Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Obama negociou com a cabeça de Zelaya



Venceu a política do fato consumado ou do golpe consumado da direita, com o carimbo da Casa Branca

Acho que esse é o recado que a situação de Honduras envia para toda a região. E isso não é visão de brasileiro, ou de sul-americano.

É um legítimo representante da diplomacia americana que expressou a decepção com a nova equipe da Casa Branca.

Robert White foi embaixador americano em vários postos. Entre março de 1980 e março de 1981, serviu em El Salvador. Tempos difíceis. Era o começo da sangrenta guerra civil que durou 12 anos.

Na época, criticou a ultra direita e denunciou militares e grupos paramilitares de estavam cometendo atrocidades. Claro, foi chamado de volta assim que Ronald Reagan assumiu a presidência.

O ex-embaixador é presidente do Centro de Política Internacional e escreveu um artigo sobre a situação de Honduras que começa com a seguinte frase:

“Agora é possível reconstruir, com um bom grau de precisão, como a administração Obama transformou um triunfo diplomático iminente em uma derrota negociada”.

Ele deixa claro que os Estados Unidos trocaram o apoio que vinham dando a volta da ordem democrática, em Honduras, pela aprovação de duas indicações para o corpo diplomático (uma delas o futuro embaixador no Brasil) que a direita radical estava bloqueando no Congresso.

E o que é pior, ele descreve, para quem ainda não tinha percebido, como o Departamento de Estado enganou Manuel Zelaya, fazendo o presidente crer que havia realmente um acordo com os golpistas liderados por Roberto Micheleti.

Zelaya acreditou que os Estados Unidos zelariam pelo cumprimento do acordo. Pura ficção. Os gringos, mais espertos, deixaram a linguagem do acordo vaga o suficiente para permitir que nunca fosse levado a cabo.

O ex-embaixador conclui: “O resultado desta diplomacia cínica e amadora não poderia ser pior”.
Mas é o último parágrafo do artigo do diplomata americano que mostra para onde vai a relação dos Estados Unidos com o resto do hemisfério, que tanto acreditou nas promessas de mudança do candidato democrata:

“É triste contemplar como a administração Obama se atrapalhou com um desafio para o qual tinha o apoio de todo o hemisfério. Não é a toa que o Presidente Lula acusou o Presidente Obama de estar revertendo a promessa de uma nova relação com a América Latina”.

Eu só acrescentaria um dado a mais. Durante a campanha eleitoral, já havia sinais de que os novos ares nem sempre se traduziriam em novas práticas.

O candidato Obama publicou um documento traçando as linhas mestras da política para a América Latina que adotaria, caso fosse eleito.

E um dos parágrafos dava apoio à operação do exército da Colômbia em território equatoriano, em março de 2008. A plataforma de Obama não levou em conta o repúdio unânime da região à operação militar colombiana.

E agiu agora, mais uma vez, sem dar a menor pelota para a unidade diplomática contra o golpe de Estado que se formou na OEA. Ou seja, não foi uma grande surpresa.

Texto (menos os títulos) da jornalista Heloísa Vilella, do R7.

4 comentários:

Anônimo disse...

"Texto (menos os títulos) da jornalista Heloísa Vilella, do R7."

Dá para notar : NEGOCEAR?

Rapaz, tu é muito ruim de escrita!

valeriobrl disse...

Falo com antecedência que sendo Italiano meu português è péssimo.
A ausência dos Estados Unidos no cenário LatinoAmericano, reforça o peso do papel desenvolvido pelo Brasil nessa região.

Anônimo disse...

É meus caros, depois das bases negociadas com o narcogoverno da Colombia, que já apoia o golpe desde as primeiras (senão anteriores) horas, e deste teste, o Velho FDP do Tio Sam aquece o Big Stick para descer no lombo da ASmericfa Latina.

Claudio Dode

Zé Bronquinha disse...

O governo Obama vem para provar que as megas corporações das armas, petróleo, agroquímica, construção civil, automobilística e etc...não precisam de governos pois elas o são.Diferentemente de Bush, Obama nunca terá acento junto a esses "players", para definir os rumos principais da política global. Obama á um mandelete, fantoche desses interesses que dominam o mundo globalizado do capitalismo.Mandaram ele recuar sobre a correta posição assumida anteriormente, condenando o golpe que destituiu Zelaya, todavia, recebeu um recado de quem nmada efetivamente."Pára com isso que nossos aliados como Colômbia,Peru e Costa Rica estão noutra.A democracia é relativa!

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo