Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008


RBS: música, hipocrisia e cerveja – parte dois

Rejane, leitora deste blog e brava cidadã, encaminhou formalmente à Ouvidoria do Ministério Público do Rio Grande do Sul o conteúdo do post publicado aqui segunda-feira passada (21), cujo título é “RBS: música, hipocrisia e cerveja”.

Eis a resposta dos Procuradores de Justiça à Rejane.

Dossiê n.º 165/2008 - Reclamação

Prezada Senhora:

Em atenção à manifestação recebida na Ouvidoria do Ministério Público do Rio Grande do Sul, Dossiê n.º 165/2008, em 22/01/2008, informamos o encaminhamento dos fatos, para conhecimento e providências cabíveis, aos seguintes Órgãos:

1) Promotoria de Justiça de Capão da Canoa (Ofício n.º 211/2008-OMP), localizada na Rua João Cristiano Scheffer, n.º 546, Bairro Zona Nova, Capão da Canoa/RS, CEP: 95.550-000, telefone (51) 3225-2502, e-mail
mpcapao@mp.rs.gov.br, à;

2) Ouvidoria do Governo do Estado do Rio Grande do Sul (Ofício n.º 221/2008-OMP), localizada na Praça Marechal Deodoro, s/n.º, Bairro Centro, Porto Alegre/RS, CEP: 90.010-282, e ao;

3) Diretor-Presidente do Grupo RBS (Ofício n.º 186/2008-OMP), com gabinete localizado na Av. Érico Veríssimo n.º 400, Bairro Menino Deus, Porto Alegre/RS, CEP: 90.160-180.

Na oportunidade, reafirmamos a Vossa Senhoria nossa consideração.

Maria Regina Fay de Azambuja,
Procuradora de Justiça,
Ouvidora do Ministério Público.

Eduardo Wetzel Barbosa,
Procurador de Justiça,

Ouvidor Substituto.


Como se observa, não há qualquer instrução acompanhando a comunicação do fato. Os Procuradores de Justiça, na função de ouvidores, se limitam apenas a dar a notícia do fato à Promotoria de Capão da Canoa (local do evento Planeta Atlântida), à Ouvidoria do Governo Estadual, e ao Diretor-Presidente do grupo RBS.

11 comentários:

Callado disse...

Acho que o MP tem que ser bombardeado, no bom sentido, com reclamações da cidadania como essa. Quem está incomodado tem que demandar, não pode ficar reclamando só na horizontal, tem que fazer subir a voz da cidadania, verticalizar para os agentes públicos.

O MP quanto mais demandado mais satisfações tem que dar à sociedade. A RBS comete esses desatinos porque sabe que não deve satisfação a ninguém e imagina que a massa é formada de bananas moles e Homer Simpsons.

Um simples gesto deste como o da Rejane tem um alcance muito grande, no mínimo o Jurídico da RBS está agora debruçado para examinar chicanas de como se ver livre deste incômodo. Minar os anunciantes da mídia golpista também é uma forma de combatê-la, tanto mais quando é a Schincariol velha conhecida da Receita Federal, MP de São Paulo e da Polícia Federal. E parabéns ao blog por ter levantado essa lebre.

Baiacurs disse...

Vamos ver o alcance das reclamações enviadas a MP, logo, logo. Creio que o "jurídico" do Grupo RBS já tenha passado a bola para o "Marketing", para o setor organizar uma forma de lucrar em cima das observações dos distintos cidadãos e cidadãs! Vai ser moleza, entre um anúncio e outro, uma notinha dizendo que é proibida à venda de bebidas alcólicas a menores, que estarão fazendo uma fiscalização rigorosa, blá, blá... assim os pais podem ficar tranquilos, e as referidas empresas posarem como comprometidas com as causas da sociedade e tal....
O MP também pode dar uma lucradinha, algum procurador dar umas entrevistinhas nos programas do Grupo RBS, acariciar o ego, essas coisas todas tão comuns nesse Big Brother que se transformou a televisão brasileira.

PALANQUE DO BLACKÃO disse...

Cristóvão,

A ouvidoria do MP sabe muito bem o que está fazendo. Afinal de contas, a grande maioria dos funcionários de vários escalões (mesmo aqueles que ganham pouco, fora motoristas, faxineiros, copeiros, ascensoristas, carpinteiros, eletricistas e hidráulicos entre outros) são advogados formados - muitos deles com vários anos de casa.

É inegável que muita coisa se resolve (ou deixa-se de resolver) através da rede social que, neste caso, engloba muitos concursados do Judiciário que, por serem de classe média ou alta, têm muitos conhecidos nas empresas citadas e também no Executivo e no Legislativo.

Como muitos são membros de famílias que cresceram acreditando no ideário neoliberal, crêem que minimizar as denúncias manterá milhares de empregos na RBS e na Schincariol.

Enfim, c'est la vie...

[]'s,
Hélio

Carlos Eduardo da Maia disse...

Essa "denúncia" sobre um fato futuro, porque o planeta atlântida 2008 não ocorreu ainda, diz respeito ao fato de um mega show -- onde adolescentes participam -- não pode ser patrocinado por empresa que vende bebida alcóolica. Seria o mesmo que impedir que o campeonato brasileiro - onde crianças e adolescentes também frequentam -- tivesse propaganda da Brahma ou da Heineken. Ou o governo do PT faz uma lei geral , como já aconteceu com o cigarro (na gestão do Serra), impedindo que empresas de bebidas alcoólicas patrocinem e façam propaganda de seus produtos, ou tudo se resolve no caso a caso. O fato da Schin financiar o Planeta Atlântida da RBS não tem nada de ilegal e o MP nada pode fazer a não ser solicitar o reforço na fiscalização para que adolescentes não tomem bebidas alcoólicas.

Juarez Prieb disse...

Maia, ninguém está propondo proibir nada. A lei já veda a venda de bebida alcoólica para menores. Já está proibido. Portanto, não se faz de desentendido.
Apenas procura responder as perguntas que o Feil fez. E depois não se critica por atos futuros. Todos os anos acontece essa festa da RBS na praia, e todos os anos os muitos jovens bebem como se adultos fossem. Todo o RS sabe disso, mas a RBS insiste em patrocinar campanhas institucionais cínicas que visam muito menos o objeto declarado e muito mais a autopromoção de uma imagem pública positiva, comunitária e cultural. O post diz que tudo isso é fake. Esse é o ponto. É disso que se trata seu Maia.

Anônimo disse...

Com Cristóvão voltando ao trabalhar um copiador pouco criativo também fica ocupado.

Carlos Eduardo da Maia disse...

Prieb, a RBS tem mais mesmo que patrocinar campanhas institucionais de educação no trânsito e se isso é autopromoção de uma imagem pública, comunitária e cultural qual o problema? E o fato da mesma RBS patrocinar o planeta atlãntida com patrocínio da tenebrosa Schin, da Pepsi, da Vivo, das Lojas Renner e do Canal Multishow da Net não significa que ela esteja sugerindo que adolescentes bebam cerveja ou tomem pepsi ou que comprem na Renner ou que tenham celular da Vivo. É apenas propaganda de quem patrocina e nada mais além disso. São essas empresas que dão o dinheiro necessário para o Rappa, para o Jorge Ben Jor e para o Skank tocarem para o público. Porque uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Mas cada um interpreta os fatos de acordo com seus conceitos e preconceitos. São os aspectos pitorescos e fakes da vida. E que bom que existem esses aspectos. E que bom que vivenciamos a diversidade.

Joca disse...

Um momento, Maia, o público que vai lá no xou paga, não vai de grátis.
Calma.
Os anunciantes pagam e o público paga. Todos pagam.
Mas vejam que para o Maia, a publicidade está naturalizada. Para ele, não há nexo entre divulgar anúncio da Schin (blearghhhh!!!) e consumir produtos da Schin (perdão!).
O anúncio dos patrocínios masters é tão natural como o nordestão e o marron do mar gaúcho.

Daniel disse...

Joca,
Longe de mim querer defender neoliberal, porém quanto ao nexo entre "divulgar anúncio da Schin (blearghhhh!!!) e consumir produtos da Schin (perdão!", usando tuas próprias palavras é óbvio.
Ao anunciante cabe fazer anúncio ao público que se destina. É hipocrisia achar que os "jovens" só vão beber a porcaria da cerveja só pq ela está associada ao Planeta. Se fosse a Heinekken eles tb beberiam. Mas é claro, prá gurizada quanto mais barata, melhor a cerveja. Outra coisa: está correta a associação bebida alcólica e juventude. Ou será que alguém pensa que o único beberrão é o porteiro do prédio? Vai na "balada" e verifica se a maioria, e a maioria não está bebendo e fumando, e depois me conta.
Talvez o problema seja maior que o Planeta Atlântida.

Joca disse...

Daniel, o que eu quis dizer ao Maia é exatamente isso, o óbvio. Mas parece que o Maia não conhece lógica.
A gente sabe que isso tudo acontece na balada, Daniel. O problema é a RBS querer privatizar a balada e cobrar por algo que poderia ser livre, já que os patrocinadores bancam o xou.

E quanto a tua última frase é ÓBVIO ULULANTE que o problema é bem maior que o rápenim de Atlantida.
ÓBVIO!!!

Carlos Eduardo da Maia disse...

Essa é boa a RBS quer privatizar a balada porque cobra entrada do público... Quando Olívio fez aniversário o PT cobrou ingresso. Por esse lógica tri bacana, podemos dizer que o PT quer privatizar o aniversário do Olívio.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo