Você está entrando no Diário Gauche, um blog com as janelas abertas para o mar de incertezas do século 21.

Surf no lixo contemporâneo: a que ponto chegamos! E que mundo deixaremos de herança para Keith Richards?

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Neoliberalismo: teoria em Porto Alegre, prática na Europa



Se trocarmos Rosario (Argentina) por Porto Alegre, essa charge nos serve. É só lembrar o evento anual dos neoliberais sul-rio-grandenses, denominado (autoengano!) "Forum da Liberdade", cuja edição 2013 recém foi concluída em Porto Alegre. 

"Está certo...os teóricos em Porto Alegre e os trabalhos práticos na Espanha, Grécia e Chipre".

5 comentários:

Nelson disse...

Gostaria, imensamente, que os "trabalhos práticos" dos neoliberais tivessem sumido, por completo, da face do nosso planeta. Em última instância, que ficassem restritos, realmente, à Espanha, Grécia e Chipre. Infelizmente, não é isso o que vejo.
Aqui no Brasil, os governos que elegemos com muito esforço para que "jogassem para escanteio" o tal de neoliberalismo, seguem aplicando sua cartilha. Basta vermos as privatizações feitas pelo Sr Lula e a Dona Dilma. Ah!, não são privatizações, são concessões, dizem os petistas.
Os resultados, altamente deletérios para a grande maioria do povo brasileiro e do país, são os mesmos, sejam privatizações, sejam concessões. Enquanto isso, os neoliberais "lambem os beiços" ao vislumbrarem os parrudos lucros que vão abiscoitar às nossas custas.

Carlos Eduardo da Maia disse...


Nelson acha que concessão de serviço público é contrato típico do neoliberalismo. Esse é o problema da nossa esquerda, não lê, não se informa, não conhece e fica dando pitaco em questões que não sabe.

Como se o estado, qualquer estado de qualquer lugar do mundo, tivesse condições de prestar (bons ou razoáveis) serviços para todos.

El Kabong disse...

Mas a verdade é que a neoliberalidade lambe sim os beiços com as tais "concessões". O Estado mínimo é seu compromisso e nem por assumirem funções que o Estado """"""DEVE"""""" assumir, como o controle das telecomunicações (digam os senhores neoliberais o que disserem), não entregarem a saúde pública à cartéis internacionais que é o que temos assistido, etc, etc... A verdade que a corrosão do Estado e do serviço prestado por instituições públicas faz parte de algo planejado. Estou com Nelson o povo não elegeu o PT para dar continuidade ao entreguismo, ou seja lá o nome idiota que lhe deem. Não foi eleito para administrar o superávit primário dos banqueiros. É uma grande decepção e o neoliberalismo está sim as soltas, não importa o que digam. E a pseudoesquerda tem culpa sim no cartório.

Fabio Sandi disse...

Antes de mais nada, gostaria de lembrar que o Forum da Liberdade defende idéias libertárias embasadas em Respeito, Responsabilidade e Liberdade, portanto caso não gostem destas idéias sugiro uma visita, como eu mesmo fiz a Cuba ou a Coréia do Norte. Também vale lembrar que o termo neoliberalismo, não tem nenhuma ligação com as idéias libertárias, inclusive, é contra a maioria das atitudes neoliberais...

El Kabong disse...

Desconheço a proposta de tal forum, mas se for uma de suas diretrizes à de entregar todos os setores produtivos nas mãos da angelical plutocracia reinante, já nasce irremediavelmente equivocado. Será que vale a pena citar a fábula do escorpião e do sapo? Desde criança ouço o conto da Carochinha: diversificar suas aplicações em várias cestas, nunca depositar todas as suas esperanças numa única cesta. Mas o que assistimos hoje é exatamente o contrário. Ano após ano o poder economico se concentra mais e mais nas mãos de uns poucos no mundo e isso é um perigo, uma verdadeira calamidade. O ser humano não pode ser tão dependente como se vê neste exato momento. O Estado tem que ter sua participação em determinados setores, que estando exclusivamente entregues a iniciativa privada, possa eventualmente criar graves problemas à população. O Estado não pode se permitir fragilizar perante as grandes corporações. Haja visto o que temos assistido exponencialmente desde 2007. A crise a princípio era do setor financeiro e foi estatizada. As nações se ajoelharam e o contribuinte paga o pato. Na minha ótica desregulamentar só pode dar nisto. Tanto se falou após o golpe nas poupanças das pessoas em maior vigilância sobre o setor financeiro e até agora nada. Continua tudo como antes, inclusive, a farra dos empréstimos absurdos continuam. Será que alguém achou que as nações poderiam fazer frente a corporatocracia que ora se desenha? Paulatinamente, com a chancela do neoliberalismo o enfraquecimento do Estado e o robustecimento do grande capital. Esse mal dificilmente será desfeito. Me parece que Inês é morta. Como alguns afirmam, o problema não está no regime economico escolhido, mas na sordidez daqueles que se veem como diferenciados dos demais. Esta canalha já abocanhou tudo. Utopias à parte, a nós não nos resta outra alternativa senão um fortalecimento do Estado. Gostemos ou não.

Nisso tudo um enigma perdura há alguns anos. A Islândia. A Islândia foi contra a Troika, deu o calote, prendeu banqueiros, é governada de forma participativa e tá aí, crescendo cerca de 2% a.a. Até quando vão permitir ninguém sabe.

Contato com o blog Diário Gauche:

cfeil@ymail.com

Arquivo do Diário Gauche

Perfil do blogueiro:

Porto Alegre, RS, Brazil
Sociólogo