Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

RBS quer voltar à casa do Pai


De partido político da direita guasca à Disneylândia de bombachas?

Não é de estranhar que o jornal Zero Hora ao falar em Guerra Fria no Rio Grande (ver suelto abaixo, de 26/1) esqueça de mencionar que um dos combustíveis do conflito Leste-Oeste foi o anticomunismo.

No RS, hoje, o anticomunismo foi atualizado por um sucedâneo ideológico chamado antipetismo. O constructo do antipetismo é uma construção puramente mental – a exemplo do anticomunismo – usado com a funcionalidade de impressionar os espíritos simples do senso comum e mobilizar preconceitos e mitos os mais arraigados.

Quando esses elementos primitivos são excitados no fundo escuro de um espírito ingênuo ou mal formado, a razão passa longe e o indivíduo fica dominado por sensações que vão do medo à intolerância mais funda – presa fácil da propaganda mais simplificadora e rebaixada.

O anticomunismo tinha o mesmo efeito que o bicho-papão para as crianças. Ambos não existiam, mas operavam no susto. A velha União Soviética nunca quis exportar a revolução, aliás, um dos motivos pelos quais não se pode chamar aquele falecido regime estatal de comunista ou socialista.
Se o comunismo foi um bicho-papão que não era bicho nem papão, o mesmo se pode dizer do petismo, especialmente na atual fase de descenso e acomodação conciliatória.

Como se vê, a RBS usa velhos truques manjados para continuar assustando a população menos atenta com tigres de papel pintado.

O Rio Grande do Sul sempre se notabilizou por ter uma imprensa partidária forte e atuante. Do final do século 19 até boa parte do século 20, o Estado e suas principais cidades do interior ostentaram jornais e publicações identificados com os partidos políticos que faziam o debate público regional. O castilhismo-borgismo fez a sua revolução burguesa também através das páginas de “A Federação”, bem como os órgãos de imprensa alinhados com os maragatos, ferrenhos opositores dos republicanos sul-rio-grandenses.

A luta das frações de classe burguesa no Rio Grande sempre foi pública e publicada, pelos menos até o advento do golpe de 1964. Com o regime civil-militar golpista houve um rearranjo neste esquema.

Os dois principais jornais do RS – Zero Hora e Correio do Povo – modificam a trajetória de alinhamento político da imprensa regional. O Correio, criado em 1895, surgiu precisamente para quebrar o paradigma de que jornal deveria estar vinculado a partido político, e não se afiliou a nenhuma linha partidária, mas acabou ficando porta-voz do latifúndio e do setor primário em geral. Hoje, completamente desfigurado é apenas uma caricatura do seu passado.

O jornal ZH, do grupo RBS, é criado imediatamente após o golpe de abril de 1964 e se fortalece à sombra do crescimento da televisão como meio de comunicação de massa no Estado. ZH não tem a mesma origem dos demais órgãos de imprensa do País, cuja personalidade como jornal forjou-se na forma tradicional de fazer diários. Zero Hora resultou da reciclagem errática de um jornal com opinião política aberta – a Última Hora – e firma-se como orgão de mero apoio comercial à mídia televisão, uma espécie de revista de variedades, com notícias e informações em segundo plano. Seu criador, Maurício Sirotsky Sobrinho, sempre foi um animador de programas de auditório com afinado instinto comercial, e depois proprietário de rádios, e jamais teve formação de jornalista militante de redações diárias. Esse é um dos motivos de ZH ser tão pobre em texto e reportagem, as bases são insólitas e não há o menor traço de pedigree jornalístico.

Criado e crescido, portanto, na estufa morna da ditadura civil-militar, ZH cultivou hábitos de ocultar sua filiação político-ideológica, preferindo a política da dissimulação e da camuflagem. Mas isso não significa que não tenha personalidade política e identificação ideológica, ao contrário, não só ZH mas os demais veículos da RBS acabaram ocupando a lacuna funcional dos anêmicos partidos cartoriais do conservadorismo guasca.

Existe alguma ilegitimidade ou ilegalidade nesta representação política delegada da direita? Na origem, nenhuma. O que se contesta é a ocultação permanente desta representação. Aí passa a constituir-se num desvio de função e numa falsidade ideológica (para não falar em constituição de oligopólio de meios de comunicação, que é considerado crime, ao qual o MP Federal de Santa Catarina já está investigando) que deve ser reprovada e denunciada todos os dias.

Recentemente, o grupo RBS recebeu aporte de capital do investidor Armínio Fraga, cerca de 4% do seu capital social. Objeto do aporte: tornar um braço do grupo um forte player no ramo do entretenimento de massas no Brasil.

Vê-se que a RBS retorna ao seu leito de origem, como no mito bíblico, o bom filho à casa torna. Maurício Sobrinho, seu fundador, foi um animador de auditório bem sucedido, pois, agora, seus sucessores fazem justiça ao legado do patriarca voltando ao ramo do entretenimento – de onde nunca deveriam ter saído.

Agora, espera-se que dêem o looping negocial: que saiam do ramo partido-político-da-direita-guasca e migrem em definitivo para adotarem o figurino da Disneylândia de bombachas.

Que Ha-shem os ilumine (e Fraga os financie)!

28 comentários:

el barto disse...

só naum sei se a jaguarada nauseabunda da beira-dilúvio vai ter $$$ pra disneyguasca depois de pagar a indenização pro engenheiro...

Ary disse...

Excelente artigo Cristof. E nessa Disney guasca temos a versão bombachuda de algumas pesonagens.

Anônimo disse...

que engenheiro, Barto?

Anônimo disse...

O episódio-símbolo da "guerra fria" durante o governo Olívio arrepiaria qualquer pessoa que tenha valores, digamos, republicanos. Não, não foi o relógio ou sei lá o quê. Pela primeira vez na história, o governador se recusou a passar o cargo a seu sucessor legitimamente eleito.
Seria interesante imaginar as capas de ZH se Olívio não tivesse passado o cargo a seu sucessor.

panoramix disse...

Ou se tivesse comprado uma mansão logo após ter sido eleito governador e não conseguisse explicar corretamente como o negócio foi feito! Olívio teve quatro anos de massacre do governo federal, da mídia guasca e do legislativo. Corajosamente contrariou interesses e foi crucificado. Vejam o exemplo de Yeda Crusius: qualquer crise abre as torneiras e imediatamente seu governo passa a ser ótimo, com direito inclusive a pleitear uma possivel reeleição, um novo aparelho voador ou quem sabe até a presidência da república! Enquanto a RBS tiver apoio de éticos como Pedro Simon/Alceu Collares e seus respectivos partidos continuara a mesma tática da demonização do PT e estamos conversados!

el barto disse...

olha o site do polibio praga, só toma um antiácido antes, hehehehe...
ps: enquanto a trololó barbitúrica insiste com o aeroloca, os carros de bombeiros tão se desmanchando... até a abelhinha deu uma letra pra ela,
bah!!!

Pmarkes disse...

Vejo que está na hora dos movimentos sociais romperem com a inércia que o tem caracterizado em relação ao absurdo do monopólio dos meios de comunicação e iniciarem uma campanha, que poderia ter como slogam "ZH,mostra a tua cara". Para que o jornal assuma de vez a sua identidade de órgão oficial da direita guasca. Excelente artigo.Que sirva para acordar a nossa esquerda.

panoramix disse...

Pmarkes os movimentos sociais foram congelados pelo conciliador Luiz Inácio Lula da Silva em nível nacional!

mário casado disse...

Essa esquerda partidária não acorda tão cedo, Pmarques. O lulismo é como um Boa Noite Cinderela.
Vão dormir até babar.

Anônimo disse...

Quanto comentarista recalcado e com dor de cotovelo!

fabricio disse...

A RBS É O FRACASSO NA IDONEIDADE DA INFORMAÇÃO !! É TEDIOSO LER AS MESMAS DESTE JORNASLISMO MEDIOCRE E ALINEADOR DO RS !!

Luís disse...

Excelente artigo.
Fora a conotação ideológica primária e óbvia, o anticomunismo serviu para impor e unificar padrões de exploração política/social... o antipetismo nada mais é do que uma versão modernizada desse discurso/movimento, versão especialmente gaúcha, mas não somente. Neste contexto, ZH é "apenas" o panfleto-mor do baronato gaudério e, como tal, tem que ser antipetista.
Quanto à "ameaça petista", de novo, se a nível federal a gente-de-bem quer enlouquecidamente voltar a controlar recursos "gastos" em coisas fora do seu interesse, especialmente aqui no RGS essa ameaça é mais do que real, pois o baronato não abre-mão de controlar o FUNDOPEM; controlar o DETRAN, o DAER, o BANRISUL (já que ele foi preservado, mesmo...); agora se sabe melhor como é importante controlar a SEMA; etc, etc...

Carlos Eduardo da Maia disse...

Há de se considerar que assim como o comunismo ou (como queiram) o socialismo real tinha muita coisa errada, o petismo, sobretudo no RS, continua fazendo seus grandes equívocos. E por isso nasceu o anticomunismo que fez com que o povo unido derrubasse o muro de Berlim e continua em voga no RS o antipetismo. Que equívocos comete o PT-RS? continua tendo um ranço anticapitalsta e tem verdadeira ojeriza em fazer alianças. Em outras palavras, o PT-RS continua com o infantilismo do ressentimento contra qualquer movimento capitalista e por isso se isola. Não é a RBS que está fazendo o PT -RS perder sucessivas eleições, é o próprio PT-RS que insiste em se apostar no desagregador e impopular Olívio Dutra que se isola e, por isso, perde eleição. A saída para o PT é apostar no sangue novo e arejado do Jairo Jorge. Este é o cara.

Noiram disse...

Esse Maia morre de ressentimento pelo PT.
Funda um partido pra ti e esquece que o PT existe!!!

edu disse...

O maia ja esta no ponto de ser banido.

Ja nao escreve nada real, apenas fantasia.

Enquanto a mascara nao tinha caido, era aceitavel discutir tais argumentos, hj em dia nao mais.

Curioso como criticam o Olivio, MAS QUEREM FAZER PARTE DO PARTIDO DELE!!!!!

Ridiculo como colocam defeito na administraçao 99/02, MAS QUEREM FAZER PARTE DAQUELA DE 2011/2015!!!

Parece criança "pedicheira".

Carlos Eduardo da Maia disse...

Edu, eu não quero fazer parte do PT. Já fui simpatizante e esgotei meu ciclo. Pode ser que um dia eu volte a votar no PT. Quando ele se assumir que é efetivamente um partido social democrata. Quem sabe? Acho que seria salutar para o RS se acabasse de vez com essa divisão ideológica absurda. O Rs tem que achar um caminho além dessas cretinas rusgas cotidianas. Mas o PT-Rs que é sim ressentido e gosta de se isolar (e de se alienar) e o pior e mais complicado: não está minimamente interessado em construir convergências. Você, por acaso, está interessado em construir convergências, Edu? Eu acho que não. Então, o caminho é apostar nos novos nomes, nas novas gerações. E Jairo Jorge parece ser o cara. Pelo menos é a novidade. Vida longa a ele.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Uma sugestão off post: vejam, please, nos cinemas que o mercado oferece a "Curiosa História de Benjamin Button", uma adaptação (com modificações) de um conto fantástico do F. Scott Fitzgerald. Recomendo, pois é muiito bom.

gustavo disse...

Só duas coisas Maia,

ja que gosta tanto dele, pega o Jairo Jorge pra ti, pra tua casa, pro teu partido, pra tua prefeitura, pra o que tu quise. é uma figura tão detestável quanto a tua pessoa.

e mais, fazendo um favor, vai fazer indicação de filme pra senhora sua mãe!nos poupe dessa banca hiprócrita de intelectual fashion que tu não convence nem uma criança 7 anos.

fabricio disse...

MAIA ! O FRACASSADO DAS TREVAS !!! NÃO EXISTE LUZ NO QUE ESCREVE !!

Vai te catar Maia-lacaio-do-capitalismo disse...

Ô Maia-lacaio-do-capitalismo, enfia tua sugestão idota de filme no teu rabo.

Ninguém aqui é afim de tuas lorotas, tu és um palhaço metido a intelectual de Google e Wikipédia.

E quanto ao PT, lava a tua boca podre prá falar em PT, tu nunca votou no PT, tu é pau mandado prá ficar desvirtuando a discussão, seu babaca.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Viram só como o PT e seus simpatizantes são ressentidos e gostam de se isolar? É a herança do Stalinismo. Como choram essas viúvas de mal com a vida.

Jean Scharlau disse...

RBS, infelizmente, não é o circo, arma o circo. Não, ProFeilsor, não vejo perspectivas de melhoras para nós. Eles estão é se especializando em armar circos mais envolventes e maiores.

Anônimo disse...

Fala Padre Ary!!!

Ary disse...

Uma bandeira de Cuba na janela do Piratini rendeu quatro anos de asneiras na RBS.

Anônimo disse...

"Intelectual Fashion"!

edu disse...

O fato é que estamos numa pior, o Estado ja era ingovernavel, agora com a divida que aumentou 50%, nao sei mais o que fazer.

Rigoto e coisa ruim vao destruir completamente a economia do Estado ao final de 8 anos.

Com um percentual enorme de terra agricola destinada ao cultivo de pinheiros e eucaliptos, vejo miséria no nosso futuro.

Acordemos companheiros, sem violencia, vamos nos unir em pequenos grupos, formar cooperativas de credito (mesmo que sejam entre 3 pessoas), cooperativas para aquisiçao de mercadorias no atacado, fazendas em condivisao, escolas administradas pelos pais, tudo isso sem gerente ou mandante, cada um é responsavel pela propria parte, tudo às claras e sem cabresto de um "mandante".

Ou começamos ja, no nosso pequeno/grande universo a nos organizar, ou viveremos na miseria daqui a 15 anos.

O Estado faliu, a eleiçao de 2010 serve apenas a "eles" os proprietarios dos tributos que pagamos.

CLECIO disse...

MAIA ! QUEM ESPARRAMA ?? NO LUGAR DE JUNTAR?? ENTÃO A YEDA NÃO DESAGREGA? NÃO DIVIDE EGOÍSTICAMENTE ? MAIA ! POR FAVOR VÁ CURAR TUA DEMÊNCIA EM OUTROS PAGOS !! O CAPITALISMO ESTÁ NO FUNDO DO POÇO !! NÃO MISTURA PARTIDO NESSE ASSUNTO ! ASSUMA QUE VOCÊ É UM FRACASSADO CAPITALISTA !!

Anônimo disse...

Maia lacaio do capital especulativo internacional! ahjheaushajshaahaha

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo