Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008


Para Conceição, a política de juros de Lula é "imbecil"

A economista Maria da Conceição Tavares, militante do PT, classificou como "imbecil" a política de juros do governo Lula.

Em entrevista à revista "Desafios do Desenvolvimento", do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), órgão vinculado ao governo federal, a economista afirma que o modelo de desenvolvimento do país não está completo. Segundo ela, o Brasil não pode ter como meta ser só um exportador de matérias-primas. Conceição é membro do novo Conselho de Orientação do Ipea, cujo presidente é Marcio Pochmann.

A economista afirma ainda que a exportação de produtos manufaturados hoje está relacionada à existência de contratos de longo prazo, que podem não ser renovados caso o câmbio permaneça no nível atual. A informação está na Folha de hoje.

Conceição (foto) responsabiliza os juros altos por esse cenário e diz que representantes do governo, como Lula, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, estão cientes dos efeitos provocados pelos juros. Em dezembro, o Banco Central decidiu manter pela segunda vez seguida a taxa básica de juros em 11,25% ao ano. O BC justificou a decisão afirmando que o ritmo de crescimento da economia poderia pressionar a inflação.

Para Conceição, no entanto, os fatores que levaram o banco a manter os juros no patamar atual foram o fato de não saber como o Fed (Federal Reserve, o BC dos EUA) se comportaria e não conhecer ainda a dimensão exata da crise do crédito imobiliário de risco. Ela refuta a hipótese de que a preocupação com a meta de inflação tenha sido o fator responsável pela manutenção da Selic.

Segundo a economista petista, justamente em razão da situação no mercado externo o país precisa reduzir os juros para não ser pego de surpresa e evitar os efeitos de eventual variação mais forte de moeda no mundo. Dessa forma, seria possível, de acordo com Conceição, fazer com que o câmbio pare de se valorizar gradativamente.

11 comentários:

Anônimo disse...

Aliás, a dona Conceição gosta da frase que os chilenos usavam na época de Allende: "pode ser um governo de mierda, mas é o nosso governo de mierda"

Parafraseando, diria que é nosso tirando a parte econômica, esta dos banqueiros, está claro.

armando

Carlos Eduardo da Maia disse...

Interessante é que exatamente na parte econômica que o governo do PT está acertando. A política de juros instituída pelo governo tem como reflexo imediato o controle da economia e da inflação e não se pode ser irresponsável, como defende a nossa querida portuguesinha da gauche, de reduzir drasticamente taxa de juros, porque essa redução deve ser gradual, de acordo com os passos da economia. Não se trata de alimentar a pança do banqueiro. Trata-se de um lado intrínseco do próprio capitalismo, é fundamental que banco dê muito lucro, porque isso gera investimento, poupança e renda.

sueli halfen ( POA) disse...

Vi , vi sim...essa senhora chorar de alegria quando foi criado o Cruzado I
Depois disso, com os acontecimentos,tenho muitas e muitas dúvidas sobre o que ela pensa.

Ju disse...

Sueli, mesmo se sabendo que ela é petista?

Um petista tem que renunciar ao senso crítico? Tem que virar vaquinha de presépio?

sueli halfen ( POA) disse...

Oi JU...

Ju eu simpatizo com o PT e votei várias x ,e no Sr. Presidente Lula tb...mas isso não quer dizer que o PT tenha que ser composto de gente sempre sensata e lúcida! (acho que foi à isso que tu te referiu...se não foi,me diz ! )
E vou continuar votando na maioria do PT sensata.Mas essa sra. Conceição ou não consegue passar intelegivelmente suas idéias para o povão (eu sou ) ou é "estranha"...

Foi o que quis dizer.

abraço Sueli

Anônimo disse...

"... é fundamental que o banco que dê muito lucro, porque gera investimento, poupança e renda".

Com estas palavras surge uma nova teoria econômica.

Colocarei no lixo que tudo que li na gloriosa Falculdade de Economia. Tinha entendido que o ponto gerador da renda eram as atividades nos setores produtivos como a agricultura, a indústria, os serviços, etc.

Como sou burro!!!

Sugiro o Maia para o Prêmio Ignóbil de Economia!!!

Carlos Eduardo da Maia disse...

Pois é, Anônimo, então ocorre no Brasil uma grande anomalia, porque se tributa -- e se tributa bem -- por algo que não existe, a renda do investidor de fundos de investimento e de ações..... E essa graninha - justamente arrecadada -- pode ir para o Bolsa FAmília ou para compra de terras para fim de reforma agrária. O governo do PT que está no poder é quem decide.

Anônimo disse...

Deixa de dizer asneira e compra o Dicionário de Economia do Prof. Sandroni. Está nas boas casas do ramo. Ou então não fala mais de economia para não agredir os conceitos consolidados. A renda tributada no banco não é a do banqueiro é a renda do rentista (o industrial, o agricultor, etc.). Entendeu?

Carlos Eduardo da Maia disse...

Deixa de ser formalista, anônimo. Eu não estava referindo a renda do banqueiro, mas do rentista. Mercado financeiro tem necessariamente que dar lucro, tem que ter credibilidade para atrair investimentos e gerar renda ao rentista. Se não for assim, o pessoal vai aplicar esse dinheiro em outro lugar.

Anônimo disse...

Velha IS/LM posta em prática. Nada mais efetivo no momento

Fernando disse...

Sueli,

A explicação para o fracasso do Cruzado é uma e simples. A Inflação em sua essência, apesar de que em muitos casos outros fatores a impulsionem ("Estrutura" e choques de oferta), é um problema de distribuição, do modo de produção capitalista. Quem de fato quiser ao mesmo tempo combater a inflação e redistribuir de fato, muito provavelmente vai sofrer com hiper-inflações e desabastecimento. Luta de classes, nada mais.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo