Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

quarta-feira, 11 de julho de 2012

O talentoso senhor Ripley



O talentoso senhor Dirceu

A imprensa rende-se ao julgamento do mensalão. Se você achava que o debate público não podia ficar mais pobre, pense de novo.


Futricas do Supremo, dedo em riste da CUT e outras levezas serão nosso pão cotidiano durante as próximas semanas.


Esta coluna ignoraria o tema solenemente, não fossem os efeitos do mensalão sobre a política externa brasileira.


A história começa há dez anos, em julho de 2002, quando José Dirceu foi aos Estados Unidos pela primeira vez.


Não falava nem entendia inglês. Não conhecia quase ninguém. Mas Lula crescia nas pesquisas de intenção de voto, Fernando Henrique patinava e o "Financial Times" sentia cheiro de calote no ar.


Não era a primeira crise financeira a coincidir com uma eleição presidencial. Em 1998, um Fernando Henrique acuado pedira socorro ao presidente Bill Clinton.


Em 2002, Lula não tinha como fazer o mesmo com George W. Bush porque o PT estava longe dos centros americanos de opinião pública, pensamento e poder.


O "New York Times" tinha lá seu naco de razão: "Um governo esquerdista do PT e um governo conservador republicano podem ser uma combinação explosiva".


Lá foi José Dirceu com a "Carta ao Povo Brasileiro" debaixo do braço. Em Nova York, conversou com gente de JP Morgan, Citigroup, Morgan Stanley, Lehman Brothers, ABN Amro, Bear Stearns, da Alcoa e também da Moody's.


Em Washington, visitou a central sindical americana AFL-CIO, o Banco Interamericano, o Departamento de Estado, o Tesouro, o Conselho Econômico Nacional e o Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca. Tirou foto solene no Ground Zero. WikiLeaks e outros documentos abertos pela lei americana de acesso à informação revelam que ele convenceu.


Em poucos meses, Lula e Bush montariam a aproximação diplomática mais ambiciosa de uma geração. Patrocinaram o primeiro encontro ministerial dos dois países, consultaram um ao outro sistematicamente e a Casa Branca começou a argumentar que o Brasil era "uma potência global em ascensão". Em relações internacionais, reconhecimento é poder.


O mensalão jogou esse trabalho por terra porque era Dirceu quem mantinha o canal de comunicação desimpedido.


Mais tarde, o Palácio do Planalto e a Casa Branca iriam às turras a respeito de Iraque, Cuba, Honduras, Irã, comércio internacional, direitos humanos e proliferação nuclear.


Longe de mim colocar azeitona na empada de José Dirceu. O homem não precisa de mais mitificação. Mago dos magos para uns, inimigo público para outros, ele é odiado e reverenciado ao mesmo tempo.


Sua iniciativa deu certo. Não porque ele fosse um grande estadista. Não era. Estava mais para bombeiro apagando incêndio. Teve êxito porque, na época, uma estratégia para lidar com os Estados Unidos era inexistente.


Dez anos mais tarde, pouco mudou. Quando se trata de gerir problemas na relação com os Estados Unidos, o Brasil ainda fica à mercê do talento de um ou outro indivíduo. Sexta economia do mundo, podíamos fazer melhor.


Artigo de Matias Spektor, professor da FGV, publicado hoje na Folha.

.........................

Tem um traço (forte) de ironia o título do artigo acima, escrito por Matias Spektor. Se o dirceuzismo de resultados que grassa e hegemoniza o PT entender a sutileza, pode ficar incomodado. Indiretamente ele remete ao personagem recorrente da genial escritora Patricia Highsmith, Tom Ripley, um indivíduo não propriamente virtuoso e ético. Uma das tantas obras da escritora, onde o protagonista é Tom, chama-se justamente 'O talentoso Mr. Ripley'. Esse livro de Patricia já foi adaptado para o cinema, pelo menos duas vezes, numa, Tom é vivido por Alain Delon (O sol por testemunha, 1960, do diretor René Clément) e noutro por Matt Damon (O talentoso Mr. Ripley, 1999, do diretor Anthony Minghella).

Quem quiser saber o que Spektor quis dizer quando colocou este título no seu artigo terá que ler os livros de Patricia Highsmith. Não custa nada, os livros são muito bons. Patricia tem a capacidade (rara) de mostrar que existe uma variedade infinita de gradações entre o preto e o branco, em se tratando de análise da alma e do comportamento humano. A formulação literária do personagem de Ripley é um laboratório disto, onde o maniqueísmo fácil - e difícil - passa muito distante.

Um comentário:

glapido disse...

Tenho acompanhado os movimentos discursivos do Council on Foreign Relations (CFR) desde o recente conflito líbio.
Na época, cheguei mesmo a traduzir um artigo de um de seus principais integrantes, Richard Haass, onde se percebia claramente que, ainda que o CFR fale publicamente em multilateralismo, é um multilateralismo que não abre mão da hegemonia estadunidense: nesse artigo, Haass defendia claramente a invasão da OTAN na Líbia.
Foi com certo espanto que, alguns bons meses depois, vejo estampada a foto de Haass sendo recebido com pompa e circunstância pela Dilma no Palácio do Planalto.
Fuçando mais um pouco aqui e ali, o que se vê é que existe uma parceria entre o CFR e a FGV (a FGV participa de seminários promovidos pelo CFR), onde ambos parecem assumir um papel paragovernamental equivalente aos respectivos ministérios das relações exteriores (ou, visto por outro ângulo, agem como lobistas)
Para além da questão Dirceu, o que Spektor (que já foi entrevistado pelo CFR) também - e talvez, principalmente - quer trazer é a necessidade de que o vácuo deixado pela ausência de Dirceu - a quem parece atribuir papel importante na aproximação entre os dois países - seja ocupado de novo. Embora isso não seja explicitado, é natural supor que Spektor ache que a FGV poderia ocupar-se desse papel.
É bom não esquecer que o CFR já fechou a questão que tanto emociona alguns integrantes do governo brasileiro, e já assumiu publicamente ser favorável à entrada definitiva do Brasil no Conselho de Segurança da ONU.
O artigo de Haass sobre a Líbia pode ser lido aqui:
"A Líbia precisa agora de soldados no chão"
A entrevista dada por Matias Spektor ao CFR aqui:
A mediação da relação Brasil x Estados Unidos: a FGV e o CFR
A defesa do CFR da entrada do Brasil no Conselho de Segurança da ONU pode ser lida - entre outros lugares - no dossiê sobre o Brasil elaborado pelo CFR:
Brasil Global e Relações Estados Unidos-Brasil
A recepção de Haass por Dilma pode ser vista aqui:
Dilma recebe Richard Haass: as relações cada vez mais ternas Brasil-Estados Unidos

Desculpem a minha incapacidade de síntese...

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo