Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

domingo, 4 de janeiro de 2009

O soldado piedoso




E o anjo palestino

O soldado israelense reza antes de introduzir-se em seu tanque de guerra e invadir a Faixa de Gaza para bombardear indiscriminadamente a população civil palestina, campos de refugiados e prédios do Hamas.

Ato contínuo, Deus o ajudou e ele fez um anjo, que em vida chamava-se Lama Hamdan, uma menina palestina de 4 anos, flagrada sendo enterrada no cemitério de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, pelo fotógrafo da Reuters, Mohammed Salem. A fotografia do devotado é de Menahem Kahana da AFP.

16 comentários:

flics disse...

Quando dos bombardeios de Madri – durante a guerra civil espanhola e os primeiros a se fazerem maciçamente contra os civis, Paul Éluard escreveu este belo poema:

Regardez travailler les bâtisseurs de ruines
Ils sont riches patients ordonnés noirs e bêtes
Mais ils font de leur mieux pour être seuls sur terra
Ils sont au bord de l’homme et le comblent d’ordures
Ils plient au ras du sol des palais sans cervelle
Ont s’habuitue à tout
Sauf à ces oiseaux de plomb
Sauf à leur haine de ce que brille
Sauf a leur céder la place.

Olhem o trabalho dos construtores de ruínas
São ricos pacientes sujos negros e idiotas
Mas eles fazem tudo para serem os únicos na terra
Estão ao lado dos homens e o cobrem de lixo
Curvam-se ao chão diante de palácios idiotas
Habituemo-nos a tudo
Menos a esses pássaros de chumbo
Menos ao ódio que eles tem ao que brilha
Menos a lhes ceder o lugar.

p.s. não sei se é tempo de poesia e desculpem a tradução literal)

Anônimo disse...

Puxando um pouquinho aqui e ali, nas pernas daquele símbolo q está atrás da torre do tamque e temos uma suástica fácil, fácil.

Anônimo disse...

O sionismos é o nazismo circuncisado

Mentiroso disse...

Israel é um estado terrorista e já o era antes da sua fundação, semenando bombas por todo o lado. Quem tenha memória que se lembre.
Israel é um povo que devido ao seu procedimento criminoso e nazi não tem mais o direito de existir. Deveriam deitar-se-lhes em cima tantas bombas de napalm até que não restasse um só sionista vivo.
Para recapitular a história deste povo maldito que leva a guerra e o desentendimento desde milénios, veja-se aqui;
http://www.leaopelado.org/exodus.htm
aqui: http://mais-mentiras.blogspot.com/2008/12/os-novos-nazis.html
e aqui: http://leaopelado.blogspot.com/2007/03/terrorismo.html
Na página do primeiro link há links de grande importância para outros autores.

Anônimo disse...

Fundamentalismo sionista que mostra bem para que serve o Javé que tanto idolatram, esses cínicos da razão.

armando

Anônimo disse...

Por que este blog, assim como toda imprensa, silencioou nos últimos três meses em que o Hamas promoveu uma verdadeira chuva de mísseis diários nas cidades do sul de Israel?

O que eles deviam fazer, aceitar isso passivamente?

Carlos Eduardo da Maia disse...

Falar mal do Hamas é proibido.

Anônimo disse...

Pode falar sim Carlo "certa esquerda Maia, mas precisa falar a verdade, como por exemplo, que o Hamas foi escolhido democraticamente pelo povo palestino, que Israel criou em Gaza um Gueto como o de Varsóvia e que os foguetes do Hamas são artesanais, fazendo mais barulho que estragos. Enfim, falar que morreram mais de 500 palestinos contra 5 judeus. Assim, fica mais fácil dialogar, não o silêncio cínico da razão que só tem um lado.

armando

Anônimo disse...

Tá lá no RA:

" Em junho de 2007, esse mesmo Hamas foi à guerra contra o Fatah na Faixa de Gaza. E venceu. O grupo preferiu não fazer prisioneiros. Os que eram rendidos ou se rendiam eram executados com tiros na cabeça — muitas vezes, as mulheres e filhos das vítimas eram chamados para presenciar a cena. “O que ocorreu no centro de segurança [as execuções] foi a segunda liberação da Faixa de Gaza; a primeira delas foi a retirada das tropas e dos colonos de Israel da região, em setembro de 2005", disse então Sami Abu Zuhri, um membro do Hamas. “Estamos dizendo ao nosso povo que a era do passado acabou e não irá volta. A era da Justiça e da lei islâmica chegou", afirmou Islam Shahawan, porta-voz do grupo. Nezar Rayyan, também falando em nome dos terroristas, não teve dúvida: “Não haverá diálogo com o Fatah, apenas a espada e as armas. Desde 2006, quase 700 palestinos foram assassinados por rivais... palestinos.".

É preciso mais?

Nelson Antônio Fazenda disse...

Pois é, meu caro anônimo. Se o Hamas é tudo isso que você está afirmando, não seria preciso mais, mesmo. Porém, parece que o Sistema de Poder que domina Israel quer mais. Quer se tornar muito pior do que esse Hamas que você pintou.
Ou lançar bombas de 1.000 libras sobre universidades, escolas, hospitais, bairros residenciais, mulheres e crianças, não é bem pior do que o Hamas está fazendo?

Carlos Eduardo da Maia disse...

Armando, a razão nunca tem um lado. O alimento do Hamas (eleito sim democraticamente, mas que quer e luta pela extinção do Estado de Israel) é a revolta do povo palestino contra o canhão de Israel. O radicalismo se alimenta do radicalismo.

Nelson Antônio Fazenda disse...

Meu caro anônimo das 12:50h. Se a imprensa toda silenciou, será que existiu realmente essa "chuva de mísseis diários sobre as cidades do sul de Israel?"
Digo isso porque, se um palestino lançasse um traque que fosse contra Israel, o fato já se tornaria manchete na imprensa sensacionalista e pró-Israel.
Mas, será que os ataques de Israel são motivados somente pelos foguetes do Hamas?
O jornalista, ISRAELENSE, Ury Avnery, escreveu um artigo em que faz uma pequena reconstituição dos acontecimentos que antecederam a escalada assassina das forças de Israel. No artigo, Avnery afirma, entre outras coisas:
"De fato, não se pode dizer que o cessar-fogo foi rompido, porque nem chegou a haver cessar-fogo, para começar. A principal exigência, para que haja qualquer cessar-fogo na Faixa de Gaza é que se libere a passagem nos postos de fronteira. Não há vida possível em Gaza sem um fluxo regular de suprimentos. E os postos não foram abertos, senão apenas por algumas horas, esporadicamente. O bloqueio por terra, mar e ar contra 1,5 milhão de seres humanos é ato de guerra, tanto quanto lançar bombas ou lançar rojões."
"Os que decidiram fechar os postos de passagem - seja qual tenha sido o pretexto - sabem que nunca haveria e não houve efetivo cessar-fogo, nessas condições."
"Isso é o principal. Depois, vieram as provocações menores, planejadas para obrigar o Hamás a reagir. Depois de vários meses, durante os quais praticamente não foram lançados rojões Qassam, uma unidade do exército foi mandada à Faixa, para "destruir um túnel localizado muito próximo da cerca de fronteira". De um ponto de vista estritamente militar, faria mais sentido montar uma emboscada dos dois lados da cerca. Mas o objetivo era criar um pretexto para pôr fim ao cessar-fogo, de modo que parecesse plausível culpar os palestinenses. Afinal, depois de várias pequenas ações, nas quais foram assassinados combatentes do Hamás, o Hamás retaliou com lançamento massivo de rojões, e - abracadabra - acabou o cessar-fogo. Todos culparam o Hamás."
"Para quê? Tzipi Livni disse abertamente: para derrubar o governo do Hamás em Gaza. Os rojões Qassam foram o pretexto."

Bem, já me alonguei demais. A íntegra do artigo do jornalista ISRAELENSE, torno a frisar, pode ser lida acessando http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/ury-avnery-palavras-definitivas-sobre-uma-guerra-insana/.

Malacara disse...

Mísseis, chuva de mísseis?
Olha a foto lá acima que o Feil colocou dos foguetinhos Qassam.
Aquilo ali é buscapé de São João, por favor.
Olha o estrago que a aviação norte-americana-israelense faz em Gaza, já destruiram até a Universidade e a biblioteca, gente.
Quem tem armamento proíbido é Israel, alta tecnologia pra matar meninos de funda e pedras na mão.

Anônimo disse...

Hoje o fasci-nazismo tem nome e sobrenome: Estado terrorista e sionista de Israel. Só a razão cínica não quer perceber. E conseguem o que todas as organizações de resistência não conseguiram: ódio e mais ódio.

armando

Anônimo disse...

Se me expulsassem da minha terra, matassem meus irmãos, me enfiassem junto com meus filhos em um esgoto sujo, sem comida, sem água e passando frio, podem ter certeza que eu iria correndo lançar foguetinhos nesses filhos da puta. Na hora, sem hesitar.

Anônimo disse...

O FDP voltou, e como mão poderia deixar de ser defendendo os sionistas que roubam o território palestino, pela sua parecência com o nazismo que ele cultua.

O nazista do Maia voltou e com ele as meias verdades e mentiras e toda a sorte de filha da putice onerente do vassalo do "mercado".

Claudio Dode

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo