Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

TV a cabo: vigarice e desrespeito ao consumidor


Mais do mesmo na TV a cabo

Não estou nem um pouco animada com a perspectiva de controle de todo o segmento de TV por assinatura pelas empresas de telefonia. O que é ruim, na melhor das hipóteses, continuará claudicante, uma vez que as operadoras de telefonia fixa e móvel destacam-se negativamente nos rankings de reclamação dos consumidores.

A perspectiva, então, é de mais concentração de mercado nas mãos de quem já não respeita o cliente em suas atividades atuais.

Hoje, o consumidor pena para conseguir migrar para pacotes de TV digital, oportunidade da qual as empresas se aproveitam para impor contratos mais caros e com menos canais, ou com menor qualidade.

Também empurram ponto extra para quem não o solicitou, sob a alegação de isenção de pagamento. Na verdade, nas letras miúdas, fica claro que a fatura virá mais adiante, geralmente dentro de um ano.

O consumidor Anderson Martins Borges teve dissabores com a Sky ao mudar de endereço. Foram mais de dois meses para que a empresa fizesse a nova instalação, período em que marcou e não cumpriu atendimentos técnicos.

Cancelar o serviço? Só se pagasse multa. Os desrespeitos continuaram com espera na linha para ouvir desculpas esfarrapadas e agendamentos descumpridos. Mas a conta de R$ 300 chega direitinho, mensalmente.

Outra consumidora escolheu contratar a TVA ao alugar um apartamento e foi induzida a adquirir o combo de TV por assinatura, acesso à banda larga e telefone para que a mensalidade pesasse menos no orçamento.

Embora tenha comprado um pacote, as instalações foram feitas isoladamente, em três dias. E, para sua surpresa, a TV a cabo veio com ponto adicional. Quando reclamou, sofreu com artifícios da operadora que a lei do SAC se propunha a banir: sua ligação foi passada para vários atendentes, esperou muito tempo na linha e teve de refazê-la algumas vezes.

Ao final, foi informada de que teria de entregar o receptor do ponto extra -que não contratara- na empresa. Algo como ser obrigada a devolver um cartão não solicitado à agência bancária.

A arquiteta S.M. também se incomodou muito ao tentar, sem sucesso, cancelar a assinatura da Net. Recebeu oferta de 30% de desconto, que não aceitou. Foi combinado, então, que os aparelhos seriam retirados, mas não foram. Semanas depois de a operada assegurar que havia cancelado o serviço, chegou nova fatura.

Esses são apenas alguns exemplos de como as empresas tratam seus assinantes, o que poderá até piorar, porque as teles terão, em seu domínio, telefonia, TV a cabo e acesso à banda larga. Ou seja, mais poder com pouca concorrência.

Dificilmente, então, melhorarão a programação, hoje entediante para quem contrata o serviço, pois os filmes se repetem com intensidade irritante. Os melhores filmes e jogos de futebol só são disponíveis por "pay-per-view" - comprados à parte. Ao mesmo tempo, cresce a quantidade de comerciais nas emissoras pagas.

Há muitas queixas de demora na visita técnica, de cobranças indevidas, de dificuldade para fazer reclamações por telefone e de falhas nos combos.

Nada diverso do que ocorre no acesso à banda larga prestado pelas teles, que é lento e sofre frequentes interrupções.

Má perspectiva para os assinantes, que podem esquecer o sonho de bons pacotes por preços mais competitivos. Também não devem apostar em melhores serviços.

Com a troca de controle da TVA e da Net, respectivamente, para Telefônica e Telmex (Embratel), haverá apenas mudanças de razões sociais do duopólio.

A Anatel deveria, ao menos, cobrar uma transformação radical nas relações com os consumidores para autorizar as alterações de controle acionário.

As operadoras são tão semelhantes, e atuam de maneira tão similar, que os brasileiros, provavelmente, só tenham na TV paga a opção de trocar seis por meia dúzia. Mais do mesmo, portanto, em preços, em serviços e em qualidade.

Artigo da advogada Maria Inês Dolci, especializada em direito do consumidor e coordenadora institucional da ProTeste Associação de Consumidores. Publicado hoje na Folha

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

ZH faz editorial em favor da bandalheira dos pedágios


É escandaloso o empenho do grupo RBS ao se autoinvestir como porta-voz das concessionárias de estradas no RS. A colunista da chamada “Página 10”, edição de hoje, faz um esforço comovedor para defender as empresas que exploram os pedágios no estado (quase sempre empreiteiras maquiadas de concessionárias de estradas).

O verdadeiro editorial em favor da bandalheira dos pedágios chega ao requinte de informar que “as concessionárias estão irritadas” com o governo Tarso Genro. E a colunista não fica nem corada, com esse evidente empenho "desinteressado" em favor das empreiteiras/concessionárias. 


quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Marxismo, hoje

Em Porto Alegre.

Obama fará qualquer negócio para se reeleger



Obama prepara guerra com Irã


A administração Obama anunciou duas semanas atrás que um desastrado vendedor de carros usados iraniano-americano conspirou com um agente do governo americano que se fazia passar por representante de cartéis de drogas mexicanos para assassinar o embaixador saudita em Washington.

O anúncio suscitou reações altamente céticas de especialistas de todo o espectro político aqui.

Mas, mesmo que parte dessa história se revele verdadeira, o tratamento dado a acusações desse tipo é inerentemente político. Por exemplo, a comissão sobre o 11 de Setembro do governo investigou as ligações entre os atacantes e a família reinante saudita, mas se negou a trazer a público os resultados.

A razão disso é óbvia: existe sujeira ali, e Washington não quer criar atritos com um aliado-chave. E não esqueça que se trata de cumplicidade com um ataque em solo americano que matou 3.000 pessoas.

Contrastando com isso, a administração Obama deu grande destaque à especulação um tanto quanto dúbia de que "os mais altos escalões do governo iraniano" teriam tido envolvimento com a alegada conspiração. O presidente Obama então anunciou que "todas as opções estão sobre a mesa", o que é um conhecido código indicativo de possível ação militar. Trata-se de um discurso extremista e perigoso.

O professor da Universidade de Michigan Juan Cole, respeitado estudioso do Oriente Médio, aventou a hipótese de Obama estar procurando um confronto militar para ajudá-lo a se reeleger, diante de uma economia estagnada e do alto índice de desemprego. É possível, com certeza. Lembre que George W. Bush usou o período que antecedeu e preparou a Guerra do Iraque para conquistar as duas Casas do Congresso na eleição de 2002.

Ele nem precisou partir para a guerra. O período de preparação dos espíritos para a guerra funcionou perfeitamente para ele alcançar sua meta principal: todos os problemas mais importantes para os eleitores - a recuperação sem empregos, a seguridade social, os escândalos corporativos - sumiram do noticiário durante a temporada eleitoral. Os assessores do presidente Obama com certeza entendem essas coisas.

É claro que essa especulação mais recente, dando a entender que pode levar a uma ação militar, pode ser apenas parte da preparação de longo prazo para a guerra contra o Irã. Uma vez que isso é feito, é difícil impedir a guerra de acontecer; e, uma vez lançadas essas guerras, elas são ainda mais difíceis de concluir, como demonstram dez anos de guerra inútil no Afeganistão.

É por isso que iniciativas internacionais para fazer recuar a marcha em direção à guerra, como a proposta de troca de combustível nuclear feita por Brasil e Turquia em 2010, são tão importantes.

Recentemente o governo iraniano se propôs a parar de enriquecer urânio se os EUA fornecerem urânio para seu reator de pesquisas médicas, de que precisa para tratar pacientes com câncer. Esse urânio não poderia ser usado para armas.

O Brasil é um dos poucos países que têm a estatura internacional e o respeito necessários para ajudar a desativar esse confronto. Só podemos esperar que ele faça mais tentativas de poupar o mundo de mais uma guerra horrível.

Artigo do economista Mark Weisbrot, codiretor do Center for Economic and Policy Research, em Washington. Publicado hoje na Folha

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

RS lança comitê contra o veneno na alimentação



É hoje!


Depois dos Estados de Santa Catarina, Rio de Janeiro e Sergipe, chegou a vez do Rio Grande do Sul realizar o lançamento do Comitê Estadual da Campanha Permanente contra o uso de Agrotóxicos e pela Vida. Será hoje, segunda-feira, dia 24 de outubro, às 18h30min no auditório da Emater/RS, e será aberto ao grande público.

O evento se iniciará com a exibição do documentário “O agrotóxico está na mesa”, de Silvio Tendler. Na sequência, haverá a palestra da Prof. Dra. Magda Zanoni, bióloga e socióloga, que organizou, junto do francês Gilles Ferment, o livro “Transgênicos para Quem? Agricultura, Ciência, Sociedade” (MDA, Coleção NEAD Debate) lançado em 2011. Ao seu lado, irão compor a mesa, representantes da Via Campesina e da Emater/RS.
.....................

O Brasil é o primeiro colocado no ranking mundial do consumo de agrotóxicos. Mais de um milhão de toneladas de venenos foram jogados nas lavouras em 2010, de acordo com os dados do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Defesa Agrícola.

Com a aplicação exagerada de produtos químicos nas lavouras do país, o uso de agrotóxicos está deixando de ser uma questão relacionada especificamente à produção agrícola e se transforma em um problema de saúde pública e preservação da natureza.

O consumo de agrotóxicos cresce de forma correspondente ao avanço do agronegócio, modelo de produção que concentra a terra e utiliza  quantidades crescentes de venenos para garantir a produção em escala industrial.

Desta forma, o uso excessivo dos agrotóxicos está diretamente relacionado à atual política agrícola do país, que foi adotada a partir da década de 1960. Com a chamada Revolução Verde, que representou uma mudança tecnológica e química no modo de produção agrícola, o campo passou por uma “modernização” que impulsionou o aumento da produção, mas de forma extremamente dependente do uso dos pacotes agroquímicos [adubos, sementes melhoradas e venenos].

Segundo a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), na última safra foram vendidos mais de 7 bilhões de dólares em agrotóxicos. Todo este mercado se concentra nas mãos de apenas seis grandes empresas transnacionais, que controlam mais de 80% do mercado dos venenos. São elas: Monsanto, Syngenta, Bayer, Dupont, DowAgrosciens, e Basf.

Nesse quadro, os agrotóxicos já ocupam o quarto lugar no ranking de intoxicações. Ficam atrás apenas dos medicamentos, acidentes com animais peçonhentos e produtos de limpeza. Essas fórmulas podem causar esterilidade masculina, formação de catarata, evidências de mutagenicidade (câncer), reações alérgicas, distúrbios neurológicos, respiratórios, cardíacos, pulmonares, no sistema imunológico e no sistema endócrino, ou seja, na produção de hormônios, desenvolvimento de câncer, dentre outros agravos à saúde humana.

domingo, 23 de outubro de 2011

Crítica de Tarso Genro fere sensibilidade "democrática" da RBS



O jornal Zero Hora publicou um editorial neste sábado (22) manifestando “estarrecimento” pelo que chama de “ataque desfechado pelo governador Tarso Genro ao jornalismo investigativo”. O editorial acusa o governador de sustentar uma posição que “tende a interessar mais aos corruptos do que aos cidadãos”. ZH acusa Tarso também de querer “restringir preventivamente a liberdade de imprensa” e o trabalho da “imprensa livre e independente”, no momento em que “o país passa por uma limpeza ética”.

Na quinta-feira (20), em meio a uma conferência proferida no Congresso do Ministério Público do Rio Grande do Sul, Tarso Genro criticou as práticas jornalísticas que denunciam, julgam e condenam, pretendendo substituir as instituições republicanas que têm essas atribuições. A RBS reagiu no mesmo dia, acusando o governador gaúcho de querer "censurar o jornalismo investigativo". (A íntegra da conferência de Tarso Genro está disponível aqui

“A reação violenta da RBS”, declarou o governador Tarso Genro à Carta Maior, “parece querer interditar o debate e o faz através da manipulação da informação sobre a conferência que proferi no Congresso do Ministério Público”. “Essa conferência versa sobre um tema que vem sendo debatido em todo o mundo há mais de vinte anos e que aqui no Brasil ocorre no âmbito da academia e em setores da intelectualidade fora da academia: a superposição das instituições “de fato”, oriundas da força econômica do capital financeiro - agora em crise - sobre as instituições do Estado”. “Ela sequer versava”, acrescentou, “sobre alguma empresa de comunicação em particular ou sobre alguma investigação jornalística, ou, ainda, sobre a liberdade de informar. Tanto é que eu digo claramente na minha exposição:

(...) Não proponho, em absoluto, qualquer controle da informação por parte do Estado. Nem a sonegação de informações relevantes, para que os processos e as investigações tenham ampla publicidade pela mídia que, de resto, pode cumprir o papel político que quiser dentro da democracia. Nem se trata, também, de alegar a existência de uma “conspiração” dos meios de comunicação contra a democracia e o devido processo legal. Trata-se de compreender que já vivemos um período da sociedade da informação em que os poderes de fato, no capitalismo tardio, estão se sobrepondo aceleradamente ao poder das instituições formais do Estado. Isso não ocorre somente em relação à mídia, mas também em relação a outros poderes fáticos oriundos da força econômica dos grupos privados.

O governador acusou a RBS de querer interditar o debate manipulando o conteúdo de sua conferência ao “não publicar nem mencionar o trecho acima que dá sentido à toda a exposição”. “O que proponho - e isto está escrito também no texto da conferência - é uma união das instituições do Estado com os políticos sérios e honestos (que são a maioria em todos os partidos) para combater a corrupção, com mais condições técnicas para os inquéritos, reformas legais que acelerem os processos e os cumprimentos de pena”, afirmou Tarso. E acrescentou: 

“O que faz reduzir a corrupção é a punição pelo Estado e não o justiçamento paralelo da mídia, nem as investigações dos repórteres, que obviamente podem ser feitos e devem ser feitos. Mas o produto destas investigações é matéria jornalística e é, portanto, mercadoria-notícia, não prova de crime”.

"Esta atitude da RBS, pretendendo interditar o debate com ameaças de campanhas difamatórias que estão subjacentes no mesmo editorial, marca o ápice da petulância e da arrogância que poucas empresas de comunicação têm a coragem de expor publicamente. Mentem, quando dizem que sou contra o jornalismo investigativo, quando o que sou contra é julgamento sumário de pessoas, independentemente de que sejam culpadas ou não. Mentem quando contrastam dois textos meus sobre assuntos diferentes, mesmo tendo, na Conferência, manifestação explícita da minha parte que confirma a minha posição de princípio a favor da total liberdade da imprensa e de respeito irrestrito ao trabalho dos jornalistas," disse ainda o governador gaúcho.

Ainda segundo a avaliação do governador, “o sentido da avalanche de críticas que recebi está muito bem exposto no editorial de ZH desta manhã”. Mais precisamente, explicou, “está contido na expressão “limpeza ética”, de origem e marca bem conhecidos na história”. Recentemente na Europa Oriental se falava em “limpeza étnica”. Limpeza se faz num lugar sujo (a política e o país) e quem faz a “limpeza” é o virtuoso (a mídia), nós, humanos sujamos, por isso nem temos o direito de dizer que o processo judicial, o inquérito do Ministério Público e dos órgãos de controle, não podem ser superpostos por justiçamentos e linchamentos públicos, que transformam crimes comuns em crimes políticos e consequentes condenações políticas, sem direito de defesa com a mesma exposição e intensidade das acusações”.

“O editorial”, prosseguiu o governador, “chega a sugerir que estou tentando me proteger de futuras denúncias”. “É jogo sujo: eu poderia dizer, se fizesse o mesmo raciocínio, que quando eles atacam quem quer fortalecer o MP e o Judiciário, para evitar linchamentos públicos, eles estão protegendo corruptos que eles apoiam ou apoiaram. Mas, sinceramente não penso assim. Acho que eles não leram a integralidade da minha conferência e pensaram que ela era dedicada a eles”.

Por fim, Tarso Genro afirmou que não mudará um milímetro a relação que mantém com a RBS e nem com a imprensa em geral. “Essas controvérsias são boas para a democracia. Todos fulminaram sistematicamente Lula e o PT e a esquerda em geral, às vezes até com razão, e nós continuamos vivos e crescendo. Enfrentei seguidas manipulações da imprensa sobre as minhas posições quando Ministro da Justiça: caso da punição dos torturadores, caso Daniel Dantas, caso Battisti, caso Cacciola e nunca perdi a serenidade”. E concluiu:

“Na verdade o que temos com a grande mídia é uma divergência histórica de fundo: no ocaso do modelo neoliberal eles têm que substituir o alvo dos seus ataques, que era o “gigantismo” do Estado, agora é a corrupção e a política em abstrato, sem avaliar as suas origens e fundamentos, que, na verdade estão contidos na fraqueza das leis e das instituições, geradas pelo modelo econômico neoliberal, para combater o crime, a corrupção e o aparelhamento do Estado pelos grandes grupos econômico-financeiros, em detrimento da ampla maioria dos próprios empresários e sociedade em geral”.






Vídeo com a fala de Tarso Genro no Ministério Público.


A matéria acima foi pescada na íntegra (menos o título) do portal Carta Maior.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Há sete anos milicos brasileiros ocupam o Haiti


Haiti, país ocupado

Consulte qualquer enciclopédia. Pergunte qual foi o primeiro país livre na América. Receberá sempre a mesma resposta: Estados Unidos. Mas os Estados Unidos declararam a sua independência quando eram uma nação com 650 mil escravos, que continuaram a ser escravos durante mais um século, e estabeleceram na sua primeira Constituição que um preto equivalia a três quintas partes de uma pessoa.

E se perguntar a qualquer enciclopédia qual foi o primeiro país a abolir a escravatura, receberá sempre a mesma resposta: Inglaterra. Mas o primeiro país que aboliu a escravatura não foi a Inglaterra mas o Haiti, que continua ainda a expiar o pecado da sua dignidade.

Os escravos negros do Haiti tinham derrotado o exército glorioso de Napoleão Bonaparte e a Europa nunca perdoou essa humilhação. Durante um século e meio, o Haiti pagou à França uma indenização gigantesca por ser culpado da sua liberdade, mas nem isso chegou. Aquela insolência negra continua a ferir os amos brancos do mundo.

***

De tudo isso sabemos pouco ou nada.

O Haiti é um país invisível.

Só se tornou famoso quando o terramoto de 2010 matou mais de 200 mil haitianos.

A tragédia levou o país a ocupar, fugazmente, o primeiro plano dos meios de comunicação. O Haiti não é conhecido pelo talento dos seus artistas, magos da sucata capazes de transformar o lixo em beleza, nem pelas suas façanhas históricas na guerra contra a escravidão e a opressão colonial. Vale a pena repetir uma vez mais, para que os surdos o oiçam: o Haiti foi o país fundador da independência da América e o primeiro país a derrotar a escravidão no mundo.

Merece muito mais que a notoriedade nascida das suas desgraças.

***

Atualmente, os exércitos de vários países, incluindo do meu, continuam a ocupar o Haiti. Como se justifica esta invasão militar? Alegando que o Haiti põe em perigo a segurança internacional.

Nada de novo.

Ao longo de todo o século XIX, o exemplo do Haiti constituiu uma ameaça para a segurança dos países que continuavam a praticar a escravatura. Já Thomas Jefferson o dissera: do Haiti provinha a peste da rebelião. Na Carolina do Sul, por exemplo, a lei permitia prender qualquer marinheiro negro enquanto o seu barco estivesse no porto, devido ao risco de contágio da peste antiescravagista. E no Brasil, essa peste chamava-se “haitianismo”.

Já no século XX, o Haiti foi invadido pelos marines, por ser um país «inseguro para os seus credores estrangeiros». Os invasores começaram por se apoderar das alfândegas e entregaram o Banco Nacional ao City Bank de Nova Iorque. E uma vez que já lá estavam, ficaram durante dezanove anos.

***

Chama-se «o mau passo» à passagem da fronteira entre a República Dominicana e o Haiti. Talvez o nome seja um sinal de alarme: está a entrar no mundo negro, da magia negra, da bruxaria…

O vodu, a religião que os escravos trouxeram de África e que se nacionalizou no Haiti, não merece chamar-se religião. Do ponto de vista dos donos da civilização, o vodu é coisa de pretos, ignorância, atraso, superstição pura. A Igreja Católica, onde não faltam fiéis capazes de vender unhas dos santos e penas do arcanjo Gabriel, conseguiu que esta superstição fosse oficialmente proibida em 1845, 1860, 1896, 1915 e 1942, sem que o povo se desse por achado.

Mas há já alguns anos que as seitas evangélicas se encarregam da guerra contra a superstição no Haiti. Estas seitas vêm dos Estados Unidos, um país que não tem 13º andar nos seus prédios, nem fila 13 nos seus aviões, habitado por cristãos civilizados que acreditam que Deus criou o mundo numa semana. Nesse país, o pregador evangélico Pat Robertson explicou na televisão o terremoto de 2010. Este pastor de almas revelou que os negros haitianos tinham conquistado a independência à França recorrendo a uma cerimónia vodu, e invocando, do fundo da selva haitiana, a ajuda do Diabo. O Diabo, que lhes deu a liberdade, passou a fatura enviando-lhes o terremoto.

***

Até quando permanecerão no Haiti os soldados estrangeiros? Eles vieram para estabilizar e ajudar, mas estão há sete anos a desajudar e a desestabilizar este país que não os deseja.

A ocupação militar do Haiti custa às Nações Unidas mais de 800 milhões de dólares por ano.

Se as Nações Unidas destinassem esses fundos à cooperação técnica e à solidariedade social, o Haiti poderia receber um bom impulso para o desenvolvimento da sua energia criadora. E assim se salvariam dos seus salvadores armados, que têm alguma tendência para violar, matar e espalhar doenças fatais.

O Haiti não precisa que venham multiplicar as suas calamidades. Também não precisa da caridade de ninguém. Como diz um antigo provérbio africano, a mão que dá está sempre acima da mão que recebe.

Mas o Haiti precisa de solidariedade, de médicos, de escolas, de hospitais e de uma verdadeira colaboração que torne possível o renascimento da sua soberania alimentar, assassinada pelo Fundo Monetário Internacional, pelo Banco Mundial e por outras sociedades filantrópicas.

Para nós, latino-americanos, essa solidariedade é um dever de gratidão: seria a melhor maneira de agradecer a esta pequena grande nação que em 1804 nos abriu, com o seu contagioso exemplo, as portas da liberdade.

(Este artigo é dedicado a Guillermo Chifflet, que foi obrigado a demitir-se da Câmara de Deputados quando votou contra o envio de soldados uruguaios para o Haiti.)

Artigo de Eduardo Galeano, jornalista e escritor uruguaio, autor do livro "As veias abertas da América Latina". Tradução de Helena Pitta. Publicado originalmente em Brecha, Montevideo, 30/09/2011.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

terça-feira, 18 de outubro de 2011

A inflação embutida na disparidade social e o esquecimento dos economistas do sistema


Inflação de prestígio

"Enquanto eu cobrava R$ 100 por sessão, tinha poucos pacientes. Quando comecei a cobrar R$ 200, por incrível que pareça, os pacientes afloraram." Esta afirmação de um amigo psicanalista talvez valha um capítulo na teoria geral da formação de preços, ao menos no Brasil.

A mudança no preço de sua sessão não foi o resultado de alguma nova conformação das dinâmicas de oferta e de procura. Ela foi, na verdade, a descoberta de que, em países com alta concentração de renda, certas pessoas estão dispostas a pagar mais simplesmente devido à crença de que as coisas caras foram feitas para ela.

Por mais que economistas gostem de dizer o contrário, a ação econômica é baseada em sistemas de crenças e expectativas cuja racionalidade é fundada em fortes disposições psicológicas "irracionais"- pois estão ligadas a fantasias.

Atualmente, alguns dos aluguéis mais caros do mundo podem ser encontrados em cidades improváveis como, São Paulo, Moscou e Luanda (capital angolana).

A razão é que tais sociedades emergentes crescem com alta desigualdade de renda, o que faz com que uma parcela mínima da população, com poder aquisitivo exorbitante, puxe para cima a cadeia de preços. Para o resto da população, melhor seria que essa parcela simplesmente não existisse.

Qualquer pessoa que frequenta restaurantes nessas cidades percebe que a disparada de preços pouco tem a ver com a flutuação do valor dos alimentos. Nossos agricultores continuam recebendo, em larga medida, valores irrisórios. Tal disparada vem da existência de pessoas que não sentem diferença entre pagar R$ 30 ou R$ 70 por um prato. Mobilizando a crença de que as coisas caras são exclusivas, elas geram, assim, um forte problema econômico.

Há de perguntar-se por que, sendo a inflação uma questão tão premente na vida nacional, nunca encontramos reflexões sobre a relação, aparentemente tão evidente, entre pressão inflacionária e desigualdade social.

Ao contrário, vê-se apenas pessoas dispostas a falar contra os "gastos públicos", isto em um país onde, vejam só vocês, escolas e saúde pública são subfinanciadas e grandes investimentos públicos em infraestrutura são urgentes.

Talvez um dia descobriremos que a economia brasileira só estará mais bem defendida contra a inflação quando a desigualdade e o consumo conspícuos que ela gera forem realmente combatidos.

O que é melhor do que reduzir os mecanismos de controle da pressão inflacionária à definição de taxas de juros, pois a disparidade de renda, além de gerar fratura social e conflito de classe, é fator de instabilidade econômica.

Artigo do professor de filosofia Vladimir Safatle, da USP. Publicado hoje na Folha.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Golpe em Gravataí baseou-se em decreto da ditadura

Nota da Comissão Executiva do PT/RS

A Executiva Estadual do PT/RS presta total solidariedade à Prefeita de Gravataí, Rita Sanco e ao Vice-Prefeito Cristiano Kingeski, cassados pelo voto de dez vereadores da Câmara daquele município.

O ato de cassação constitui-se numa violência antidemocrática e absolutamente ilegitima pois sustenta-se exclusivamente na maioria eventual acordada pelos vereadores.

A peça acusatória baseia-se em Decreto-Lei da Ditadura Militar, editado pelo Marechal Castello Branco [na foto, em traje civil] e, mesmo assim, não apresenta uma prova, uma evidencia sequer, de qualquer ato desabonador ou ilegal praticado pela Prefeita e seu Vice.

A disputa democrática das eleições transfere-se para maiorias eventuais na Câmara com o intuito de através desse golpe à democracia e ao respeito republicano das urnas violentar o voto dos cidadãos de Gravataí e alçar ao poder executivo quem não teve votos e legitimidade para tanto.

Um dos “crimes” da Prefeita que levaram a cassação é um acordo com o Banrisul para pagar dívida histórica do município junto à CEEE, cujos termos não só são favoráveis ao Município como foram aprovados pelos próprios vereadores.

As demais acusações são também infundadas, sem nenhuma prova nem evidência. Resta, apenas, uma insana e absurda disputa pelo poder de forma ilegítima e ilegal.

O PT/RS confia em seus mandatários, irá apoiá-los em suas demandas judiciais para reverter esse golpe à democracia e estará junto aos Partidos que compõem o legítimo governo de Gravataí para que a verdade se restabeleça.

O arbítrio e a prepotência não tem limites para esses senhores. Apesar do acordo republicano e civilizado da Prefeita Rita em fazer a transmissão do cargo nesta segunda-feira, dia 17, de maneira truculenta e prepotente os vereadores ocuparam ainda no domingo a Prefeitura e nomearam o presidente do legislativo como prefeito de Gravataí.

O PT e o povo de Gravataí confiam que o arbítrio e a prepotência serão derrotados em seu golpismo.

Porto Alegre, 17 de outubro de 2011

Marx tinha razão, admite Nouriel Roubini


A instabilidade da desigualdade

Este ano foi caracterizado por uma onda mundial de inquietações e instabilidades sociais e políticas, com participação popular maciça em protestos reais e virtuais: a Primavera Árabe; os tumultos em Londres; os protestos da classe média israelense contra o alto preço da habitação e os efeitos adversos da inflação sobre os padrões de vida; os protestos dos estudantes chilenos; a destruição dos carros de luxo dos "marajás" na Alemanha; o movimento contra a corrupção na Índia; a crescente insatisfação com a corrupção e a desigualdade na China; e agora o movimento "Ocupe Wall Street", em Nova York e em outras cidades dos Estados Unidos.

Embora esses protestos não tenham um tema que os unifique, expressam de diferentes maneiras as sérias preocupações da classe média e da classe trabalhadora mundiais diante de suas perspectivas, em vista da crescente concentração de poder nas mãos das elites econômicas, financeiras e políticas.

As causas das preocupações são bastante claras: alto desemprego e subemprego nas economias avançadas e emergentes; capacitação profissional e educação inadequadas, entre os jovens e trabalhadores, o que impede que concorram no mundo globalizado; ressentimento contra a corrupção, inclusive em formas legalizadas como lobbies; e a alta acentuada na disparidade de renda e riqueza nas economias avançadas e nas emergentes.

É claro que os problemas que muitas pessoas enfrentam não podem ser reduzidos a um só fator. A desigualdade cada vez maior tem várias causas: o ingresso de 2,3 bilhões de chineses e indianos na força mundial de trabalho (reduz o número de empregos e os salários dos operários de baixa capacitação e dos executivos e de administradores cujas funções sejam exportáveis, nas economias avançadas); mudanças tecnológicas baseadas em diferenciais de capacitação profissional; a emergência inicial de disparidades de renda e riqueza em economias que antes tinham renda baixa e agora apresentam rápido crescimento; e tributação menos progressiva.

As companhias de economias avançadas estão reduzindo seu pessoal, devido à demanda final inadequada, que resulta em excesso de capacidade, e à incerteza quanto à demanda futura. Mas reduzir o número de funcionários resulta em queda ainda maior na demanda final, porque isso reduz a renda dos trabalhadores e amplia a desigualdade. Porque os custos trabalhistas de uma empresa representam a receita profissional das pessoas e com isso a demanda que elas geram, uma decisão que é racional para uma empresa específica pode ser destrutiva em termos agregados.

Resultado: os mercados livres não geram suficiente demanda final. Nos EUA, a redução nos custos trabalhistas diminuiu acentuadamente a participação da renda do trabalho no PIB. Com o crédito exaurido, os efeitos de décadas de redistribuição de renda e riqueza -do trabalho para o capital, dos salários para os lucros, dos pobres para os ricos, e dos domicílios para as empresas- sobre a demanda agregada se tornaram severos, devido à propensão marginalmente inferior a consumir entre as empresas/proprietários de capital/domicílios ricos.

O problema não é novo. Karl Marx exagerou em seus argumentos favoráveis ao socialismo, mas estava certo ao alegar que a globalização, o capitalismo financeiro descontrolado e a redistribuição de renda e riqueza do trabalho para o capital poderiam conduzir à autodestruição do capitalismo. Como ele argumentou, o capitalismo sem regulamentação pode resultar em surtos regulares de excesso de capacidade produtiva, consumo insuficiente e crises destrutivas recorrentes, alimentadas por bolhas de crédito e ciclos de expansão e contração nos preços dos ativos.

Qualquer modelo econômico que não considere devidamente a desigualdade terminará por enfrentar uma crise de legitimidade. A menos que os papéis econômicos relativos do mercado e do Estado sejam recolocados em equilíbrio, os protestos de 2011 se tornarão mais severos, e a instabilidade social e política resultante terminará por prejudicar, a longo prazo, o crescimento econômico e o bem-estar social.

Artigo do renomado economista Nouriel Roubini, presidente da Roubini Global Economics (uma das maiores empresas de consultoria do mundo), professor da Escola Stern de Administração de Empresas (Universidade de Nova York) e coautor do livro "Crisis Economics".

Não está em questão se o capitalismo sobreviverá ou não, mas o que irá sucedê-lo


Entrevista com o sociólogo estadunidense Immanuel Wallerstein, professor da Universidade de Yale (New Haven, Connecticut, EUA)

Há exatamente dois anos, você disse que o colapso real da economia ainda demoraria alguns anos. Esse colapso está acontecendo agora?

Não, ainda vai demorar um ano ou dois, mas está claro que essa quebra está chegando.

Quem está em maiores apuros: Os Estados Unidos, a União Europeia ou o mundo todo?

Na verdade, o mundo todo vive problemas. Os Estados Unidos e União Europeia, claramente. Mas também acredito que os chamados países emergentes, ou em desenvolvimento – Brasil, Índia, China – também enfrentarão dificuldades. Não vejo ninguém em situação tranquila.

Você está dizendo que o sistema financeiro está claramente quebrado. O que há de errado com o capitalismo contemporâneo?

Essa é uma história muito longa. Na minha visão, o capitalismo chegou ao fim da linha e já não pode sobreviver como sistema. A crise estrutural que atravessamos começou há bastante tempo. Segundo meu ponto de vista, por volta dos anos 1970 – e ainda vai durar mais uns vinte, trinta ou quarenta anos. Não é uma crise de um ano, ou de curta duração: é o grande desabamento de um sistema. Estamos num momento de transição. Na verdade, na luta política que acontece no mundo — que a maioria das pessoas se recusa a reconhecer — não está em questão se o capitalismo sobreviverá ou não, mas o que irá sucedê-lo. E é claro: podem existir duas pontos de vista extremamente diferentes sobre o que deve tomar o lugar do capitalismo.

Qual a sua visão?

Eu gostaria de um sistema relativamente mais democrático, mais relativamente igualitário e moral. Essa é uma visão, nós nunca tivemos isso na história do mundo – mas é possível. A outra visão é de um sistema desigual, polarizado e explorador. O capitalismo já é assim, mas pode advir um sistema muito pior que ele. É como vejo a luta política que vivemos. Tecnicamente, significa é uma bifurcação de um sistema.

Então, a bifurcação do sistema capitalista está diretamente ligada aos caos econômico?

Sim, as raízes da crise são, de muitas maneiras, a incapacidade de reproduzir o princípio básico do capitalismo, que é a acumulação sistemática de capital. Esse é o ponto central do capitalismo como um sistema, e funcionou perfeitamente bem por 500 anos. Foi um sistema muito bem sucedido no que se propõe a fazer. Mas se desfez, como acontece com todos os sistemas.

Esses tremores econômicos, políticos e sociais são perigosos? Quais são os prós e contras?

Se você pergunta se os tremores são perigosos para você e para mim, então a resposta é sim, eles são extremamente perigosos para nós. Na verdade, num dos livros que escrevi, chamei-os de “inferno na terra”. É um período no qual quase tudo é relativamente imprevisível a curto prazo – e as pessoas não podem conviver com o imprevisível a curto prazo. Podemos nos ajustar ao imprevisível no longo prazo, mas não com a incerteza sobre o que vai acontecer no dia seguinte ou no ano seguinte. Você não sabe o que fazer, e é basicamente o que estamos vendo no mundo da economia hoje. É uma paralisia, pois ninguém está investindo, já que ninguém sabe se daqui a um ano ou dois vai ter esse dinheiro de volta. Quem não tem certeza de que em três anos vai receber seu dinheiro, não investe – mas não investir torna a situação ainda pior. As pessoas não sentem que têm muitas opções, e estão certas, as opções são escassas.

Então, estamos nesse processo de abalos, e não existem prós ou contras, não temos opção, a não ser estar nesse processo. Você vê uma saída?

Sim! O que acontece numa bifurcação é que, em algum momento, pendemos para um dos lados, e voltamos a uma situação relativamente estável. Quando a crise acabar, estaremos em um novo sistema, que não sabemos qual será. É uma situação muito otimista no sentido de que, na situação em que nos encontramos, o que eu e você fizermos realmente importa. Isso não acontece quando vivemos num sistema que funciona perfeitamente bem. Nesse caso, investimos uma quantidade imensa de energia e, no fim, tudo volta a ser o que era antes. Um pequeno exemplo. Estamos na Rússia. Aqui aconteceu uma coisa chamada Revolução Russa, em 1917. Foi um enorme esforço social, um número incrível de pessoas colocou muita energia nisso. Fizeram coisas incríveis, mas no final, onde está a Rússia, em relação ao lugar que ocupava em 1917? Em muitos aspectos, está de volta ao mesmo lugar, ou mudou muito pouco. A mesma coisa poderia ser dita sobre a Revolução Francesa.

O que isso diz sobre a importância das escolhas pessoais?

A situação muda quando você está em uma crise estrutural. Se, normalmente, muito esforço se traduz em pouca mudança, nessas situações raras um pequeno esforço traz um conjunto enorme de mudanças – porque o sistema, agora, está muito instável e volátil. Qualquer esforço leva a uma ou outra direção. Às vezes, digo que essa é a “historização” da velha distinção filosófica entre determinismo e livre-arbítrio. Quando o sistema está relativamente estável, é relativamente determinista, com pouco espaço para o livre-arbítrio. Mas, quando está instável, passando por uma crise estrutural, o livre-arbítrio torna-se importante. As ações de cada um realmente importam, de uma maneira que não se viu nos últimos 500 anos. Esse é meu argumento básico.

Você sempre apontou Karl Marx como uma de suas maiores influências. Você acredita que ele ainda seja tão relevante no século 21?

Bem, Karl Marx foi um grande pensador no século 19. Ele teve todas as virtudes, com suas ideias e percepções, e todas as limitações, por ser um homem do século 19. Uma de suas grandes limitações é que ele era um economista clássico demais, e era determinista demais. Ele viu que os sistemas tinham um fim, mas achou que esse fim se dava como resultado de um processo de revolução. Eu estou sugerindo que o fim é reflexo de contradições internas. Todos somos prisioneiros de nosso tempo, disso não há dúvidas. Marx foi um prisioneiro do fato de ter sido um pensador do século 19; eu sou prisioneiro do fato de ser um pensador do século 20.

Do século 21, agora.

É, mas eu nasci em 1930, eu vivi 70 anos no século 20, eu sinto que sou um produto do século 20. Isso provavelmente se revela como limitação no meu próprio pensamento.

Quanto – e de que maneiras – esses dois séculos se diferem? Eles são realmente tão diferentes?

Eu acredito que sim. Acredito que o ponto de virada deu-se por volta de 1970. Primeiro, pela revolução mundial de 1968, que não foi um evento sem importância. Na verdade, eu o considero o evento mais significantes do século 20. Mais importante que a Revolução Russa e mais importante que os Estados Unidos terem se tornado o poder hegemônico, em 1945. Porque 1968 quebrou a ilusão liberal que governava o sistema mundial e anunciou a bifurcação que viria. Vivemos, desde então, na esteira de 1968, em todo o mundo.

Você disse que vivemos a retomada de 68 desde que a revolução aconteceu. As pessoas às vezes dizem que o mundo ficou mais valente nas últimas duas décadas. O mundo ficou mais violento?

Eu acho que as pessoas sentem um desconforto, embora ele talvez não corresponda à realidade. Não há dúvidas de que as pessoas estavam relativamente tranquilas quanto à violência em 1950 ou 1960. Hoje, elas têm medo e, em muitos sentidos, têm o direito de sentir medo.

Você acredita que, com todo o progresso tecnológico, e com o fato de gostarmos de pensar que somos mais civilizados, não haverá mais guerras? O que isso diz sobre a natureza humana?

Significa que as pessoas estão prontas para serem violentas em muitas circunstâncias. Somos mais civilizados? Eu não sei. Esse é um conceito dúbio, primeiro porque o civilizado causa mais problemas que o não civilizado; os civilizados tentam destruir os bárbaros, não são os bárbaros que tentam destruir os civilizados. Os civilizados definem os bárbaros: os outros são bárbaros; nós, os civilizados.

É isso que vemos hoje? O Ocidente tentando ensinar os bárbaros de todo o mundo?

É o que vemos há 500 anos.

As declarações foram colhidas no dia 4 de outubro pela jornalista Sophie Shevardnadze, que conduz o programa Interview na emissora de televisão russa RT. A transcrição e a tradução para o português são iniciativas do sítio Outras Palavras, em 15/10/2011. Pescado no portal do IHU/Unisinos.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

951 cidades, 82 países


15 de outubro – Unidos por uma mudança global

No dia 15 de outubro gente de todo o mundo tomará as ruas e praças. Da América à Asia, da África à Europa, as pessoas se levantam para reclamar seus direitos e pedir uma autêntica democracia. Agora chegou o momento de nos unirmos todos em um protesto mundial.

Os poderes estabelecidos atuam em beneficio de uns poucos, ignorando a vontade da grande maioria, sem que se importem do custo humano ou ecológico que tenhamos que pagar. Esta intolerável situação deve terminar.

Unidos em uma só voz, faremos saber aos políticos profissionais, e às elites financeiras a quem eles servem, que agora somos nós, as pessoas, quem decidiremos nosso futuro. Não somos mercadorias nas mãos de políticos impostores e banqueiros que não nos representam.

No 15 de outubro nos encontraremos nas ruas para botar em ação a mudança global que queremos. Nos manifestaremos pacificamente, debateremos e nos organizaremos até o conseguir.

É a hora de nos unirmos. É a hora de nos ouvirem.

Saiamos às ruas do mundo no dia 15 de outubro!

...............................

É flagrante e constrangedor, a RBS está numa cruzada para confundir seus leitores/consumidores quanto ao protesto mundial de 15 de Outubro. Os veículos da família Sirotsky querem turbinar o repaginado movimento “Cansei”, agora em convocatórias moralistas (e protogolpistas) contra a corrupção no Brasil. Para tanto, misturam as estações, fazendo crer que é tudo a mesma coisa. Não é, nunca foi.

O movimento mundial de 15 de Outubro é contra o hegemonismo do capital financeiro, que destroi a democracia, desemprega e compromete o planeta. Já o movimento “neoCansei” é um eco do século 19 no coração do século 21, representa o atraso que foi derrotado por Lula e Dilma nas três últimas eleições presidenciais havidas no Brasil. Uma revanche mal ajambrada pela direita brasileira usando ingênuos e interessados em um movimento tão falso quanto vazio. 

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Obama não entendeu que têm coisas que são inegociáveis


Adeus, Obama

Há alguns anos, o presidente dos EUA, Barack Obama, parecia ser a encarnação de uma nova política. O fato de ser negro em um país que conhecera leis segregacionistas, de ter nome árabe, ser inteligente e ter passado a infância em outros países parecia a coroação perfeita do ideal multicultural e tolerante.

Ele era a representação perfeita desses novos atores que sobem à cena sempre que vemos os momentos de crise das antigas elites atingirem o ápice. Agora que falta um ano para o fim de seu primeiro mandato, percebe-se o quanto essas esperanças passaram ao largo da história real. Em todas as áreas, seu governo tem resultados pífios.

Sua política econômica perdeu, logo na entrada, a coragem de confrontar-se com o sistema financeiro, de arrancar uma nova versão de um "New Deal" à la Franklin Roosevelt. Isto a ponto de o mundo ver a situação patética de uma das maiores fortunas dos EUA (Warren Buffett) lembrar o óbvio: que o sistema tributário norte-americano é completamente distorcido, beneficia só os mais ricos e de que o governo Obama nada fez para combater tal aberração.

Sua política social poderia ser marcada pela criação de um verdadeiro sistema público de saúde capaz de, enfim, livrar os mais vulneráveis da sanha draconiana das grandes seguradoras. No entanto o resultado final de seu projeto foi algo mais próximo de uma declaração de fracasso. Seu sistema conseguiu a proeza de desagradar todo mundo.

Por sua vez, o maior feito de sua política externa foi o assassinato de Bin Laden. Não precisávamos de Obama para este serviço. George W. Bush o faria com o maior prazer.

Fora isso, Obama não ofereceu nada de novo, a não ser uma patética coreografia de idas e vindas. Condenou o golpe militar de Honduras e depois voltou atrás. Defendeu as fronteiras de 1967 para o Estado palestino e depois voltou atrás. Prometeu diálogo com o Irã e depois voltou atrás.

Diz-se normalmente que a política é a arte da negociação e do consenso. Nada mais errado. A política é, em seu fundamento, a decisão a respeito do que será visto como inegociável. Ela é a afirmação taxativa daquilo que não estamos dispostos a colocar na balança. Se Obama tivesse compreendido isso, talvez ele teria ao menos uma importante parcela da população disposta a defender suas conquistas.

Mesmo os jovens que ocupam Wall Street (foto) não estão lutando apenas contra os detentores das rédeas do sistema econômico. Eles mostram, com isso, seu profundo desencanto com Barack Obama.

Agora, mesmo que ganhe um segundo mandato no ano que vem, ele nunca mais encarnará a esperança que, em um curto dia, representou.

Artigo do professor Vladimir Safatle, da USP. Publicado hoje na Folha.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Fortalecimento do sistema público de comunicação



O Seminário Comunicação em Pauta - o que já mudou, e o que ainda precisa mudar - é promovido pela Secretaria de Comunicação e Inclusão Digital e será realizado nas nove Regiões Funcionais de Planejamento em que o estado do Rio Grande do Sul foi dividido. As cidades de Santa Maria [RF8], Santa Rosa [RF7] e Santa Cruz do Sul [RF2], São Lourenço do Sul [RF5]e Osório [RF4] já tiveram suas edições. Agora, é a vez da cidade de Porto Alegre [RF1].

Assuntos como marco regulatório das comunicações, convergência tecnológica, fortalecimento do sistema público de comunicação, marco civil da Internet, respeito à diversidade nos meios de comunicação, participação social, regionalização dos conteúdos televisivos, e políticas de inclusão digital contarão com painelistas das respectivas áreas.



Participe! 

Contra o desemprego, republicanos optam pela selvageria



A prática esportiva do “arremesso de anões” contra paredes pode voltar

Um deputado da Flórida apresentou nesta semana um projeto de lei para restabelecer a prática de "arremesso de anões" contra paredes em casas noturnas, informou nesta quinta-feira (06/10) a edição online do jornal "The Palm Beach".

A iniciativa do congressista republicano Ritch Workman tem como objetivo criar oportunidades de trabalho para os anões por meio do que o jornal classifica como "primitivo e perigoso espetáculo de bar", que foi importado da Austrália, mas acabou proibido em 1989.

Workman disse que atua em uma "missão para detectar e destruir as restrições desnecessárias às liberdades do povo". "Este é um exemplo de um governo que age como o Big Brother", em referência ao personagem autoritário do livro "1984", de George Orwell.

"Nesta economia, ou em qualquer outra, por que queremos impedir as pessoas de conseguir empregos remunerados?", declarou o deputado. "Eu nunca obrigaria ninguém a aceitar este tipo de emprego, nem pagaria para vê-lo. Acho estúpido e repulsivo. Mas não cabe ao Estado impedir alguém que deseja fazê-lo". A informação é da agência EFE.

A guerra vista como uma intempérie devastadora



Como assim “teima em continuar”?

A imprensa do mundo-hegemônico-que-desaba quer criticar a guerra, mas quer, ao mesmo tempo, preservar os Estados Unidos. Sem problema, sacrifica a lógica formal, mas livra a cara dos senhores da guerra que comandam a Casa Branca.

A matéria estampada na edição de hoje do jornal Zero Hora (fac-símile acima), que pertence ao grupo RBS, trata a guerra do Afeganistão como se fosse um fenômeno natural que insiste em assolar o território asiático e erodir o Tesouro público estadunidense (em favor, por óbvio, aos interesses geopolíticos e negociais do complexo industrial-militar aliado ao capital bancário financiador deste).

Leiam a matéria e vocês verão que não há sujeito, só há objeto. “A guerra que teima em continuar” – dá a entender ao senso comum que o conflito é um fenômeno autônomo sobre o qual inexiste controle político e social, e tampouco interesse econômico. Assim, a guerra do Afeganistão é um produto devastador da Mãe Natureza, como os terremotos, os tsunamis e as chuvas torrenciais que soterram e devastam os homens e seus pertences.

Para completar, o jornal da Azenha, bem que poderia propor que se organizem correntes de oração no mundo todo, para aplacar a ira dos elementos contra o infaustuoso povo afegão. Dizem que Santa Bárbara poderia ajudar, desde que piedosamente solicitada , claro.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

...Enquanto isto, ricos debochados bebem champanhe


55, Wall Street, New York, USA. Ricos e debochados bebem champanhe enquanto a caravana de indignados passa. No número 55 fica o Ciprion Club Residences, uma espécie de clube e moradia de milionários das finanças, os mesmos que foram salvos pelo Tesouro público estadunidense na crise de 2008. No protesto “Ocupemos Wall Street”, os manifestantes eram saudados em tom de pilhéria pelos privilegiados tripulantes do trem de ouro do capitalismo hegemônico.   

terça-feira, 4 de outubro de 2011

E o velho Império britânico se reorganizou...



O professor Cattani fará uma breve exposição sobre a Universidade de Oxford, onde foi Visiting Researcher em 2010/2011, seguido de uma palestra  sobre a transformação do antigo império britânico em "império das finanças", e como isso está articulado com o processo de concentração de renda que vem ocorrendo nos últimos trinta anos no mundo todo.

Os partidos não estão na vanguarda, mas a reboque dos processos



Para além dos partidos

Costuma-se dizer que a democracia depende de partidos políticos fortes. No entanto talvez fosse mais correto dizer que ela depende da possibilidade de mobilizações populares para além dos partidos.

É importante lembrar isso em um momento histórico como o nosso, onde a força transformadora da forma-partido se esgotou.

Desde o início do ano, o mundo assistiu a uma sucessão impressionante de mobilizações populares. Tunísia, Egito, Israel, Chile, Espanha, Grécia, Síria, Bahrein, Reino Unido e, agora, os EUA - com as ocupações de Wall Street por "indignados". Raros foram os momentos históricos em que mobilizações ocorreram de forma tão global.

Olhando mais calmamente para elas, notam-se dois importantes pontos em comum: a presença maciça de jovens e uma organização feita a despeito dos partidos.

É bastante clara aqui a consciência de que a forma-partido, como a conhecemos, parece bloquear o campo do político e embotar a criatividade social exigida pelo confronto com novas situações. Os partidos não estão na vanguarda, mas a reboque dos processos.

São os jovens que, sabiamente, sentem mais claramente essa realidade. Por isso, eles não parecem dispostos a se engajar em partidos que submetem a inventividade do político ao raciocínio estratégico do dia. Na verdade, eles estão à procura de outra forma de organização política.

Muitas vezes, alternativas dessa natureza foram conjugadas no interior da lógica "mudar o mundo sem conquistar o poder". Bem, o que se pode dizer a respeito desse raciocínio é: os detentores do poder agradecem.

Ao contrário, espera-se de novas formas de organização política que elas apresentem modelos mais eficientes de governo, que elas nos ensinem, inclusive, a avaliar de outra forma ideias como "eficiência". Ou seja, não se deve temer o poder.

Há de se reconhecer a complexidade da equação: não aceitar o modelo de gestão do poder baseado na forma-partido sem cair em alguma forma de crença no espontaneísmo redentor da "vontade política".

Pensando nisso, talvez vejamos em alguns anos o aparecimento de algo como agremiações eleitorais compostas por vários pequenos grupos políticos que se unem para disputar eleições e modificar, por dentro, a lógica restrita da democracia parlamentar.

Modificação que permita a abertura da vida social para uma democracia com mais densidade de participação popular e com menos medo de uma soberania que se manifeste sem a necessidade de representações.

Certo é que, no mundo inteiro, os partidos não encantam mais.

Artigo do professor de filosofia Vladimir Safatle, da USP. Publicado hoje na Folha.

Foto: Um homem e sua filha fogem temerosos da repressão policial em frente ao Parlamento grego, em Atenas, em 25 de setembro último. Nos protestos da Grécia, assim como nos protestos da Espanha, Inglaterra, Chile, Estados Unidos, Israel, no mundo árabe, etc., a participação organizada dos partidos políticos de esquerda é quase desprezível. Kostas Tsironis/AP


A Líbia subtraída pela Otan


Poucos sabem, mas a Líbia tem vastos lençóis subterrâneos de água doce. Um dos motivos do presidente francês Nicolas Sarkozy ser o ponta de lança na invasão e massacre da Otan no norte da África é justamente o de defender os interesses das companhias francesas de beneficiamento (via produtos químicos como cloro e outros) da água potável. Assim, a Líbia será "liberada" (subtraída) não só de petróleo e gás, mas sobretudo, do chamado precioso líquido, a água cristalina e potável.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Estudantes do Chile se rebelam contra a ditadura do mercado



“Um rasgo neoliberal do Chile, que irrita particularmente é a privatização dos serviços públicos. Porque significa um roubo manifesto do patrimônio dos pobres. Aos humildes que não possuem nada, fica pelo menos a escola pública, o hospital público, os transportes públicos, etc. que são gratuitos ou muito baratos, subvencionados pela coletividade. Quando se privatiza, não só se arrebata da cidadania um bem que lhe pertence (custeado com os seus impostos) mas também se retira dos pobres seu único patrimônio” – Ignacio Ramonet (Diretor da edição espanhola do Le Monde Diplomatique).

Há mais de três meses milhares de estudantes chilenos (*) tomam as ruas e avenidas das cidades do Chile, em grandes mobilizações de massa, contra a privatização do ensino e por uma educação pública, laica e gratuita.

No último dia 22 de setembro tive a oportunidade de, não só presenciar, mas também participar de mais uma grande manifestação com mais de 100 mil estudantes e populares nas grandes alamedas de Santiago do Chile. Para mim, que fui exilado político no Chile,  e que senti na carne junto com o povo chileno o golpe de Estado no dia 11 de setembro de 1973 (que derrubou e assassinou o saudoso Presidente Salvador Allende), foi emocionante ver se materializar nesta manifestação de milhares de jovens estudantes a frase de Allende no seu último discurso, em pleno bombardeio do Palácio de La Moneda, que diz: “Fiquem vocês sabendo que, muito mais cedo do que tarde, de novo se abrirão as grandes alamedas por onde passará o homem livre para construir uma sociedade melhor”.

O movimento estudantil já conseguiu grandes vitórias políticas como ganhar o apoio da maioria da população e demonstrar a desigualdade do sistema de ensino privatizado pela ditadura neoliberal do general Pinochet (1973 a 1990), e que mais de vinte anos de democracia liberal (1990 a 2011), acordada entre as elites democráticas da Concertação (Democracia Cristã - DC e Partido Socialista - PS) e as elites autoritárias da direita,  não conseguiram desmontar.  Por isso, exigem que o direito a uma educação pública e gratuita de qualidade seja inscrito na Constituição Nacional e constituíram uma maioria na sociedade favorável para uma transformação profunda na educação chilena.

Este movimento não é puramente estudantil, pois ele é também uma manifestação do mal estar geral da sociedade chilena com o modelo de desenvolvimento imposto, bem como do esgotamento do pacto da transição de uma saída pactuada da ditadura, firmado entre a Concertação e a direita.

A mobilização dos estudantes também abriu um forte questionamento no sistema político representativo, a forma de eleição dos parlamentares e regras institucionais da Constituição de 1980 da ditadura. O pacto de transição da ditadura estabeleceu o voto distrital binominal e ainda a proibição que o Partido Comunista (que foi um dos principais partidos que fizeram a resistência armada contra a ditadura) não podia fazer parte da Concertação (DC+PS). Desta maneira, estava assegurada, pelas elites, a transição democrática com o domínio dos distritos pelas duas grande coalizações: Concertação (Centro) e a Direita, excluindo o  PC e outros partidos minoritários de esquerda. Não é por acaso que as principais lideranças do movimento estudantil são do Partido Comunista, como Camila Vallejo (Presidenta da Federação de Estudantes da Universidade de Chile) ou de grupos de Esquerda Autônoma como Francisco Figueroa (Vice Presidente da Federação de Estudantes da Universidade de Chile) entre outras lideranças. O PC e outros movimentos de esquerda já levantam a bandeira de uma nova Constituição com uma ampla reforma política, que termine com o sistema político distrital binominal e implante o sistema proporcional, assegurando os direitos das minorias, assim como defendem a construção de uma democracia participativa.
  
O modelo de mercado no Chile, que funciona como uma ditadura e que impõe regras a toda a cidadania, na saúde e educação (privatizadas), nas relações de trabalho (precarização), no cobre (privatização), na economia completamente aberta e o capital  financeiro predomina sobre todas as atividades. Hoje, os estudantes, que tem dívidas de créditos escolares, e a cidadania que está presa aos mesmos credores tem um inimigo comum e uma ampla aliança social. Contra esta ditadura do mercado se levanta hoje não só os estudantes mas o conjunto dos trabalhadores e inclusive setores da classe média chilena (com manifestações nos bairros como Nuñoa, Providência e Las Condes saindo nas ruas para fazer panelaços).

O movimento estudantil com suas reivindicações e mobilizações, se constituiu em um movimento social que incluiu setores da classe média, trabalhadores e o movimento popular dos bairros e vilas. Está em marcha uma revolução democrática e anti-neoliberal que fará grandes transformações na sociedade chilena.

Como dizia um dos cartazes da manifestação dos estudantes com a foto do Presidente Allende: “O Sonho Existe”.

(*) Artigo do economista Ubiratan de Souza, dirigente do Partido dos Trabalhadores de Porto Alegre.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo