O Serra está muito mais à esquerda do que o Lula.

Anônimo disse...

Abre tu cara-pálida, que falou em liberais.

armando disse...

Maia, que história é essa de ética? Por que a direita quando fala essa palavra enche a boca? Que ética? A do Ratzinger, a de Hitler, a de Lutero, a de S. Mateus, a da empregada doméstica explorada, a do empresário poluidor e predador, a dos partidos políticos, a do Simon, a do Jefferson Perez, a do...???

Ética tem o mesmo sabor oportunístico de moral e de liberdade. É bom quando está do nosso lado, ou quando a temos.

Quem está do lado do povo? Maia, por quem o sol se levanta?

Chega de valores calcados e acostados na tradição judaíco-cristã, hipocrisia e cinismo. Ética é apenas o "zeitgeist" da época que vivemos. No mais, vamos cuidar da defesa do Gurarani de Bagé...

Prof. Monteiro disse...

Em maio de 2003 o senador Tião Maia (PT) apresentou emenda constitucional que propugnava o fim do voto secreto no Senado.Quase todos da oposição, certamente éticos da banda boa, acérrimos defensores da res publica, opuseram-se. Para maiores detalhes consultem blog de |Luiz Nassif.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Armando, se vc acha normal um senador da república ter contas pagas por um lobista de uma empreiteira é uma questão ética. Se é normal o PT fazer contrato de financiamento com as empresas de Marcos Valério que prestam serviços às estatais, é também uma questão ética. Não seja maniqueísta e não venha tentar passar aqui a imagem sagrada da cortina de fumaça. Você está se esquivando de entrar nas discussões que efetivamente importam; ou seja, aquele velho valor gramsciano de que não importam os meios e as morais, o que importa é o fim, a conquista do poder, como já confessou Genoino. Assim pensou Stalin, assim pensou os tiranos e totalitários. E a esquerda parece adorar os tiranos e totalitários.

Prof; Monteiro disse...

Pobre Gramsci!Foi reduzido à versão da leitura católica clerical do ínicio do século XIX,quando se publicou uma versão (falsificada) do Princípe,que teria sido comentada por Napoleão. Esta versão ainda é encontrada na tradução em língua portuguesa da Editora Hemus. Por favor Maia,trate de ler o Príncipe com muito cuidado, mas muito mesmo. Recomenda-se a tradução da coleção Pensadores, que tecnicamente é perfeita.As cartas de Maquiavel publicadas pela UNB também são úteis.E obviamente os Comentários à Década de Tito Lívio. Uma biografia intelectual, considerada quase definitiva é Maquiavel no Inferno da Cia das Letras. A relação meios e fins em Gramsci a partir de Maquiavel está em O Estado, O Princípe e o Estado Moderno (versão dos anos 60). Hoje já podes encontrar a versão crítica organizada pela Civilização Brasileira. E para que não afirmes com ligeireza que leio apenas os comunas um passeio por Weber é altamente educativo - não é à toa que Weber é considerado o Maquiavel burguês. E se tudo isso é muito difícil faça uma leitura passo à passo.começando pelo livro Maquiavel a lógica da força - Editora Moderna. Por favor Maquiavel fala que o uso da força não pode ser incontrolável, pois assim aos olhos do povo não será legítimo. A força deve ser calculada o que é bem diferente - isto se encontra no Príncipe,veja em particular o capítulo VIII.Boa diversão

Claudio Dode disse...

Disse o Eremildo Maia:
"Se não fosse a Veja ninguém saberia que o PT... fez um contrato de financiamento vergonhoso com Marcos Valério"
Não foi pela Veja que voce soube (e tenta escondr sempre) que o PSDB tinha desde sempre um contrato vergonhoso com o mesmo Marcos Valério? Foi
Que ética é esta tu falas e pretensamente tentas representar?

Anônimo disse...

Webber com dois bs disse:

Uauuu, tô ficando viciada no blog do Tóia. Pena que faltou Setembrina e para aguentar as asneiras do Maia só com muuuita Setembrina.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo